segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

VOODOCORVO estará ausente durante 10 Dias. Bom Ano Novo !



Imagens do Dia / Inundações no Reino Unido

Os acontecimentos confirmam os sintomas anunciados do Aquecimento Global e das graves Alterações Climáticas que nos aguardam no Futuro.
A Natureza deixa os seus sinais claros.
OVOODOCORVO





Failed flood defences cast doubt on UK readiness for new weather era / VÍDEO: UK floods: Army deployed as rivers burst banks and more than 300 flood a...


Failed flood defences cast doubt on UK readiness for new weather era

An extra 1,000 soldiers are on standby as thousands of people are evacuated amid the threat of more heavy rain to come this week in northern England

Matthew Taylor, Ben Quinn and John Vidal
Monday 28 December 2015 05.13 GMT Last modified on Monday 28 December 2015 08.16 GMT

Britain’s ability to cope with the “unprecedented” flood crises that hit several urban centres simultaneously over the weekend has been called into question after the failure of key flood defences in the north led to thousands of homes being put at risk.

Three cities - York, Leeds and Manchester - were hit by the severe weather, alongside scores of towns and villages, forcing the evacuation of thousands in what David Cameron described as an unprecedented situation. The prime minister was expected to visit the stricken areas on Monday.
With more heavy rain predicted for the middle of the week, the situation could worsen and an extra 200 troops have been dispatched to the worst-hit areas to join the 300 already helping communities cope with the flooding.

A Downing Street spokesperson said on Sunday night that a further 1,000 military personnel were on standby “should the situation worsen”.

More rain will batter the north of England on Wednesday with up to 80mm (3in) falling on high ground and as much as 120mm (4.7ins ) in exposed locations.

Amid warnings that climate change would lead to more frequent and severe flooding, the state of the large-scale defences was brought into sharp relief after pumping equipment in York was overwhelmed by the sheer volume of water.

In a move that apparently sacrificed some areas in order to prevent greater devastation elsewhere, officials decided at the weekend to raise the river Foss flood barrier in order to prevent it from becoming stuck. Hundreds of homes were evacuated and entire streets were submerged. York’s barrier, completed in 1987 following serious flooding in 1982, also experienced problems in 2012 when four of its eight pumps failed due to overheating, resulting in flood warnings for hundreds of householders.

Charlie Croft, from York City Council, confirmed on Monday morning that river waters in the city had peaked, telling the BBC: “We have to say that we are still in the middle of a major incident, though tentative positive news is that the river may now have stopped rising at this point.”

Floods continued to bring chaos to thousands of homes and businesses elsewhere across the north of England. In Leeds, main roads in the city centre remained under water. In Greater Manchester, 7,000 homes were still without power after rivers topped their banks.

While experts have cautioned that it is too early to give precise figures for the losses caused by Storm Desmond and Storm Eva, the accountancy firm PricewaterhouseCoopers said that an initial analysis showed that they could run as high as £1.3bn.

Facing questions about Britain’s readiness to cope with severe weather events after cuts to the government’s flood spending over the past five years, the environment secretary Liz Truss pledged that flood defences would be reviewed.

Shadow chancellor John McDonnell called for a cross-party consensus to ensure that investment in flood resilience does not fall victim to politics, while a council leader in a flood-hit part of Yorkshire said measures needed to extend beyond spending on major flood defence schemes. Mr McDonnell said he was ready to agree levels of spending on measures to adapt to climate change with chancellor George Osborne to ensure that investment continues whoever wins the next election.

Calderdale council leader Tim Swift said: “It’s just obvious that the scale of flooding events over the last 10 years has been dramatically greater than anything we’ve had before, and without getting into an argument, even if you put the most generous interpretation on what the government is doing, the level of flood resilience funding hasn’t increased to match that.

“One of the big questions we will be asking is what the most effective response is. We’re pretty clear it needs to be about the whole system. There is still a case for major flood defence schemes, but we also want to look at land management and drainage as well. Calderdale needs a comprehensive solution.

In York, where 3,500 homes were at risk near the rivers Ouse and Foss, there were calls for the state of flood defences and funding to be reviewed. Among the worst affected was the area around Huntingdon Road, close to the city centre, where vehicles and homes were partially submerged.

Problems arose at the weekend at the Foss barrier and pumping station, which controls river levels by managing the interaction between the rivers Foss and Ouse. In a model that is commonplace around the country, pumps behind the barrier are supposed to pump the water clear. The station became inundated with floodwater after the volume exceeded the capacity of the pumps and flooded some of the electrics, according to an Environment Agency spokesperson, who said that a helicopter was due to airlift in parts to complete repairs on Monday.

“The barrier gate was opened to let the river Foss flow into the river Ouse to prevent very high water levels in the Foss from backing up and creating dangerous levels of flooding, which would have created a serious risk to the public,” the spokesperson added.

Just before Christmas, the government published figures on flood spending levels over the past five years. They tumbled nearly 30% after 2010-11, and have only now picked up thanks to “exceptional” funding as a result of the 2013-14 floods. By 2014-15, capital investment on flood defences had fallen to £228m, supplemented by a further £125m.

Innes Thomson, a former flood chief at the Environment Agency who heads the Association of Drainage Authorities, whose job is to manage water levels and keep water flowing, called for more money to be spent on maintenance rather than on big new defence projects.

“If we were to spend more just maintaining and managing water levels, it would be money well spent,” he said. “If we spent a slug of money now cleaning up rivers, it would help. All sorts of work needs to be done. We have £22bn of flood risk assets, but [we need to ask] have we got the right standard? Are they in good condition? Should we upgrade our pumps? Do we need to ensure all our embankments are sound? Are our watercourses clear of obstacles? I think we are talking about tens of millions of pounds. Now is an opportunity to reconsider where we spend our money.”

More than 200 flood alerts and warnings were in place for England, Wales and Scotland on Sunday afternoon, including more than 20 severe warnings, indicating danger to life. Among the most seriously affected areas were Pennine towns between Leeds and Manchester that saw rivers hit record levels – up to 5ft above their previous peak in some places.


In Sowerby Bridge, West Yorkshire, hundreds of homes and businesses were flooded, with residents piling sodden furniture, Christmas presents and other belongings in the street. A few miles down the valley in Hebden Bridge, residents were coming to terms with their third devastating flood in the past four years.

Truss told the BBC: “Every single river [in Lancashire] was at a record high,” adding that in Yorkshire, some rivers were a metre higher than ever before. “Clearly in the light of that, we will be reviewing our flood defences.”

Dozens killed as wild weather sweeps across southern and central US / VÍDEO


Dozens killed as wild weather sweeps across southern and central US

At least 43 people have been killed in Christmas weekend storms
State of emergency declared in Missouri and New Mexico
Tornadoes rip through Dallas area, killing 11 people
Another 13 die in Illinois and Missouri flash flooding

Staff and agencies
Monday 28 December 2015 01.08 GMT

At least 43 people have been killed after storms hit southern and central US states over the Christmas holiday, unleashing floods and tornadoes, flattening buildings, blowing vehicles off highways and snarling transportation for millions.

The weather prompted the governors of Missouri and New Mexico to declare a state of emergency for their states on Sunday.

In the Dallas area, 11 people were left dead by tornadoes over the weekend, including one packing winds of up to 200 miles per hour (322 kmh). The twister hit the city of Garland, killing eight people and blowing vehicles off highways.

“A tornado of that strength is very rare in a metropolitan area,” National Weather Service meteorologist Matt Bishop told Reuters. Powerful tornadoes are a staple of spring and summer in central states but occur less frequently in winter, according to U.S. weather data.

“It is total devastation,” Garland police spokesman Lieutenant Pedro Barineau said. “It is a very difficult time to be struck by such a horrible storm the day after Christmas.”

It was the latest of a succession of powerful weather events across the country, from heavy snow in New Mexico, west Texas and the Oklahoma panhandle to flash flooding in parts of the plains and midwest.

In addition to the Texas fatalities, flash flooding killed at least 13 people in Illinois and Missouri, officials and local media reported on Sunday.

Six adults drowned when they drove their cars into flooded waterways in Missouri’s Pulaski county, said county sheriff Ron Long.

In neighboring Illinois, Salem-based radio station WJBD reported a family of three adults and two children was driving near the village of Patoka, 85 miles (137 km)east of St. Louis, Missouri, when their car was washed away by floodwaters.

The death toll in the south-east linked to severe weather rose to 19 on Sunday when Alabama authorities found the body of a 22-year-old man whose vehicle was swept away while attempting to cross a bridge; a five-year-old died in the same incident. Ten people have died in Mississippi, and six died in Tennessee. One person was killed in Arkansas.

The full extent of damage along a nearly 40-mile stretch near Dallas was becoming clear Sunday: houses destroyed, vehicles mangled, power lines down and trees toppled. Heavy rain and wind hampered cleanup efforts on Sunday afternoon.


“This is a huge impact on our community and we’re all suffering,” Barineau said of the community about 20 miles north-east of Dallas, where eight people died, 15 were injured and about 600 structures, mostly single-family homes, were damaged.


The weather service said an EF-4 tornado, which is the second-most powerful with winds up to more than 200mph, hit the community at about 6.45pm on Saturday. It was near the intersection of Interstate 30 and George Bush Turnpike, which is a major route in the region. At least three people who died were found in vehicles, said Barineau, who also noted that some cars appeared to have been thrown from the interstate, though it wasn’t known whether that was the case for the people found in the vehicles.

Natalie Guzman, 33, took photos of her family’s home in a Garland neighborhood. The garage wall had collapsed and the roof fell in. The only part of the house that appeared to be spared was the master bathroom, where her brother-in-law took shelter Saturday night. He was the only one at home and told her he had just enough time to get himself and his dogs into the bathroom.

“It was worse than I thought,” Guzman said, comparing the scene to the photos her brother-in-law had sent the night before.

The destruction in Garland was so overwhelming that Dallas County judge Clay Jenkins declared the city a disaster within mere minutes of seeing the toll first-hand.

“I don’t declare local disasters lightly,” Jenkins said. “But I looked at the scene for 10 minutes, spoke to the incident commander and then called the lawyers to bring the paperwork.”

In the nearby town of Rowlett, city manager Brian Funderburk said Sunday morning that 23 people were injured, but that there were no deaths and no reports of missing people. The weather service said damage indicated it was likely an EF-3 tornado, which has winds up to 165 mph.

Dale Vermurlen lived in a Rowlett neighborhood that sustained heavy damage. His house only had minor damage, but was next to that were flattened.

“I grabbed both dogs by the collars and held on to the toilet. I said ‘OK, this could be it, boys.’”

Homes in the neighborhood that had been searched by emergency responders were marked with a black X. In some instances, it looked like homes had been picked up and set back down in a big pile. State troopers were blocking off roads, utility crews were restoring power and people were walking around hushed and dazed.


Three other people died in Collin County, about 45 miles northeast of Dallas, according to sheriff’s deputy Chris Havey, although the circumstances were not immediately clear

Weather service meteorologist Matt Bishop in the Fort Worth office said the tornado outbreak at this time of the year for North Texas occurs “from time to time ... but it’s certainly not something that happens regularly”.

On the other side of the state, a snowstorm was accompanied by plunging temperatures. In far west Texas, up to four inches of snow fell overnight in the Alpine area, with foot-deep drifts reported. Parts of Interstate 40 on the Texas-New Mexico border were closed Sunday due to snow. Texas department of transportation spokesman Paul Braun told the Amarillo Globe-News that crews are doing what they can to plow the drifts, which occurred even though there were only about 3in of snow. They “go through and it blows it right back,” he said.

Albuquerque, New Mexico, received about 6in of snow and saw nearly 200 weather-related accidents Saturday. Meanwhile, Oklahoma governor Mary Fallin declared a state of emergency as there were blizzard conditions and an ice storm warning out west and flood warnings in the east.

Amanda Holpuch contributed to this report.

A year of extremes: severe snow storms, drought and floods ravaged US in 2015


Natural disasters and extreme weather

A year of extremes: severe snow storms, drought and floods ravaged US in 2015

In the warmest year on record, Mother Nature wrought havoc across the country, with large swaths of the west coast ablaze during the summer and the north-east blanketed in snow for most of the winter

Oliver Milman
Sunday 27 December 2015 12.30 GMT


2015 has been the warmest year, globally, on record, with the lower 48 states of the US experiencing their balmiest autumn ever measured.

This kind of exceptional heat provided an appropriate setting for the Paris climate summit, where 196 nations agreed to curb greenhouse gas emissions to avoid the sort of dangerous climate change that contributes to floods, drought and damaging sea level rises.

But the past year has also seen a number of severe natural disasters, climate change-fueled or otherwise, that have battered the US. The Federal Emergency Management Agency issued 77 disaster declarations in 2015. Here are some of the disasters that tested Americans this year.

January snow storms


During winter storm Juno in the Boston’s South End, Mike Poremba walks his dog Cali past snow-covered cars. Photograph: Boston Globe via Getty Images
For New Yorkers, the snow in January was something of a near-miss – US National Weather Service warnings of a “potentially historic blizzard” proved erroneous. The subway was shut and driving was banned for what turned out to be just a light coating of snow.

But for those in Maine, New Hampshire, Connecticut and Massachusetts, there was no such escape. Thousands of people lost power, flights were canceled and sports events were called off as more than 2ft of snow settled in parts of the region. High winds and coastal flooding, with winds gusting to 80 mph in Massachusetts, pounded the Atlantic coast. For many cities in New England, winter storm Juno, as the blizzard was unofficially dubbed, was one of the heaviest snowstorms on record, with at least two people dying as an indirect result of the conditions.

Boston was smothered by snow, with February its snowiest month on record. In total, around 8ft of snow fell on the city, which ran out of places to dump cleared snow. This immense downfall prompted several people to throw themselves from their windows into huge snowdrifts – while videoing the experience, of course. Mayor Marty Walsh was enraged: “This isn’t Loon Mountain, this is the city of Boston!”

Tropical storm Bill


Flooding in Galveston, Texas, as seen from a coast guard helicopter after Tropical Storm Bill made landfall. Photograph: US coast guard/Reuters
The drought in California would have been far from the minds of people in Texas and Oklahoma, who experienced their wettest May on record, only for it to be followed by Tropical Storm Bill.

The tropical cyclone formed in the Gulf of Mexico on 16 June and swept northwards after making landfall in Texas in the following days. A huge amount of rain was dumped upon Texas and Oklahoma, peaking at 13.2in near El Campo, Texas. The rain brought flooding that killed two people, rockslides that closed highways and gusts of over 60 mph.

West coast wildfires


A long-exposure picture shows a backfire in an attempt to battle the so-called Rocky fire near Clearlake Oaks, California. Photograph: Noah Berger/EPA
The state of Washington endured its largest ever wildfire season in 2015, with a pall of smoke hanging over Seattle acting as a constant reminder of the flames that burned through more than 1m acres of the state.

The fires were declared a federal emergency on 21 August, with the US army deployed to help firefighters tackle the blazes. Three firefighters died in the course of their duties, while thousands of people were displaced. A cluster of blazes had destroyed more than 170 homes by 1 September. The fires followed a prolonged dry period in the state.

Further south, more than 6,000 fires had taken hold in California by November, burning through more than 300,000 acres. A state of emergency was declared due to the intense fires in Amador and Calaveras counties. Seven people and two firefighters died.

South Carolina floods


DNR officer Brett Irvin and Lexington County deputy Dan Rusinyak carry June Loch to dry land after she was rescued from her home in Columbia, South Carolina. Photograph: Tim Dominick/Rex Shutterstock
Disastrous flooding claimed 17 lives in October – 15 in South Carolina and two in North Carolina. Record rainfall, spurred by low pressure and Hurricane Joaquin, dumped 20in of rain in some parts of South Carolina. This led to widespread flooding, causing $12bn in damage, a loss that governor Nikki Haley called “disturbing”. More than 160,000 homes were hit by the floods, with around 400,000 people required to boil their water to avoid an outbreak of disease.

Tornadoes


2015 has been an unusually quiet year for tornadoes. As of 22 December, only 10 people had died from tornadoes in the US. That was the fewest deaths in more than a century and well below the average of the past 10 years, which stands at 110 deaths per year, according to the National Weather Service. (Dallas tornadoes and associated traffic accidents, however, left an additional 11 dead this weekend.)

The periodic El Niño climate phenomenon, which is currently in effect, is thought to subdue Atlantic hurricanes, which can then spawn tornadoes. One of the most destructive tornadoes in 2015 occurred at the River Oaks mobile home park in Sand Springs, Oklahoma, in March. The strongest ripped through Rochelle, Illinois, in April.

California drought


Drought is a very slow-moving disaster – California is in its fourth year of drought and there haven’t been any destroyed homes or swaths of deaths as a result. But the impacts are severe. In some parts of California’s Central Valley – an area that produces around 40% of the US’s fruits, nuts and vegetables – water-starved farmers have taken to drilling for water to such a degree that the land is sinking at a rate of 2 inches a month.

Far-reaching water consumption cuts have been placed on households but the state is still losing water – the University of California estimates that 4tn gallons of water have been lost from the Sacramento and San Joaquin river basins since the drought began in 2011.


The lack of water has been mirrored by a dearth of snow. In September, scientists estimated that the amount of snow in the Sierra Nevada was the lowest in more than 500 years.

Why Erdoğan is like Ataturk


Why Erdoğan is like Ataturk

There are more than a few similarities between the two most influential modern Turks.

By NICK DANFORTH 12/28/15, 6:00 AM CET

When President Erdoğan’s party won an unexpected and decisive victory in Turkey’s November 1 election, many surprised observers concluded that the Turkish people had voted for stability. A month later, following the downing of a Russian jet and continued killing in the country’s southeast, stability seems more elusive than ever. Yet as Erdoğan leads Turkey into turbulent waters, polls suggest that his popularity has only risen along with domestic and international tensions.

People continuing to search for the secret of Erdogan’s popularity might do well to consider the success of Turkey’s founder, Mustafa Kemal Ataturk — particularly the powerful tradition of populist nationalism and aggrieved egalitarianism that Erdoğan inherited from him.


* * *

Erdoğan and Ataturk are often seen as opposing figures. For Ataturk’s supporters it is a contrast between the modernizer and the reactionary, the pro-Western secularist and the anti-Western Islamist.

Shortly before November’s elections, Erdoğan presented the contrast somewhat differently.

Welcoming guests to his new thousand-room presidential palace to celebrate the founding of the Turkish Republic, Erdoğan reminded them that the country’s founders had once celebrated the occasion in Ataturk’s palace “with frocks, waltzes and champagne” while a “half-starved nation, struggling to survive without shoes on their feet or jackets on their backs, looked on from outside the gates in shock.” Today, he went on, “after a long struggle we have eliminated this division between the public and the Republic.”

Erdoğan told the assembled crowd that their presence inside his new residence symbolized the fact that the building now belonged to the people and to the nation.

Erdoğan’s attacks on Ataturk’s regime bear an uncanny resemblance to Ataturk’s own attacks on the Ottoman sultans he overthrew in creating modern Turkey.”

In part, Turkey’s recent election hinged on whether the citizens believed him. Did they think Erdogan’s palace truly belonged to them or instead, as critics claimed, to an increasingly powerful and out-of-touch autocrat? Most sided with Erdoğan, just as almost a century earlier most had sided with Ataturk.

Ironically, Erdoğan’s attacks on Ataturk’s regime bear an uncanny resemblance to Ataturk’s own attacks on the Ottoman sultans he overthrew in creating modern Turkey. Erdoğan’s comments sought to depict his predecessors as an alien elite whose European affectations marked them as indifferent to the needs and culture of the masses. Ataturk worked to paint the late Ottoman dynasty in the same light, saying the Sultans who presided over the Empire’s dissolution were “foreign usurpers,” “madmen and spendthrifts,” whose depravity endangered the Turkish nation.

In place of waltzes and champagne, popular history from Ataturk’s era offered the Mad Sultan Ibrahim, “taking amber as an aphrodisiac” to “better busy himself with women” while Turkish soldiers fought and died. To muster popular support for abolishing first the Ottoman Empire and then the Caliphate, Ataturk accused the Ottoman Sultans of further betraying the nation by seeking British support to sustain their corrupt rule. With undoubted delight, Ataturk noted that the last Ottoman Sultan, “in his capacity as Caliph of all the Mohamedans,” had “appealed for English protection” and was conducted out of Istanbul on an English man-of-war.

Building on this critique, Ataturk’s rhetoric centered on his regime’s commitment to the values and well being of the Turkish people. Slogans like “Turkey belongs to the Turks,” or “the villagers are the masters of the nation” sought to give ordinary citizens a sense of ownership over their new nation-state. Ataturk’s government claimed to celebrate the people and their culture, speaking the plain Turkish of Anatolian villagers, not the incomprehensible mix of Arabic and Persian used by the Ottoman court. In place of royal palaces it promised museums to display the villagers’ costumes and carpets with pride, and schools to prepare them to take their place among the country’s governing elite.

* * *

In time, of course, Ataturk’s regime did create its own elite, but most villagers remained conscious of their place outside it. The regime’s authoritarian approach failed to live up to its promises, bringing rural Turkish voters economic stagnation and one-party rule instead of empowerment.

Erdoğan’s regime may well do the same, and in time be remembered in a similar fashion. But its initial promise and methods are not that different from Ataturk’s. After November’s election a pro-government columnist wrote that the people who voted for Erdoğan demanded their rightful place in “the media, the academy, the arts and the neighborhoods of the elite.” Now, she declared, with the advent of democracy, “all these bastions of the great nation will be conquered.” In short, the villagers were still waiting to become masters of their country, and they expected Erdoğan to deliver where Ataturk had failed.

A poster of Turkish President Recep Tayyip Erdogan over the Kasimpasa district

What makes this a particularly confusing moment in Turkish politics is that many of Erdogan’s most vocal liberal critics, in Turkey and abroad, share his critique of Ataturk’s regime. Indeed, this is why many initially supported Erdoğan’s party, as it fought to overturn the country’s rigid, even anti-Islamic form of secularism, as well as the undemocratic military and bureaucratic structures committed to enforcing it. In fact, where criticism of Ataturk was once forbidden, Turkey’s liberalization over the past decade allowed a much-needed conversation about the often oppressive nature of Ataturk’s regime.

Historians have increasingly asserted that Ataturk’s modernizing reforms were not, as official history once asserted, wildly popular but rather imposed in a top-down, authoritarian manner on a population that resented being cut off from their Islamic faith and traditional culture.

In a sense, scholars and other observers have begun to look beyond the tuxedos and top hats that once epitomized the modernity of Ataturk’s elite to notice the unmistakable Hitler mustaches that many proudly wore as well. Now, as Erdoğan becomes increasingly autocratic, there are still a few historians willing to join him in implying that Ataturk’s sins somehow excuse jailing journalists. More common, though, is the approach of publications like Der Spiegel, which in an article quite critical of Erdoğan, nonetheless described Atatürk as “a man who cared little for the pious, conservative majority of the population.”

The result is that liberal writers in Turkey and abroad have increasingly suggested that the real comparison between Erdoğan and Ataturk lies in the two men’s authoritarianism. Some have seen continuities in Turkey’s authoritarian political culture, or suggest that perhaps the Turkish people have always wanted a strong leader to rule over them. In short, if liberal observers cannot understand Erdoğan’s popularity today, they are also unable to understand Ataturk’s.

* * *

The truth is that Turkish citizens have displayed a consistent desire for dignity and equality. Sadly, their leaders have channeled this sense of aggrieved egalitarianism into dictatorship rather than democracy.

Populist nationalism can play to people’s best and worst instincts, and Erdoğan, like Ataturk, has proved a master of making it play to both. After Erdogan’s victory November 1, some of his supporters have suggested that Western observers failed to appreciate his appeal because they live in an elite bubble, cut off from ordinary Turks. Indeed, on the eve of the election, this Western observer was slightly surprised to hear one AKP supporter go on at length about Erdogan’s success in providing health care to the country’s poor. Then, instead of discussing the election, the next two people I talked to wanted to tell me about what the Jews were up to instead. Nothing good, it turns out.

Acting in the name of the national or popular will, Ataturk helped establish many basic elements of democratic rule in Turkey, including a parliament, elections and at least one political party. In the same spirit, Erdoğan now presides over an improved form of illiberal democracy, in which carefully managed mass media continues to play the same supportive role it did in Ataturk’s day. But both men have consistently shown more respect for the will of the people in the abstract than for the specific mechanisms — free elections or a free press, say — through which it might make itself manifest. Similarly, both men also proved all-too-willing to trample on the rights of minorities and individuals whose personal will does not fit with the nation’s.

Not surprisingly, the idea of the national will is, in different manifestations, central to democracy, but also fascism. When Ataturk declared that “sovereignty belongs unconditionally to the nation,” he invoked a fundamental liberal ideal — while also reminding people that he saved them from sinister forces who wanted to take their sovereignty away. In winning Turkey’s war for independence, Ataturk claimed to have delivered Turks from the hands of European imperialists and non-Muslim minorities alike. Ataturk secularism may have alienated many pious Turks, but it was not lost on them that he had just won an implausible victory against a series of foes – the English, French, Italians, Greeks and Armenians — who were all Christian. This victory, in turn, did not just help to consolidate Ataturk’s one-party rule, but helped make it popular as well.

Turkey, it appears, will continue being Turkey. But the similarities between Ataturk and Erdoğan serve as a reminder that their brand of populist nationalism and aggrieved egalitarianism is increasingly global.”

Today Erdoğan presents his and by extension the nation’s enemies as a sinister kaleidoscope of not dissimilar forces: America and Europe, Jews and Armenians, followers of the preacher Fetullah Gulen and now possibly Vladimir Putin. Through his domestic and international grandstanding, Erdoğan likewise insists that he alone can protect his people from these powerful foes. The popular appeal of this rhetoric is certainly part paranoia, but it taps into a deeper tradition as well, one which cannot be completely disentangled from Erdoğan’s constant if unconvincing appeal to democratic ideals.

When Erdoğan came to power, some hoped he would turn Turkey into a liberal democracy like Germany. Others feared he would turn the country into an Islamic theocracy like Iran. Turkey, it appears, will continue being Turkey. But the similarities between Ataturk and Erdoğan serve as a reminder that their brand of populist nationalism and aggrieved egalitarianism is neither Western nor Islamic, but increasingly global. The equally striking similarities with Putin’s Russia, Modi’s India, Berlusconi’s Italy, Orban’s Hungary or even Donald Trump’s America reveal that this rhetoric, a crucial part of 20th century politics, remains potent in the 21st century as well.


Nick Danforth is a doctoral candidate in Turkish history at Georgetown University. He writes about Middle Eastern history, politics, and maps at midafternoonmap.com.

Muçulmanos de França tentam contrariar vaga de islamofobia


 Manifestações anti - Islamitas na Córsega


Muçulmanos de França tentam contrariar vaga de islamofobia
O ano que agora termina, com os terríveis atentados terroristas de Paris, atingiu “um pico” no número de actos islamófobos

PÚBLICO / 28-12-2015

“Fora os árabes!” O slogan gritado por uma centena de manifestantes na Corséga neste sábado é revelador de uma hostilidade crescente em França contra os muçulmanos, depois dos atentados terroristas de Janeiro e Novembro.
Locais de culto vandalizados — como aconteceu sexta-feira na Córsega —, cabeças de porco deixadas à porta das mesquitas, ou mesmo tiros disparados e granadas lançadas contra edifícios frequentados por muçulmanos. Os ataques contra locais de culto muçulmanos multiplicaram-se depois dos ataques contra o jornal satírico Charlie Hebdo e contra um supermercado no dia 7 de Janeiro.
Segundo o Conselho Francês do Culto Muçulmano (CFCM), que representa os cinco a seis milhões de muçulmanos em França, o número de actos islamófobos atingiu “um pico” em 2015. Nos 12 dias que se seguiram ao ataque contra o Charlie, a polícia registou 128 actos antimuçulmanos, um número quase equivalente ao que foi registado em todo o ano de 2014, segundo o Observatório contra a Islamofobia do CFCM.
A um ritmo médio, os actos de vandalismo e os insultos dirigidos contra a maior comunidade muçulmana da Europa continuaram a registar-se durante todo o ano, marcado pela decapitação de um empresário pelo seu empregado muçulmano em Junho e principalmente pela morte de 130 pessoas, alvejadas por jihadistas na noite de 13 de Novembro, em Paris.
Estes acontecimentos trágicos provocaram um aumento dos insultos racistas, principalmente nas redes sociais. Um “ciberódio”, denunciado pelo Observatório do CFCM que “apela aos cidadãos a não juntarem no mesmo saco a grande maioria dos muçulmanos franceses, que vivem em paz, com a ínfima minoria que apela à violência e mesmo à morte em nome da religião”.
Outro sintoma: o aumento de votos no partido de extrema-direita Frente Nacional, sempre pronto a condenar a pressão migratória ou a presença dos muçulmanos, que diz ser demasiado visível.
“Em nossa casa, não vivemos com djellaba [túnica]”, lançou no início de Dezembro Marion Maréchal-Le Pen, sobrinha da presidente da Frente Nacional e que foi candidata numa região do Sul de França. “Não somos uma terra do islão, e se os franceses podem ser de confissão muçulmana é só na condição de se sujeitarem ao modo de vida que a influência grecoromana e 16 séculos de cristianismo moldaram”, martelou a jovem figura em ascensão da FN que recebeu 30% dos votos nas eleições regionais de meados de Dezembro.
Face a estas tensões, o Presidente François Hollande apelou à “solidariedade” e a “fraternidade”. “É preciso optimismo, mesmo quando somos atingidos por tragédias, porque aquilo que os nossos agressores querem é dividir-nos e separar-nos”, disse o chefe de Estado.

O CFCM anunciou um novo processo de “certificação” de imãs, esperando que isso permita promover um “islão aberto” e combater a radicalização jihadistas. E o Conselho também espera fazer renascer “o espírito de 11 do Janeiro”. Nesse dia, milhões de franceses saíram à rua para se manifestarem contra o terrorismo e denunciar as amálgamas entre assassinos islamistas e os muçulmanos de França. Agora, os responsáveis das mesquitas foram convidados a abrirem as suas portas ao público nos dias 9 e 10 de Janeiro para um grande “chá da fraternidade”.

domingo, 27 de dezembro de 2015

Para não acabar de vez com os jornais (e a democracia) / ALEXANDRA LUCAS COELHO


Para não acabar de vez com os jornais (e a democracia)

ALEXANDRA LUCAS COELHO / 27-12-2015 / PÚBLICO

1. A revista do PÚBLICO, onde esta coluna sai aos domingos, acaba hoje. A administração antecipa um prejuízo na ordem de três milhões de euros em 2015, segundo notícias na imprensa. O número será confirmado após o fecho de contas, e não consta do comunicado aos trabalhadores, a 10 de Dezembro, anunciando “redução de custos”. Com variações, a revista existe desde a fundação do jornal, há 25 anos (a partir da semana que vem, reportagens, entrevistas e perfis mais extensos serão integrados no jornal de domingo, bem como esta coluna).

Além da extinção da revista, a administração comunicou aos trabalhadores um “plano de rescisões voluntárias” em condições “mais favoráveis do que as previstas na lei”. Os “interessados podem manifestar-se” até 6 de Janeiro, a administração “avaliará”, reservando-se o direito de “declinar” algumas, e quer concluir o processo no dia 15. O comunicado, divulgado pela Agência Lusa, não indica quanto se pretende poupar, mas diz que pode haver “a necessidade de recorrer a outras medidas” caso “a execução do plano” proposto “não atinja dimensão adequada às necessidades”. Ou seja, não exclui um despedimento colectivo, concluem notícias na imprensa.

A última vez que isso aconteceu foi em 2012, quando, perante um prejuízo de 3,5 milhões de euros, devido à queda de publicidade e vendas, a administração despediu 48 trabalhadores, incluindo fundadores do jornal. A redacção foi, de longe, o sector mais afectado: 36. Além dos despedidos, alguns jornalistas optaram por deixar os quadros, ficando a colaborar (é o meu caso).

A mudança histórica é deixar de pensar o jornalismo escrito como um negócio e encará-lo como um bem comum, envolvendo todos: quem tem dinheiro, para que isso possa existir, e quem não tem, para que possa ser melhor

O que aconteceu desde então, diz o comunicado dos administradores, foi que esses cortes não bastaram face à continuação da “quebra de vendas em banca” e na publicidade em papel: o jornal ganhou 10% de audiência devido ao online, onde triplicou de assinantes, mas a subida na publicidade digital não compensa a descida na publicidade em papel.

Propriedade da Sonae, uma das maiores empresas portuguesas, o PÚBLICO deu quase sempre prejuízo. Belmiro de Azevedo (que em 2015 passou a presidência da administração da Sonae ao filho, Paulo Azevedo) resumiu em entrevista a este jornal: “Não há muita gente a aguentar um ‘perdócio’ de 25 anos.” É um facto, mais do que isso, um património na democracia portuguesa. Quando o PÚBLICO começou, a democracia tinha apenas 16 anos, e sem os milhares de pessoas que o foram fazendo o país seria outro, e o mundo que cá chegou também. Foi preciso dinheiro e visão para erguer esse património, como será preciso dinheiro e visão para continuar.

O meu ponto nesta crónica tem a ver com a visão: o que pode ser um projecto de jornalismo como este 25 anos depois.

A tendência internacional (dados adiante) é para que os diários tenham dificuldade em sustentar-se com vendas e publicidade. O ideal, creio, será encarar isso já, pensando como salvaguardar o jornalismo escrito enquanto bem comum. Projectos como este jornal podem, devem, actualizar a publicidade para o digital, mas por mais cortes que façam, sacrificando trabalhadores, diversidade e profundidade, têm pouca hipótese de sobreviver com vendas e publicidade. A mudança histórica, então, seria deixarem de ser pensados como um negócio — propício ao prejuízo, a cada ano decepcionante para accionistas e desestabilizador para trabalhadores que vão perdendo condições — e serem tomados como responsabilidade social. Colectivos decisivos para a democracia, para uma sociedade mais complexa, livre e justa, envolvendo toda a gente que se sentir implicada neles: quem tem dinheiro, para que possam existir, e quem não tem, para que possam ser melhores. O que está em causa é a própria existência de um jornalismo que contrarie abusos de poder e amplie o mundo, não menos.

Mas antes de desenvolver essa ideia, é preciso completar um pouco o quadro dos jornais no fim de 2015.

2. Dias antes de os novos cortes no PÚBLICO serem noticiados, soube-se que o diário i e o semanário Sol vão fechar, tal como existiam, e cerca de 120 trabalhadores, na maioria jornalistas, serão despedidos. A empresa detentora dos dois jornais, a Newshold, do angolano Álvaro Sobrinho, ex-presidente do BES Angola, alega prejuízos de 4,4 milhões de euros no Sol e de 3,8 no i, e decidiu extinguir-se.

O anúncio foi feito aos trabalhadores pelo CEO Mário Ramires, num plenário a 30 de Novembro. Ramires informou que ia liderar um novo projecto com um terço das pessoas. As 66 sobreviventes fariam uma edição diária e outra ao sábado, com salários inferiores e abdicando de antiguidade, caso no futuro fossem despedidas. Estas condições não só eram obrigatórias como o CEO pediu a quem aceitasse para assinar ali um documento prescindindo da indemnização. Entretanto, estava a gravar em áudio o plenário, e a 2 de Dezembro publicou na íntegra o registo, de quase duas horas, nos sites dos jornais.

“Um desses momentos que ficam na história recente do jornalismo português pelas piores razões”, reagiu em comunicado o Sindicato de Jornalistas (SJ), considerando que a decisão de Mário Ramires “ultrapassa todos os limites da decência, abre grave precedente e merece uma análise específica”, pelo que o SJ apresentou “queixa à Entidade Reguladora para a Comunicação Social pedindo uma avaliação urgente” do caso. “Como é possível os responsáveis editoriais e da empresa acharem que têm direito de publicar um momento grave e íntimo destes para a vida de dezenas e dezenas de trabalhadores? E, o que é ainda mais inacreditável, sem autorização expressa dos trabalhadores, como apurou de forma cabal o SJ. Será que não se dão conta da violência, da coacção, do abuso?”

As diferentes notícias sobre o processo Sol/i referem que Mário Ramires se manteve incontactável, tal como Álvaro Sobrinho (alvo de diversas investigações judiciais/financeiras nos últimos anos).

O essencial será não apenas manter o que ainda sobrevive, como devolver aos leitores o que foi sacrificado: a tradição de crítica cultural em várias áreas; de grande reportagem e cobertura internacional; de longas investigações.

3. A 16 de Dezembro veio a público que o Diário Económico enfrenta uma penhora do Estado. Além das dívidas fiscais, o jornal devia a fornecedores, tinha salários em atraso e um passivo de 30 milhões. O director Raul Vaz informou a redacção nesse dia que a situação se tornara “muito complicada, para não dizer dramática” e falou ao Expresso na necessidade rápida de “uma solução que permita manter a marca”, sempre implicando cortes, admitiu ao PÚBLICO. O Diário Económico é propriedade da Ongoing, ex-accionista da PT com participações noutros media. O empresário angolano Domingos Vunge mostrou-se interessado em comprar o jornal e o canal de TV que lhe está associado, num total de 160 postos de trabalho, cortando o “défice de tesouraria”. Vunge esteve ligado à venda do Sol a Álvaro Sobrinho.

4. O que resumi acima são apenas notícias dos últimos 15 dias no momento em que escrevo. Outras redacções já tinham sofrido cortes, mundo fora há paralelos, o debate é vasto. No caldeirão dos “media” cabe muito, incluindo paparazzi, arrivistas e jogadores com fins não-declarados, que apostam a vida de redacções inteiras. O meu foco são os meios mais em risco, jornais ou revistas, onde o jornalismo pode ficar à mercê da degradação.

5. Dois textos, com dez anos de intervalo, no site da Nieman (a fundação de Harvard para “promover e elevar os níveis do jornalismo”) dão uma ideia de como o foco do debate evoluiu de 2005 para 2015.

O texto de 2005 (http://niemanreports.org/articles/mainstream-media-and-the-survival-of-journalism) mantém-se actual em vários aspectos. Fala do problema de cada vez menos gente prestar atenção aos jornais. Descreve como “o modelo de negócios da imprensa está a implodir enquanto os leitores jovens se voltam para tablóides gratuitos e media electrónicos”. Diz que se tornou moda nos media “a autoflagelação, celebrando a emergência dos ‘cidadãos-jornalistas’, e aplaudindo a morte dos dinossauros”. Contrapõe que “num país polarizado, enfrentando desafios difíceis, o público precisa de recursos, experiência e acima de tudo profissionalismo para informação vital”. Dá um exemplo contundente: num estudo da Fundação Knight, mais de um terço dos estudantes americanos acha que a Primeira Emenda da Constituição dá “demasiada protecção à liberdade de imprensa”, e a maior parte não entende o que é liberdade de expressão”. Cita o provedor do leitor do Washington Post, que fala numa escalada contra os jornais (“mais e mais emails têm um tom desagradável, ameaçador, ideológico”) e remata com o papel central dos jornais para uma cidadania informada (“nenhum outro media vos dará o conteúdo extraordinário do Post, do New York Times, dos Los Angeles Times, do Wall Street Journal e outros jornais de qualidade”).

O texto de 2015 (http://www.niemanlab.org/2015/04/the-state-of-the-news-media-2015-newspapers-↓-smartphones-↑) tem por base o relatório anual “State of the News Media”, da Pew Foundation. Centra-se no domínio dos telemóveis como suporte de notícias: neste momento, 39 dos 50 sites de notícias mais populares dos Estados Unidos são mais lidos em telemóvel do que num computador. A publicidade para telemóvel passou de quase zero em 2010 para mais de um terço de todo o digital. O estudo confirma que a publicidade no papel continua a cair e que a receita da digital aumentou um pouco, mas “está longe de ser suficiente”. Para onde vai então o bolo da publicidade digital? Facebook, Google, Yahoo, AOL e Twitter ficam com metade, o Facebook sozinho com um quarto (e um terço da publicidade para telemóvel). Questões aparentemente a anos-luz das de 2005, mas que confluem mais do que se sucedem. Ou seja, os jornais têm novos problemas e boa parte dos anteriores mantêm-se.

Quanto à publicidade, adenda de um estudo de 2012, em que a Pew conseguiu dados que os jornais normalmente não dão garantindo anonimato: um grande jornal que decidira apostar no digital aumentara 50% nessa publicidade “desenvolvendo uma amplitude maior de anúncios do que a generalidade dos jornais”.

Portanto, sim, é possível, com imaginação, rentabilizar a publicidade digital. Não, os jornais não viverão disso.

6. Mas creio que a publicidade ainda podia ter um papel numa nova lógica de jornalismo enquanto bem público. Grandes empresas portuguesas gastam dinheiro e tempo com programas, projectos, fundações relacionadas com “responsabilidade social”. Se, como anunciantes, valorizarem um jornal de qualidade, o ângulo do lucro — quanto me compensa anunciar aqui — pode mudar para o ângulo da responsabilidade social — este jornal é importante para a democracia. Talvez seja possível fazer isto estabelecendo parcerias com vários potenciais anunciantes. Não estaríamos ainda no domínio da filantropia, porque eles continuariam a lucrar, embora certamente menos do que nos “media” cujo objectivo é vender. Mas teriam outra espécie de ganho.

Não, os jornais também não viverão disso, ainda assim talvez ajude.

7. No domínio da filantropia está a americana ProPublica, de que me falou Adelino Gomes, defensor há anos de um outro modelo para jornais como o PÚBLICO, nomeadamente uma fundação. O que conversámos antes desta crónica foi, como sempre, inspirador.

Fundada em 2007 como um projecto online para peças jornalísticas de longa pesquisa, duração e investimento, a ProPublica faz aquilo que jornais e revistas, no actual modelo, dificilmente conseguem. É seguida por mais de meio milhão de leitores mensais, já ganhou dois prémios Pulitzer, tem um orçamento de 12 milhões anuais, uma equipa de 40 jornalistas e 26 parcerias com sites de notícias e grandes jornais, como o New York Times ou o Guardian, seus aliados, por exemplo, na divulgação dos documentos de Snowden. Tudo isto, vivendo de donativos. Três mil doadores, entre fundações, filantropos e leitores em geral. Todos os conteúdos são abertos, há mesmo um link que diz: “Roubem as nossas histórias” (mediante um código de conduta, por exemplo, não as alterar ou vender).

Difícil saber como chamar à ProPublica: site, plataforma, jornal ou revista online? Eles falam em “newsroom”, ou seja, redacção. Portanto, uma redacção, declarando-se à partida como “não-lucrativa e independente”. No ano passado, o presidente, Richard Tofel, deu uma entrevista ao Guardian cujo título era “A nossa missão é acabar com abusos de poder”. Começa por dizer que no momento da entrevista está a recuperar de um pesadelo: sonhou que ainda trabalhava no Dow Jones. Porque é daí que Tofel vem, da bolsa para o Wall Street Journal, de onde aliás não veio sozinho para a ProPublica. Ou seja, gente que trabalhou na finança, se cansou a ponto de ainda ter pesadelos e usou contactos e experiência para algo não-lucrativo, viabilizando isso com quem tem dinheiro. Tofel explica que houve um esforço para multiplicar os doadores. Quanto mais gente, mais livre de pressões. Sim, aconteceu alguns dizerem que não gostaram de determinada cobertura, e a ProPublica respondeu, temos pena, e eles foram-se embora. Sim, seria óptimo que anúncios e assinaturas pagassem este jornalismo, mas essa não é a realidade. O que é estratégico para os doadores? Nós levarmos isto a sério, diz ele.

8. O grande repórter Ryszard Kapuscinski tem aquela frase: “Este ofício não é para cínicos.” É exactamente isso, e não há outra forma. Se os jornalistas não acreditarem no que escrevem, e que isso é importante, ninguém acreditará. Acreditar nisso é a maior forma de responsabilização. Mas para isso existir tem de ser valorizado por quem tem dinheiro e por quem lê.

Tudo o que Belmiro de Azevedo “perdeu” com o “PÚBLICO” foi um contributo para a democracia. A mudança de prisma é olhar para isso enquanto ganho, impacto na história do país.

9. Os leitores. Há uma mudança de paradigma aqui, também. Assinar jornais (ou revistas) que lemos, online ou em papel, é uma forma de os ajudar a sobreviver. Não encarar os sites como o pelourinho onde os malfeitores dos jornalistas e cronistas serão expostos, denunciados e executados, antes mesmo de o primeiro parágrafo ser lido, ou depois de o ler ao contrário, ou de ler o que não está lá, será uma forma de elevar os padrões. Ao assinarem o seu trabalho, jornalistas, cronistas, fotógrafos, ilustradores dão a cara por tudo o que fazem. Poucos trabalhos são tão escrutinados, e achincalhados impunemente. Se os leitores passarem a tratar o jornal como um bem seu, de que é preciso cuidar, não perdem em exigência, ganham-na como direito e dever.

Isto não deve ser confundido com a fantasia dos “cidadãos-jornalistas”. Há cidadãos e há jornalistas, os jornalistas serão cidadãos, mas o contrário não é verdadeiro. Os cidadãos só são jornalistas se o forem. Os leitores não devem substituir os jornalistas, que para o bem de todos, e como acontece com bombeiros ou médicos, devem ser preparados para o que fazem e honrar um código de conduta. Para isso têm uma carteira profissional, sujeita a critérios. A carteira existe como garantia para a comunidade e para o leitor, o que se tende a perder no salve-se quem puder que se tornaram “os media”. Também aí uma nova visão do jornalismo escrito poderá resgatar princípios básicos.

E num modelo em que os jornais deixem de ser vistos como um negócio lucrativo, qualquer leitor poderá ser doador. A lógica dos crowdfundings é exactamente essa: com dez euros ajudarmos alguém a fazer um livro ou ir à Coreia do Norte, porque achamos importante. Pensem nisso à escala de uma redacção que, assim, escreverá sobre livros ou irá à Coreia do Norte.

10. Claro que o ideal seriam três milhões de leitores darem um euro e fazia-se um jornal, mas isso não vai acontecer, porque não há três milhões de leitores para um jornal como o PÚBLICO, nem trezentos mil, não estamos a falar de grandes audiências, se estivéssemos eu não estaria a escrever esta crónica. Também é claro que não são os jornalistas que têm de resolver os problemas económicos dos jornais, não são pagos para isso, nem fizeram MBA. Como é claro, ao fim de todos estes anos que não percebo nada de dinheiro, por exemplo, de ganhá-lo. Mas só até ao ponto em que isso põe em causa a existência do que faço, porque quero continuar a fazê-lo e que outros possam continuar a fazê-lo. Ou seja, não admitindo, por exemplo, a exploração que é pedir a um precário ou frelancer que trabalhe de graça, ou quase. Tudo isto para dizer que, sim, seria óptimo não ter de dedicar vários dias a uma crónica falando de dinheiro: prejuízos, vendas, publicidade, doadores. Mas para o jornalismo ser viabilizado como um bem comum há que implicar o dinheiro nessa responsabilidade.

11. O PÚBLICO não tem passivo porque a Sonae foi absorvendo os prejuízos. Belmiro de Azevedo nunca disse publicamente quanto investiu no jornal, talvez dezenas de milhões. Na prática, um financiamento a fundo perdido, em termos de euros, mas com todo um valor simbólico. Será impossível quantificá-lo, é a soma das contribuições de milhares de pessoas, numa espécie de arquivo vivo dos últimos 25 anos do país e do mundo. E, justamente, esse valor deveria ser tomado como uma pré-história do que agora pode acontecer. Invertendo a lógica tradicional, em vez de ver os tais 25 anos de “perdócio” como extravagância, vê-los como mecenato. Tudo o que Belmiro “perdeu” com o PÚBLICO foi um contributo para a democracia. A mudança de prisma é olhar para isso enquanto ganho, impacto na história do país. Belmiro de Azevedo e a Sonae podem, devem, ser os primeiros a valorizar o investimento no PÚBLICO.

Então, volto à questão do dinheiro e da visão, que viabilizaram esse património. No ano passado, o grupo Sonae facturou no total 4974 milhões de euros, e este ano vai facturar mais ainda, apontam os números já disponíveis. Ou seja, os três milhões de prejuízo no PÚBLICO vão representar menos de um milésimo no bolo anual bruto da Sonae. O dinheiro, portanto, existe. E Belmiro já tem uma fundação. A Sonae até criou este ano um prémio de arte.

Por que não, no PÚBLICO, evoluir para um modelo misto, em parte financiado pelo que nele é mais valorizado pelos anunciantes, como o Ípsilon (e pelo mercado crescente do lazer, como a Fugas), e em parte suportado por mecenato, envolvendo outros parceiros? Claro que não se trata de uma empresa patrocinar um texto, mas de várias contribuírem para um fundo, de modo a garantir total independência (isso permitiria, aliás, acabar com a dependência dos convites para viagens, que os jornais aceitam porque não têm dinheiro para viajar de outra maneira). A família Soares dos Santos (Jerónimo Martins/Pingo Doce) fez a Fundação Francisco Manuel dos Santos (FFMS), exemplo de como uma grande empresa pode mudar a visão da sua responsabilidade no país (incluindo ter criado uma colecção de livros de reportagem, além de uma revista anual). O inglês Guardian é o caso de um diário gerido no quadro de uma fundação.

Mas independentemente do modelo, ainda em papel ou só online, em Portugal, no Brasil ou onde o jornalismo esteja em risco, o essencial seria não apenas manter o que ainda sobrevive, como devolver aos leitores o que mais foi sendo sacrificado: espaço e meios para crítica cultural em todas as áreas; para grande reportagem e cobertura internacional; para investigações longas. Passar a ver tudo isso como uma área nobre, o contrário do acessório. Este jornal iniciou o Público+, projecto que permitiu algumas reportagens com mecenato. Mas o orçamento era reduzido, havia limites para áreas e géneros, e não tenho visto resultados recentes dessa ideia.

Em Portugal, em geral, há pouquíssimo espaço, tempo e dinheiro para reflectir um milésimo do que se faz, pensa e cria, aqui e no mundo. Além de todas as zonas de abuso sucessivamente apagadas, entregues às piores violências, porque ninguém está lá para contar. Claro que Portugal não tem gente nem dimensão para os 3 mil doadores da ProPublica, nem a tradição filantrópica americana na educação, ciência e cultura. Mas tem há décadas a Fundação Gulbenkian, agora a FFMS, há-de ser possível avançar por algum lado. As empresas sempre na lista das maiores têm dimensão para estes investimentos serem milésimos no seu bolo.


A tradição que o PÚBLICO representa, do jornalismo que me fez querer ser jornalista, não apenas pode ser inovada, como recuperar o que perdeu. É esse património que me permite escrever esta crónica no pressuposto de que ela não será lida pela administração antes dos leitores, e enquanto assim for será bom para a democracia.

Por que é que se pode acabar com tudo menos com os bancos? / JOSÉ PACHECO PEREIRA


OPINIÃO
Por que é que se pode acabar com tudo menos com os bancos?
JOSÉ PACHECO PEREIRA 26/12/2015 - 00:10

Valia a pena ser mais economicamente liberal com os bancos e menos com as pessoas, mas isso hoje parece radicalismo.

A história do Banif é exemplar dos tempos que correm. Ela mostra tudo o que está errado nas políticas europeias e nacionais, se é que se pode falar ainda de “políticas nacionais”. Aliás, o caso do Banif revela até que ponto os governos aceitam ser geridos pela burocracia europeia não eleita, em decisões objectivamente contrárias ao interesse nacional e à sua própria vontade, eles que são eleitos. Este é um dos aspectos mais preocupantes da actual situação política portuguesa e europeia, a utilização muitas vezes abusiva e excessiva, das chamadas “regras” europeias para impor políticas ideológicas conservadoras e soluções que correspondem a interesses particulares de outros países, de outras bancas, de outras economias, a Portugal. Ou pensam que é tudo neutro e “técnico”?

Chegados à porta da burocracia europeia, – e as decisões tomadas sobre o Banif são tomadas pela burocracia de Bruxelas que acha que sabe melhor governar Portugal que o voto dos portugueses, – encontramos uma entidade que não é neutra, que serve os interesses políticos e económicos dos maiores países europeus em que não ousa tocar nem ao de leve, e cujo afã de “uniformização”, sendo típico das burocracias, leva a aplicar critérios que nem a banca alemã cumpre, a economias debilitadas como a portuguesa. Ao impedir a incorporação do Banif na CGD, – que, lembre-se, Passos Coelho queria privatizar, – actuou contra o interesse nacional legitimamente interpretado por um governo eleito. Seria bom que o senhor Presidente da República nos falasse então do “superior interesse nacional”.

A história do Banif mostra também o modo como se transformou um conjunto de interesses económicos parciais numa lei de bronze da economia e da política que deriva não de opções políticas, ou, como diriam os marxistas, de “classe”, numa emanação sem alternativa da “natureza das coisas”, da “realidade”. Estes anos de “ajustamento”, que nada “ajustou” a outra coisa que não fossem certos interesses presentes na economia e na política, também mostra como se desbaratou a já escassa “boa-fé” do Estado, como se está a destruir a democracia e o controlo dos conflitos que ela permite, e como se fez ascender ao poder uma mistura de ideólogos radicais de direita, de aparelhos partidários de grande incompetência e que nada sabem do seu país, de gente medíocre que se tornou salvífica pelo serviço que prestaram a interesses particulares presentes na economia. Não à “economia”, mas a certos interesses presentes na economia e que condicionam e capturam as políticas europeias e nacionais.

O que mostra o Banif? Que os bancos podem falir como qualquer outra empresa, mas que as consequências dessa falência são pagas sempre pelo dinheiro público. Ou seja, podem falir, mas não podem falir. São intangíveis a tudo aquilo que é para o comum dos cidadãos o “ajustamento”, não fecham, não se liquidam, essa interessante palavra, os contratos são de natureza diferente daqueles que se podem romper com toda a gente, menos com… os bancos. Com eles pode-se gastar milhares de milhões de euros sem pestanejar, nem ter que estar sempre a responder à pergunta “quanto custa” que os jornalistas repetem ad nauseam sempre que se fala de salários, pensões e reformas. A pergunta é feita uma vez, por descargo de retórica, e depois a lógica dos debates é sempre de natureza diferente daqueles que a mesma pergunta suscita se se tratar de aumentar o salário mínimo, ou de repor pensões de centenas de euros. A banca é sempre uma excepção e contestar essa excepção, – a da “saúde” do sistema financeiro que claramente está acima da saúde dos portugueses, – é “ideologia” como disse o Presidente da República numa das suas mais ideológicas intervenções em nome da “realidade”.

Outro aspecto da ideologia que se esconde na “realidade”, é pouca gente se perguntar que estragos maiores faria ao país, se o Banif fechasse. O governo diz que seria mais caro, mas eu estaria mais à vontade em pagar um preço mais caro (hipótese sobre a qual tenho dúvidas), do que oferecer mais um banco português pago regiamente com o nosso dinheiro a um banco estrangeiro que o recebe de graça e ainda com um bónus. Para além disso, percebe-se muito bem que o mecanismo de “resolução”, que em condições normais atribuiria os custos da falência do Banif aos outros bancos, já não está em Portugal em condições de funcionar porque esses mesmos bancos não estão dispostos ou não têm capacidade para suportar os custos da falência de um “irmão” seu. No papel é muito bonito e aparentemente justo, mas pura e simplesmente não funciona, como se viu no Banif e se verá no Novo Banco, ou no banco que se segue.

O Banif falido colocaria em causa a “confiança” no sistema financeiro, faria estragos na economia das ilhas, provocaria mais desemprego no sector bancário, onde ele é já elevado, perderia o estado o dinheiro que lá colocou numa decisão que o governo anterior tem que explicar muito explicadinha? Acredito que sim, várias destas consequências negativas verificar-se-iam, mas os depósitos até 100.000 euros seriam honrados, acima disso seriam perdidos. Não sei quem retirou o dinheiro no dia negro que se seguiu à “notícia” da TVI, mas acredito que muitos estariam na condição de ter mais de 100.000 euros, porque se há coisa que as pessoas hoje “sabem” é do risco de perderem o dinheiro que têm nos bancos.

Não penso também que a solução encontrada garanta os postos de trabalho em termos significativos, nem que as agências nas ilhas e emigração se mantenham como estão e que o Santander seja muito sensível à “economia” dos Açores e da Madeira. É um pouco como os acordos com os compradores da TAP, como aconteceu já com outras empresas privatizadas: tudo é prometido, para aquietar as dúvidas nas vendas a privados, e depois pouco é realizado.

Não sou contra as privatizações, mas há interesses nacionais que só o carácter público garante, até porque para uma empresa privada não são rentáveis e esse mesmo critério não existe numa empresa pública. Sim, os contribuintes pagam para haver bancos portugueses na Venezuela, para haver voos para a Guiné-Bissau, como pagam o Instituto Camões e a RTP África, porque se considera que o “superior interesse nacional” assim o exige e o Estado não é uma empresa.

Já tenho todas as dúvidas que o argumento da “confiança” no sistema financeiro, seja válido. Perguntem aos emigrantes que colocaram as poupanças de uma vida no BES, e cujas biografias não são distintas dos emigrados da Madeira na África do Sul, se têm muita confiança no sistema financeiro. A “confiança” do sistema financeiro já anda pelas ruas da amargura e a transparência de uma falência a sério de um banco podia ajudar mais do que prejudicar.

Há muita coisa a esclarecer no que aconteceu ao Banif, mas parece-me difícil evitar a constatação de que Passos, Portas e Maria Luís Albuquerque, com a colaboração de um Banco de Portugal que nunca esteve tão encostado a um governo como com o actual Governador, fizeram uma gestão danosa que nos vai custar caro. Infelizmente está a acontecer o que previ, de que as privatizações e as operações com a banca, seriam para o governo Passos-Portas o equivalente das PPP e contratos swap no governo Sócrates.

O governo de António Costa fez bem em ser expedito, mas as críticas que o BE e o PCP e muitos portugueses lhe fazem de não ter rompido com os privilégios especiais da banca pagos com o erário público, têm sentido. Ficou a promessa de que será o último caso e, quando o Novo Banco regressar à mesa do orçamento, espero bem que não se repita o que se passou com o Banif.

Tudo isto, não é “técnica”, nem emanação da “realidade”, é política. O que foi feito no governo Passos-Portas e no governo Costa com o Banif, é o resultado de opções políticas e, ao sê-lo, ideológicas. Mas qual é o problema? Acaso em democracia duas pessoas identicamente informadas decidem o mesmo? Não, decidem de forma diferente, conforme os seus interesses, a sua visão do mundo, a sua… ideologia. Ainda bem.


É que para sairmos desta lama que nos tolhe temos que pensar diferente, falar diferente, e fazer diferente. Nem que seja pouco diferente, visto que, como isto está, basta um pouco de diferença para parecer uma revolução. Por isso, ó ideólogos, valia a pena ser mais economicamente liberal com os bancos e menos com as pessoas, mas isso hoje parece radicalismo.

Edgar Silva acusa António Costa de continuar “política do antigamente”


Edgar Silva acusa António Costa de continuar “política do antigamente”
LUSA 26/12/2015 - PÚBLICO

Candidato apoiado pelo PCP criticou duramente a opção do Governo socialista para resolver o caso do Banif com as mesmas receitas do PSD/CDS e da troika.

O candidato a Presidente da República Edgar Silva acusou o primeiro-ministro António Costa de continuar a "política do antigamente" e de pôr de novo o povo a pagar por "actos tresloucados" dos grandes capitalistas.

Questionado pelos jornalistas à entrada de um convívio com apoiantes na Escola Secundária de São Pedro da Cova (Porto) sobre a mensagem de Natal de António Costa, que se mostrou confiante num tempo novo e de prosperidade, o candidato apoiado pelo PCP afirmou que as medidas agora assumidas pelo Governo "não são de um tempo novo, são da velha política, são da política do antigamente e o que menos Portugal agora precisa é das políticas do antigamente, do anterior a 4 de Outubro".

Edgar Silva referia-se à decisão de resolução do Banif, que obrigou o Governo a apresentar um orçamento rectificativo para acomodar os cerca de 2,2 mil milhões de euros públicos injectados no banco. O PCP, o PEV, o Bloco de Esquerda, o CDS e o PAN votaram contra o rectificativo, que foi viabilizado com a abstenção do PSD.

"Precisamos de medidas novas, que sejam de justiça social, que reponham direitos, que permitam reconquistar a dignidade, a esperança e a confiança. Portugal do que menos precisa é de medidas à maneira do que o PSD e o CDS vinham a impor, à maneira das receitas da troika nacional e estrangeira", acrescentou o candidato comunista à Presidência da República.

"O que nós vimos na decisão do Governo liderado por António Costa não trouxe nada de novo; bem pelo contrário, trouxe tudo o que de velho e pior tinha o antigo tempo", criticou Edgar Silva, revelando-se "apreensivo" com o Governo da "responsabilidade do PS " que aprovou essas medidas. Para Edgar Silva a solução do Governo para a questão do Banif "nada tem a ver com um tempo novo", porque quem continua a pagar é "povo e os trabalhadores".

"Aqueles que já foram massacrados e asfixiados, aqueles para quem a vida já tanto azedou, é sobre esses (...) que vai recair mais este encargo de pagar as loucuras que os grandes capitalistas andaram a fazer em Portugal, para que seja de novo o Estado português a pagar por esses actos tresloucados de irresponsabilidade, da ganância atrás da ganância e da sede do lucro a qualquer custo. Quando foi para ganhar ninguém chamou o povo", disse no seu discurso em São Pedro da Cova.

O candidato do PCP pediu ao Governo de António Costa "respostas concretas, mais audazes, mais exigentes, muito mais avançadas para responder aos problemas concretos". "Nós queríamos que os direitos, a dignidade, os rendimentos e os salários que têm sido roubados ao povo e aos trabalhadores fossem plenamente repostos (…) [mas] têm sido sucessivamente usurpados."


O candidato apoiado pelo PCP revelou "muita preocupação" caso este "tempo novo [de que falou Costa na mensagem de Natal] não seja sobretudo de medidas concretas para responder aos grandes problemas", especialmente na área da saúde. "Vemos homens e mulheres que morrem nas urgências porque não têm resposta médica. O que é preciso são respostas na área da saúde para responder a um Serviço Nacional de Saúde (SNS) que está a ser insuficiente", disse, acrescentando que "os Governos até agora têm cortado nas soluções sociais, têm desresponsabilizado o Estado das suas obrigações na defesa do SNS".