terça-feira, 30 de julho de 2013

Os Fundamentos estrategégicos/psicológicos da manipulação de estímulos para o Consumo em Massa. As mesmas origens entre Publicidade e Manipulação da Informação e Opinião através de “Spin-Doctors” e Agências de “Comunicação”, tanto na Política como na Economia. “The Century of the Self.”


The Century of the Self.
The Century of the Self is an award-winning British television documentary series by Adam Curtis. It focuses on how the work of Sigmund Freud, Anna Freud, and Edward Bernays influenced the way corporations and governments have analyzed, dealt with, and controlled people

1. Happiness Machines (17 March 2002)
2. The Engineering of Consent (24 March 2002)
3. There is a Policeman Inside All Our Heads: He Must Be Destroyed (31 March 2002)
4. Eight People Sipping Wine in Kettering (7 April 2002)


"This series is about how those in power have used Freud's theories to try and control the dangerous crowd in an age of mass democracy." —Adam Curtis' introduction to the first episode.
Sigmund Freud, the founder of psychoanalysis, changed the perception of the human mind and its workings. The series describes the propaganda that Western governments and corporations have utilized stemming from Freud's theories.
Freud himself and his nephew Edward Bernays, who was the first to use psychological techniques in public relations, are discussed. Freud's daughter Anna Freud, a pioneer of child psychology, is mentioned in the second part, as is one of the main opponents of Freud's theories, Wilhelm Reich, in the third part.
Along these general themes, The Century of the Self asks deeper questions about the roots and methods of modern consumerism, representative democracy, commodification and its implications. It also questions the modern way we see ourselves, the attitudes to fashion and superficiality.
The business and political world uses psychological techniques to read, create and fulfill our desires, to make their products or speeches as pleasing as possible to us. Curtis raises the question of the intentions and roots of this fact. Where once the political process was about engaging people's rational, conscious minds, as well as facilitating their needs as a society, the documentary shows how by employing the tactics of psychoanalysis, politicians appeal to irrational, primitive impulses that have little apparent bearing on issues outside of the narrow self-interest of a consumer population.
Paul Mazur, a leading Wall Street banker working for Lehman Brothers, is cited as declaring: "We must shift America from a needs- to a desires-culture. People must be trained to desire, to want new things, even before the old have been entirely consumed. [...] Man's desires must overshadow his needs".
In Episode 4 the main subjects are Philip Gould and Matthew Freud, the great-grandson of Sigmund, a PR consultant. They were part of the efforts during the nineties to bring the Democrats in the US and New Labour in the United Kingdom back into power. Adam Curtis explores the psychological methods they have now massively introduced into politics. He also argues that the eventual outcome strongly resembles Edward Bernays vision for the "Democracity" during the 1939 New York World's Fair.

It is widely believed that the series was inspired and informed by a book written by the American historian, Stuart Ewen, "PR! A Social History of Spin



EXCERPTS FROM PR! A SOCIAL HISTORY OF SPIN / Stuart Ewen

A leader or an interest that can make itself master of current symbols is the master of the current situation. (Walter Lippmann, Public Opinion, 1922)
The engineering of consent is the very essence of the democratic process, the freedom to persuade and suggest. (Edward L. Bernays, "The Engineering of Consent," 1947)
Edward Bernays: Born 1891 in Vienna, nephew of Sigmund Freud, Bernays is credited as the "farsighted architect" of modern propaganda techniques. From the early 1920's onward, he helped consolidate a marriage between theories of mass psychology and schemes of corporate and political persuasion. During the First World War, Bernays worked for the U.S. Committee on Public Information (CPI)--the vast American propaganda apparatus mobilized in 1917 to promote the war as one that would "Make the World Safe for Democracy." The CPI would become the mold in which marketing strategies for subsequent wars would be shaped.
In the twenties, Bernays authored the link between corporate sales campaigns and popular causes, when--while working for the American Tobacco Company--he persuaded women's rights marchers in New York City to hold up Lucky Strike cigarettes as symbolic "Torches of Freedom." In October 1929, Bernays originated the now familiar "global media event," when he dreamed up "Light's Golden Jubilee," a worldwide celebratory spectacle commemorating the fiftieth anniversary of the electric lightbulb, sponsored behind the scenes by the General Electric Corporation.

Bernays work inspired Joseph Goebbels; more than any other individual, his career maps out the course of North American public relations from the early 1920's to well after WW II. He is the author of Crystallizing Public Opinion (1923), Propaganda (1928), "The Engineering of Consent" (1947), and his autobiographical Biography of an Idea: Memoirs of Public Relations Counsel Edward L. Bernays (1965).(4)

In his interviews with Bernays, Ewen discovered his "unabashedly hierarchical view of society. Repeatedly, he maintained that although most people respond to their world instinctively, without thought, there exist an 'intelligent few' who have been charged with the responsibility of contemplating and influencing the tide of history." (9)

As a member of that intellectual elite who guides the destiny of society, the PR "professional," Bernays explained, aims his craft at a general public that is essentially, and unreflectively, reactive. Working behind the scenes, out of public view, the public relations expert is an applied social scientist, educated to employ an understanding of sociology, psychology, social psychology, and economics to influence and direct public attitudes. Throughout their conversation, Bernays conveyed his hallucination of democracy: a highly educated class of opinion-molding tacticians is continuously at work, analyzing the social terrain and adjusting the mental scenery from which the public mind, with its limited intellect, derives its opinions....While some have argued that public relations represents a "two-way street" through which institutions and the public can carry on a democratic dialogue, the public's role within the alleged dialogue is, most often, one of having its blood pressure monitored, its temperature taken. (10)

In an incidental reference to "social conscience," Bernays had illuminated a historic shift in the social history of property, shedding inadvertent light on the conditions that gave birth to the practice of public relations. As the twentieth century progressed, people were no longer willing to accommodate themselves to outmoded standards of deference that history, for millennia, had demanded of them. (12)

The explosive ideals of democracy challenged ancient customs that had long upheld social inequality. A public claiming the birthright of democratic citizenship and social justice increasingly called upon institutions and people in power to justify themselves and their privileges. In the crucible of these changes, aristocracy began to give way to technocracy as a strategy of rule. Bernays came to maturity in a society where exigencies of power were-by necessity-increasingly exercised from behind the pretext of the "common good." (13)

News is any overt act which juts out of the routine of circumstance....A good public relations man advises his client..to carry out some overt act...interrupting the continuity of life in some way to bring about a response (Bernays 18).

PROTOCOLS OF PERSUASION

Bernays insisted that public relations is the science of creating circumstances, mounting events that are calculated to stand out as newsworthy, yet, at the same time, which do not appear to be staged. The field of public relations continues to hold to this dictum, routinely mapping out pre-arranged occurrences that are projected to look and sound like impromptu truths. (28)

The calculated simulated of enthusiasm...is also common within contemporary culture. In a variety of configurations, the applause sign has become a social principle. Statistical poll results are continuously broadcast, emphasizing the popularity (or lack thereof) of politicians, policies, products, and of course wars. Grassroots expression is now being manufactured by firms specializing in the generation of extemporaneous public opposition or support. In the PR industry, such orchestrated grassroots mobilizations are referred to as Astro Turf Organizing (29).

The use of unspoken visual techniques to create a mood is pervasive in our society: dramatic backdrops, logo designs, recycled paper and "green" graphics. Implicit in all this is a public relations truism: It's not what you say, but how you say it that matters (30-31).

In a democratic society, the interests of power and the interests of the public are often at odds. The rise of public relations is testimony to the ways that institutions of vested power, over the course of the twentieth century, have been compelled to justify and package their interests in terms of the common good. (34)

In the 1920's, in his pioneering handbooks Crystallizing Public Opinion (1923) and Propaganda (1928), Bernays described modern society as one in which "the masses" had become increasingly bold, increasingly threatening to the customary interests of order. There is, he wrote, an "increased readiness of the public, due to the spread of literacy and democratic forms of government, to feel that it is entitled to its voice in the conduct" of all aspects of society. This sense of entitlement was the inherent outcome of an historical process that had placed new and treacherous demands on the higher strata of society (34).

Philip Lesley publishes a bimonthly newsletter Managing the Human Climate in which he discusses issues encompassing public relations and public affairs. In the March/April 1994 issue, he suggests that fending off public opposition--like a disease--requires something like a public relations vaccine:

No organization now can afford to let the climate of attitudes develop by accident through outside forces. It must work to create its own climate.
This calls for the constant efforts to anticipate…to read trends that may create the climate to be coped with. It is far more effective to "inoculate" the publics in advance rather than react when an attack comes. (36)
For nearly a century, the attempt to contain the forces of "chaos" has possessed the evolution of PR thinking and, more than anything else, it is the glue that holds the history of corporate public relations together. (36)

Excerpted from PR! A Social History of Spin, by Stuart Ewen. (NY: Basic Books, 1996). Fair Dealing Applies.

The Century Of The Self Episodes 1-4 FULL

"Há aqui também uma questão ideológica óbvia e que eu não escondo."

"Tenho vontade de ir ao Parlamento para acabar rapidamente com esta palhaçada" afirmava Viegas em 24 de Julho ao Jornal i.

"Há aqui também uma questão ideológica óbvia e que eu não escondo."



Francisco José Viegas

"Há aqui também uma questão ideológica óbvia e que eu não escondo", disse Viegas. Referia-se à posição defendida por muitos membros tanto do PSD como do CDS que consideram que as leis e políticas de protecção do património não podem sobrepor-se ao direito à propriedade privada previsto na Constituição da República Portuguesa (CRP).
Viegas omitiu da sua exposição o ponto 2 do mesmo artigo, onde se esclarece que se consideram ainda bens do património nacional "aqueles que, não sendo de origem ou de autoria portuguesa, se encontrem em território nacional e se conformem com o disposto no n.º 1 do artigo 14.º" - ou seja, todos aqueles "que representem testemunho material com valor de civilização ou de cultura".
"Cinco anos de cadeia ou 600 dias de multa", esclareceu a deputada, que viu ficar sem resposta várias das suas perguntas, entre elas aquela em que tentou saber por que não foi a decisão de Viegas publicada em Diário da República, como o previsto por lei.

 Audição de Viegas sobre caso Crivelli transforma-se numa batalha jurídica


Oposição acusa ex-secretário de Estado de deixar a ideologia sobrepor-se à lei e Partido Comunista fala mesmo num "acto à margem da lei".
“Tomei a minha decisão dentro da legalidade”, disse esta terça-feira na Assembleia da República o ex-secretário de Estado da Cultura Francisco José Viegas, que pediu ao Governo para ser ouvido na Comissão de Educação, Ciência e Cultura sobre o polémico “caso Crivelli”, relativo à autorização de saída de Portugal e venda no estrangeiro da pintura protegida Virgem com o Menino e Santos, do conhecido empresário Miguel Pais do Amaral.
Na comissão, que se tornou rapidamente numa batalha jurídica, Viegas citou uma sequência de artigos da Lei 107/2001, conhecida como Lei de Bases do Património, que entendeu justificarem a decisão que tomou em 2012. Contudo, a partir da mesma lei, apenas citando artigos diferentes, a oposição em peso apontou os motivos porque entende que essa decisão não tem qualquer enquadramento legal – os mesmos motivos por que está agora em revogação pelo sucessor de Viegas no também Governo de Passo Coelho.
Entre outros, Viegas citou o ponto 1 do artigo 55º que diz que só são considerados bens móveis integrantes do património cultural português aqueles que “constituam obra de autor português ou sejam atribuídos a autor português, hajam sido criados ou produzidos em território nacional, provenham do desmembramento de bens imóveis aí situados, tenham sido encomendados ou distribuídos por entidades nacionais ou hajam sido propriedade sua, representem ou testemunhem vivências ou factos nacionais relevantes a que tenham sido agregados elementos naturais da realidade cultural portuguesa, se encontrem em território português há mais de 50 anos ou que, por motivo diferente dos referidos, apresentem especial interesse para o estudo e compreensão da civilização e cultura portuguesas”. Viegas não citou, contudo, o ponto 2 do mesmo artigo, onde se esclarece que se consideram ainda bens do património nacional “aqueles que, não sendo de origem ou de autoria portuguesa, se encontrem em território nacional e se conformem com o disposto no n.º1 do artigo 14.º”. Este último artigo diz que são todos aqueles “que representem testemunho material com valor de civilização ou de cultura”. É este o caso da pintura de Pais do Amaral, segundo vários especialistas em pintura e património a que o gabinete do próprio Viegas pediu pareceres em 2011 e cujos pedidos de permanência da obra em Portugal acabaram por ser ignorados.
Em resposta a questões de Miguel Tiago, do Partido Comunista, Viegas acabou por afirmar o seu posicionamento ideológico: “Há aqui também uma questão ideológica óbvia e que eu não escondo”, disse, referindo-se ao entendimento de muitos membros do PSD e CDS sobre a forma como a protecção do património não deve sobrepor-se ao direito à propriedade privada. Segundo a oposição, contudo, o que esteve em causa na decisão de Viegas foi “um acto à margem da lei”: “A lei diz que podia ter impedido a saída. A sua perspectiva ideológica corresponde a um posicionamento legítimo. Já governar contra o que a lei estabelece é abusivo”, disse Miguel Tiago.

Viegas defende a "questão ideológica" por detrás do polémico "caso Crivelli"


Oposição acusa ex-secretário de Estado da Cultura de um "acto à margem da lei" na autorização de saída de Portugal e venda no estrangeiro da importante pintura renascentista Virgem com o Menino e Santos
Argumentos legais num corpo-a-corpo contra argumentos políticos: durante a batalha em que ontem se transformou a Comissão Parlamentar de Educação, Ciência e Cultura, o ex-secretário de Estado da Cultura (SEC) Francisco José Viegas reconheceu a existência de fundamentos ideológicos na autorização que em 2012 deu ao conhecido empresário Miguel Pais do Amaral para vender no estrangeiro a pintura protegida Virgem com o Menino e Santos, acabando por ter sido acusado pela oposição de um "acto à margem da lei".
"Há aqui também uma questão ideológica óbvia e que eu não escondo", disse Viegas. Referia-se à posição defendida por muitos membrostanto do PSD como do CDS que consideram que as leis e políticas de protecção do património não podem sobrepor-se ao direito à propriedade privada previsto na Constituição da República Portuguesa (CRP).
Juridicamente, segundo a procuradora-geral adjunta do Tribunal Central Administrativo Raquel Vicente da Rosa, essa posição não tem enquadramento. "Resulta do art. 62.º da CRP não ser o direito de propriedade um direito absoluto [...], pelo que a possibilidade legal de o Estado se opor à exportação de uma obra [...] constitui, não uma arbitrariedade, mas um simples condicionamento", escreveu a jurista num parecer ligado ao caso e datado de 6 de Setembro de 2011, dia em que terá chegado ao gabinete de Viegas, onde acabou por ser ignorado (ver PÚBLICO de 22/7/2013). Deste facto, ontem, a oposição fez a leitura política: "A lei diz que podia ter impedido a saída [da pintura do país]. Governar contra o que a lei estabelece é abusivo", disse o deputado do PC Miguel Tiago, acrescentando que o "acto à margem da lei" de Viegas "só não é crime porque não foi o ex-secretário de Estado que levou a peça para fora do país". Inês de Medeiros, do PS, pôs, mesmo assim, na mesa a punição prevista para a exportação ilícita de uma obra de arte: "Cinco anos de cadeia ou 600 dias de multa", esclareceu a deputada, que viu ficar sem resposta várias das suas perguntas, entre elas aquela em que tentou saber por que não foi a decisão de Viegas publicada em Diário da República, como o previsto por lei.
Paradeiro desconhecido
Também sem várias resposta ficou a coordenadora do BE Catarina Martins, que menorizou a importância da presença de Viegas na Assembleia quando o que importa, na sua opinião, é ver esclarecidas questões como o paradeiro da "Virgem portuguesa" de Crivelli, publicamente desconhecido depois de uma passagem por Paris, onde o antiquário Jean-François Heim chegou a tê-la na montra da sua galeria. Foi antes de o sucessor de Viegas no Governo ter anunciado, no dia 2 deste mês, a revogação da autorização de venda da peça. Depois disso, o antiquário disse ao PÚBLICO que a peça já esteve com ele, "mas já não está". Sobre isso, à Lusa, Pais do Amaral não prestou esclarecimentos e a SEC não tem avançado também detalhes sobre as diligências em curso para resolver a questão.
"O que está a ser feito pela restituição do quadro e onde é que ele está? A polícia já foi buscar a obra?", questionou Catarina Martins. Já fora do Governo, Viegas não poderia responder. Mas a deputada quis informações também sobre os fundamentos legais da sua decisão.
"Tomei a minha decisão dentro da legalidade", disse Viegas, citando uma sequência de artigos da Lei 107/2001, conhecida como Lei de Bases do Património. Entre outros, citou o ponto 1 do artigo 55.º, que diz que só são considerados bens móveis integrantes do património cultural português aqueles que "constituam obra de autor português ou sejam atribuídos a autor português, hajam sido criados ou produzidos em território nacional, provenham do desmembramento de bens imóveis aí situados, tenham sido encomendados ou distribuídos por entidades nacionais ou hajam sido propriedade sua, representem ou testemunhem vivências ou factos nacionais relevantes a que tenham sido agregados elementos naturais da realidade cultural portuguesa, se encontrem em território português há mais de 50 anos ou que, por motivo diferente dos referidos, apresentem especial interesse para o estudo e compreensão da civilização e cultura portuguesas".
Tal como foi pouco depois apontado por Inês de Medeiros, Viegas omitiu da sua exposição o ponto 2 do mesmo artigo, onde se esclarece que se consideram ainda bens do património nacional "aqueles que, não sendo de origem ou de autoria portuguesa, se encontrem em território nacional e se conformem com o disposto no n.º 1 do artigo 14.º" - ou seja, todos aqueles "que representem testemunho material com valor de civilização ou de cultura".
É este o caso do Crivelli de Pais do Amaral, segundo o parecer consensual de especialistas em pintura e património que em 2011 pediram a Viegas que mantivesse a obra em Portugal.
Desde a revelação do caso pelo PÚBLICO (ver edição de 4/6/2013), vários outros especialistas têm defendido publicamente a mesma opinião, incluindo a historiadora e ex-directora do Instituto Português de Museus Raquel Henriques da Silva, que fez saber que várias vezes, ao longo dos anos, o Estado tentou, sem sucesso, comprar esta obra, precisamente devido ao facto de se tratar de uma peça "única".

Elevador do Arco da Rua Augusta abre dia 9.


O elevador do Arco da Rua Augusta, em Lisboa, vai ser aberto ao público a 9 de Agosto, disse ontem um porta-voz da Associação de Turismo de Lisboa (ATL), à qual a câmara entregou a gestão do espaço. A viagem no elevador, que dá acesso a um miradouro, vai ser paga, mas a ATL continua a afirmar que os preços ainda não estão definidos. No site da câmara municipal pode ler-se que, "para a concretização desta obra, o espaço do piso térreo, até agora ocupado pela farmácia da Associação de Socorros Mútuos dos Empregados do Estado, vai ser libertado para a utilização do elevador e o restante espaço cedido ao STJ como permuta dos espaços cedidos à câmara nos pisos superiores". O elevador vai devolver à cidade "um miradouro extraordinário", acrescenta a câmara.

In Público

Manning culpado de espionagem e ilibado de auxílio ao inimigo. Edward Snowden's not the story. The fate of the internet is.


Manning culpado de espionagem e ilibado de auxílio ao inimigo.
Por Rita Siza
31/07/2013 in Público

O soldado norte-americano escapa à prisão perpétua, mas a pena, que lhe será aplicada depois de mais "várias semanas" de audiências, poderá ir até 136 anos por cúmulo jurídico

A justiça militar americana considerou que Bradley Manning, responsável pela maior fuga de informação da história dos Estados Unidos, não tinha a intenção de trair a pátria ou ajudar um país ou organização estrangeira ao divulgar informação classificada pelo Governo como secreta, absolvendo-o do crime de "auxílio do inimigo", punível com prisão perpétua sem possibilidade de condicional.

Mas o cabo, agora com 25 anos, foi considerado culpado de 20 do total de 22 crimes por que respondeu em tribunal marcial, depois de ter descarregado e divulgado mais de 700 mil ficheiros confidenciais de servidores do Pentágono e do Departamento de Estado norte-americano - a audiência para a aplicação da pena, que poderá ir até 136 anos de prisão por cúmulo jurídico, arranca hoje e poderá prolongar-se "por várias semanas", informou uma fonte do Exército.

Entre Abril e Dezembro de 2010, a organização WikiLeaks publicou na íntegra toda a informação repassada por Bradley Manning: os chamados War Logs, relativos à documentação militar das guerras do Iraque e do Afeganistão, e o Cablegate, com 250 mil telegramas diplomáticos.

Em tribunal, o soldado explicou que escreveu ao fundador da Wiki-Leaks, Julian Assange, depois de vários jornalistas (do Washington Post e do New York Times, indicou) terem rejeitado o seu contacto. Ironicamente, Assange recorreu à colaboração de vários jornais internacionais para o tratamento jornalístico do material fornecido por Manning - a juíza terá considerado a WikiLeaks como uma organização jornalística legítima, o que terá contribuído para deitar por terra a tese do auxílio ao inimigo.

O militar, que cumpriu a função de analista informático no Iraque entre 2009 e 2010, admitiu ser a fonte da WikiLeaks e assumiu a culpa de 10 dos crimes por que foi acusado: por exemplo, roubo e fraude informática, que implicam uma pena de prisão de 20 anos. Foi também condenado por múltiplos crimes de espionagem, excepto da "posse não-autorizada de informação pertinente para a defesa nacional".

A sua intenção, explicou à juíza militar, era fomentar o debate interno sobre a segurança nacional e a política externa do Governo dos Estados Unidos. "Acreditava que se o público tivesse acesso àquela informação, isso reabriria a discussão sobre as guerras [do Iraque e do Afeganistão]", referiu.

Depois da sua detenção, em Bagdad, em Maio de 2010, Bradley Manning foi simultaneamente louvado como um herói e criticado como um traidor por grupos distintos de apoiantes e detractores. Durante as oito semanas de julgamento, essas duas facções converteram-se na acusação - que caracterizou o arguido como um indivíduo que agiu "voluntariamente e deliberadamente com uma intenção malévola" - e na defesa, que apresentou o militar como um jovem "deprimido" depois de experimentar os horrores da guerra.

Usando um processo da Guerra Civil como jurisprudência, o Governo alegou que a divulgação de documentos militares configurava o crime de "auxílio do inimigo" - o soldado das forças unionistas acusado em 1863 foi condenado a três meses de trabalhos forçados e exonerado do Exército por "desonra". Como assinalava a imprensa americana, foi a primeira vez que uma fuga de informação foi enquadrada como um crime de "auxílio ao inimigo", pelo que a eventual condenação teria repercussões em termos dos processos futuros de whistleblowers (como o ex-consultor da CIA Edward Snowden, também acusado pelo Governo americano) ou da publicação de segredos pela imprensa.

Nas suas alegações finais, o procurador militar major Ashden Fein argumentou que o analista não era "uma alma torturada, mas um soldado determinado que tinha os conhecimentos, a capacidade e o desejo de prejudicar o esforço de guerra norte-americano", e por isso decidira "divulgar todo o material classificado a activistas antigoverno e anarquistas, para garantir maior exposição na sua busca individual por notoriedade".

Pelo contrário, a defesa descreveu-o como um cidadão "preocupado" e "desiludido" com o comportamento do Governo. O seu advogado - e o próprio Manning, num depoimento de mais de uma hora - contestaram veementemente a acusação de ajuda ao inimigo, argumentando que os documentos não foram entregues a governos hostis ou a grupos terroristas como a Al-Qaeda e sublinhando que todos os ficheiros enviados à WikiLeaks se referiam a casos e situações que já se tinham alterado ou até mesmo cessado.

Em declarações à CNN a partir da embaixada do Equador em Londres, onde se encontra refugiado há mais de um ano, o fundador da WikiLeaks considerou Manning um "mártir" e disse que o processo contra o militar pretendia pôr "um ponto final ao jornalismo de investigação na área da segurança nacional". A Amnistia Internacional lamentou que "o Governo dos EUA, que recusa investigar alegações credíveis de tortura e outros crimes segundo a lei internacional, tenha decidido processar Bradley Manning pela revelação de provas credíveis do seu comportamento ilegal".

As condições de detenção de Manning também foram objecto de intenso debate e polémica. Durante oito meses, permaneceu numa cela de dois metros por 2,5 metros sem janelas, da qual saía apenas uma hora por dia - um tratamento que a juíza Denise Lind considerou "desumano", determinando uma diminuição da pena em 112 dias pelo tempo que viveu na solitária.


Edward Snowden's not the story. The fate of the internet is.
The press has lost the plot over the Snowden revelations. The fact is that the net is finished as a global network and that US firms' cloud services cannot be trusted
John Naughton

Repeat after me: Edward Snowden is not the story. The story is what he has revealed about the hidden wiring of our networked world. This insight seems to have escaped most of the world's mainstream media, for reasons that escape me but would not have surprised Evelyn Waugh, whose contempt for journalists was one of his few endearing characteristics. The obvious explanations are: incorrigible ignorance; the imperative to personalise stories; or gullibility in swallowing US government spin, which brands Snowden as a spy rather than a whistleblower.

In a way, it doesn't matter why the media lost the scent. What matters is that they did. So as a public service, let us summarise what Snowden has achieved thus far.

Without him, we would not know how the National Security Agency (NSA) had been able to access the emails, Facebook accounts and videos of citizens across the world; or how it had secretly acquired the phone records of millions of Americans; or how, through a secret court, it has been able to bend nine US internet companies to its demands for access to their users' data.

Similarly, without Snowden, we would not be debating whether the US government should have turned surveillance into a huge, privatised business, offering data-mining contracts to private contractors such as Booz Allen Hamilton and, in the process, high-level security clearance to thousands of people who shouldn't have it. Nor would there be – finally – a serious debate between Europe (excluding the UK, which in these matters is just an overseas franchise of the US) and the United States about where the proper balance between freedom and security lies.

These are pretty significant outcomes and they're just the first-order consequences of Snowden's activities. As far as most of our mass media are concerned, though, they have gone largely unremarked. Instead, we have been fed a constant stream of journalistic pap – speculation about Snowden's travel plans, asylum requests, state of mind, physical appearance, etc. The "human interest" angle has trumped the real story, which is what the NSA revelations tell us about how our networked world actually works and the direction in which it is heading.

As an antidote, here are some of the things we should be thinking about as a result of what we have learned so far.

The first is that the days of the internet as a truly global network are numbered. It was always a possibility that the system would eventually be Balkanised, ie divided into a number of geographical or jurisdiction-determined subnets as societies such as China, Russia, Iran and other Islamic states decided that they needed to control how their citizens communicated. Now, Balkanisation is a certainty.

Second, the issue of internet governance is about to become very contentious. Given what we now know about how the US and its satraps have been abusing their privileged position in the global infrastructure, the idea that the western powers can be allowed to continue to control it has become untenable.

Third, as Evgeny Morozov has pointed out, the Obama administration's "internet freedom agenda" has been exposed as patronising cant. "Today," he writes, "the rhetoric of the 'internet freedom agenda' looks as trustworthy as George Bush's 'freedom agenda' after Abu Ghraib."

That's all at nation-state level. But the Snowden revelations also have implications for you and me.

They tell us, for example, that no US-based internet company can be trusted to protect our privacy or data. The fact is that Google, Facebook, Yahoo, Amazon, Apple and Microsoft are all integral components of the US cyber-surveillance system. Nothing, but nothing, that is stored in their "cloud" services can be guaranteed to be safe from surveillance or from illicit downloading by employees of the consultancies employed by the NSA. That means that if you're thinking of outsourcing your troublesome IT operations to, say, Google or Microsoft, then think again.

And if you think that that sounds like the paranoid fantasising of a newspaper columnist, then consider what Neelie Kroes, vice-president of the European Commission, had to say on the matter recently. "If businesses or governments think they might be spied on," she said, "they will have less reason to trust the cloud, and it will be cloud providers who ultimately miss out. Why would you pay someone else to hold your commercial or other secrets, if you suspect or know they are being shared against your wishes? Front or back door – it doesn't matter – any smart person doesn't want the information shared at all. Customers will act rationally and providers will miss out on a great opportunity."


Spot on. So when your chief information officer proposes to use the Amazon or Google cloud as a data-store for your company's confidential documents, tell him where to file the proposal. In the shredder.

Óleo de palma, floresta e conflito em São Tomé.

"Num relatório de Dezembro de 2011, o Programa das Nações Unidas para o Ambiente já alertava para a destruição de florestas tropicais devido "à rápida expansão da monocultura do óleo de palma". Conflitos ambientais e sociais, em especial pela posse da terra, têm sido reportados em países africanos como a Nigéria, Camarões, Gana, República Democrática do Congo, Costa do Marfim.
Em São Tomé é Príncipe, estão a repetir-se, desde que os contratos com a Agripalma foram assinados em 2009. "A partir deste momento, as coisas começaram a correr mal", queixa-se Bastien Loloum, organização não-governamental Marapa (Mar, Ambiente e Pesca Artesanal). O estudo de impacto ambiental, diz Loloum, é deficiente, não teve consulta pública e foi difícil de obter. "Estava na Bélgica, em inglês, e a tradução é má", afirma.
Em documentos do projecto, há várias referências a compromissos de responsabilidade ambiental. A própria empresa que executará o projecto - a Socfinco, detentora de 100 mil hectares de palmares em África - é fundadora da Roundtable Sustainable Palm Oil, criada pelos produtores em 2004 para garantir que as explorações seguem os preceitos do desenvolvimento sustentável.

No terreno, porém, os exemplos contrários multiplicam-se quando se passa a cidade de Porto Alegre, no extremo sul de São Tomé, e se segue por uma estrada irregular de terra batida. Depois de um pequeno percurso a pé, entre fetos e coqueiros, Bastien Loloum mostra uma área pejada de árvores abatidas. Ali passa um curso de água que mal se vislumbra. "Deviam ter guardado uma faixa de 40 metros a partir da ribeira", lamenta Loloum, que coordena projectos da Marapa naquela região."






Óleo de palma, floresta e conflito em São Tomé


Num país essencialmente pobre, um grande projecto agro-florestal começa com atropelos ambientais e sociais, provocando uma onda de contestação.
São apenas 50 quilómetros entre São Tomé e Ribeira Peixe, mas o caminho faz-se devagar. A estrada é sinuosa, acomoda-se ao contorno da costa e vence a orografia em curvas e declives, com o mar à esquerda e a floresta verdejante à direita.
Alguns minutos além do rio Iô Grande surgem as primeiras palmeiras. Estão alinhadas em fileiras, entre as quais foi semeada uma leguminosa para fertilizar o solo. O conjunto estende-se num tapete geométrico até ao limite onde a floresta foi cortada. Ao fundo, enquadrado por esta paisagem dual, vê-se o Cão Grande, o curioso dedo vulcânico que se eleva a 663 metros de altitude.
O cenário é tudo menos um simples cartão postal de São Tomé e Príncipe. Aquelas palmeiras fazem parte de uma exploração agro-florestal que é o tema do momento no país. Implica derrubar áreas de floresta para produzir óleo de palma e está a semear a discórdia entre cidadãos, organizações não-governamentais, empresas e administração central.
Não é uma história que se encaixe numa divisão simplista entre defensores e destruidores da natureza. São Tomé e Príncipe é um país pobre, com um PIB per capita de 1100 euros por ano, 6% do português. As roças de cacau e de café que alimentaram a economia colonial estão quase todas falidas. Nas cidades há poucos empregos.
O país precisa de investimento. Mas a população não está disposta a aceitá-lo a qualquer custo. O trinómio idílico do desenvolvimento sustentável, onde a economia, o ambiente e o bem-estar social andam de mãos dadas, não está aqui a funcionar.
Produzir óleo de palma não é uma novidade no país. No anos 1980, o Governo criou a Empresa de Óleos Vegetais (Emolve) e plantou cerca de 600 hectares de palmeira-andim (Elaeis guineensis) no Sul de São Tomé. O projecto durou pouco e estava moribundo quando, há cinco anos, o Governo começou a negociar uma parceria para o ressuscitar. Surgiu então a Agripalma, com 12% de capital do Estado são-tomense e 88% da STP Invest, uma sociedade belga cujos responsáveis estão ligados a empresas da área das renováveis.
A ideia é replantar e ampliar os palmares para quase 5000 hectares e construir uma fábrica. O investimento equivale a 29 milhões de euros e a produção esperada é de 20 mil toneladas de óleo de palma por ano, em 2017. Parte destina-se ao consumo local e parte será exportada.

Corrida a África
O projecto surge num momento em que muitos investidores estão de olho na exploração do óleo de palma em África. Actualmente, 85% da produção mundial vem da Indonésia e da Malásia, com destino sobretudo à China, Índia e União Europeia. Com a expectativa de duplicação do consumo até 2020 - como óleo comestível e para a produção de biodiesel -, outras áreas de cultivo estão a ser procuradas nos trópicos.
Num relatório de Dezembro de 2011, o Programa das Nações Unidas para o Ambiente já alertava para a destruição de florestas tropicais devido "à rápida expansão da monocultura do óleo de palma". Conflitos ambientais e sociais, em especial pela posse da terra, têm sido reportados em países africanos como a Nigéria, Camarões, Gana, República Democrática do Congo, Costa do Marfim.
Em São Tomé é Príncipe, estão a repetir-se, desde que os contratos com a Agripalma foram assinados em 2009. "A partir deste momento, as coisas começaram a correr mal", queixa-se Bastien Loloum, organização não-governamental Marapa (Mar, Ambiente e Pesca Artesanal). O estudo de impacto ambiental, diz Loloum, é deficiente, não teve consulta pública e foi difícil de obter. "Estava na Bélgica, em inglês, e a tradução é má", afirma.
Em documentos do projecto, há várias referências a compromissos de responsabilidade ambiental. A própria empresa que executará o projecto - a Socfinco, detentora de 100 mil hectares de palmares em África - é fundadora da Roundtable Sustainable Palm Oil, criada pelos produtores em 2004 para garantir que as explorações seguem os preceitos do desenvolvimento sustentável.
No terreno, porém, os exemplos contrários multiplicam-se quando se passa a cidade de Porto Alegre, no extremo sul de São Tomé, e se segue por uma estrada irregular de terra batida. Depois de um pequeno percurso a pé, entre fetos e coqueiros, Bastien Loloum mostra uma área pejada de árvores abatidas. Ali passa um curso de água que mal se vislumbra. "Deviam ter guardado uma faixa de 40 metros a partir da ribeira", lamenta Loloum, que coordena projectos da Marapa naquela região.
Mais à frente, o caminho passa por troços difíceis, com pequenas pontes periclitantes, até desaguar numa área com amplas faixas de floresta abertas para as palmeiras. Há ribeiras entulhadas com troncos e acentuados declives recém-despidos. A vulnerabilidade à erosão é evidente.
Foi nesta área que a população se rebelou contra o avanço das máquinas. O projecto previa, na região de Porto Alegre, o envolvimento dos agricultores locais - num modelo distinto das plantações industriais em Ribeira Peixe. Mas os moradores dizem que os bulldozers avançaram sem aviso nem cerimónia. "O problema é a maneira como estão a agir na comunidade", afirma Fidel Sanches, presidente da Associação Comunitária de Porto Alegre.

Reforma falhada
Em grande medida, o que foi derrubado correspondia às ruínas de uma reforma fundiária falhada, que teve início nos anos 1990. Ex-trabalhadores das roças receberam lotes de terreno do Estado. Mas, por falta de apoio, de formação ou de iniciativa, muitos nunca cultivaram a sério os seus talhões. Hoje simplesmente retiram da terra o que a terra lhes dá - algum cacau ou café remanescente, bananas, cocos, fruta-pão. Das próprias palmeiras extrai-se a seiva para fazer o vinho de palma. Grandes árvores transformam-se em madeira, o material de construção mais popular na ilha. "A terra não era cultivada, mas havia a nossa madeira que estávamos a proteger", justifica Fidel Sanches. "Derrubaram e destruíram", acrescenta.
O sangue ferveu numa manhã de Maio passado. De catanas em punho, a população impediu o avanço das máquinas. A Agripalma suspendeu as operações e agora vêem-se no local apenas alguns trabalhadores a seccionarem grandes árvores já abatidas.
Num país onde a falta de emprego é um problema, a perspectiva de trabalho no projecto Agripalma não entusiasma a todos. "São trabalhadores extras. Não têm regalias, segurança social, se ficam doentes ninguém lhes paga", diz Adelino dos Prazeres, outro morador de Porto Alegre.
O conflito social à volta do projecto não é o único. As plantações estão a tomar o lugar da floresta, com efeitos ainda mal estudados. O resumo do estudo de impacte ambiental faz uma descrição muito sumária da fauna e nula da flora. Os impactos sobre a paisagem e a biodiversidade estão resumidos em três parágrafos curtos. Um deles diz: "A biodiversidade será preservada como uma prioridade".
São Tomé e Príncipe tem animais e plantas únicos, que não existem em mais lugar nenhum. A sua avifauna, por exemplo, inclui espécies criticamente ameaçadas de extinção, como a galinhola (Bostrychia bocagei), o picanço (Lanius newtoni) e o anjolô (Neospiza concolor). "A grande questão é que se desconhecem quais são as áreas vitais para estas espécies", alerta Nuno Barros, da Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves (SPEA). "Não havendo estudos, pode-se estar a estragar coisas que nem sequer conhecemos", diz Barros.

Providência cautelar
Organizações como a SPEA somaram as suas preocupações à dos moradores e de outros sectores da sociedade. O resultado é um movimento cívico que tem agora agido em conjunto. Uma petição "contra a desflorestação" foi lançada na Internet e uma queixa formal levou o Ministério Público a entrar com uma providência cautelar, no princípio de Julho, para suspender o projecto.
Parte da luta legal tem sido garantida pelo envolvimento de juristas são-tomensens, como a bastonária da Ordem dos Advogados, Celiza de Deus Lima, e o ex-procurador-geral da República, Adelino Pereira. Este advogado tem uma concessão agrícola na zona do projecto, mas diz que o que o move não é nenhum interesse pessoal. "Quando vi aquilo, fiquei chocado", afirma, no seu escritório na cidade de São Tomé.
Adelino Pereira não entende como é que o Estado entrou com os terrenos todos da Agripalma e só ficou com 12% da empresa. "É óbvio que há uma desproporção imensa". A Agripalma pagará ao Estado uma renda anual de sete euros por hectare, o que, para o advogado, "é uma aberração". Parte dos terrenos, embora públicos, pode ser hipotecada para empréstimos bancários.
Os contratos prevêem uma concessão de até 75 anos, amplas isenções fiscais e o monopólio da actividade no país, enquanto estiverem a ser pagos os empréstimos. "Os contratos estão impregnados de vários vícios", conclui Adelino Pereira.
"Há muita desinformação e muito aproveitamento político", rebate o director-geral da Agricultura, Carlos Pascoal. O projecto da Agripalma insere-se numa tentativa de atrair investidores estrangeiros para viabilizar áreas agrícolas que não estão a ser cultivadas. "Temos de reagir a esta economia que não existe e alargar a nossa base produtiva de exportação", diz Carlos Pascoal.
O director-geral admite que nem tudo tem corrido bem. "Houve alguns erros, áreas que não deveriam ser derrubadas e foram. Mas não se pode pôr em causa um projecto por erros que são reversíveis", afirma.Depois das queixas, o Governo criou uma comissão permanente para fiscalizar os trabalhos, embora muitos duvidem de que haja recursos para manter os funcionários no terreno.
Carlos Pascoal - que representa o Estado no conselho de gerência da Agripalma - diz que as cláusulas do contrato são o resultado de oito meses de negociações e que a renda paga pelos terrenos está acima dos quatro euros por hectare previstos na legislação. "Não vejo onde está o crime disto...", comenta.

Terras a menos
O Governo vê como natural a protecção do negócio por um monopólio enquanto houver dívidas à banca, bem como a hipoteca de terrenos públicos - já que o próprio Estado é parte interessada no projecto. Quanto à não-realização de uma consulta pública para o estudo de impacto ambiental, prevista na lei, Carlos Pascoal pergunta: "Qual é o projecto que teve consulta pública?"
Há uma questão ainda delicada por resolver. Dos 4917 hectares previstos no projecto, 1272 seriam concessionados no Príncipe. Mas o governo regional daquela ilha chumbou a ideia e será impossível encontrar, na ilha de São Tomé, mais áreas planas para as palmeiras. "Não temos", diz Carlos Pascoal. O contrato com a STP Invest tem agora de ser revisto.
Na sede da Agripalma em São Tomé, a política neste momento é a do silêncio. Ao PÚBLICO foi apenas entregue um comunicado de 19 de Junho, assinado pelo director-geral Jan Van Eykeren. No documento, a Agripalma diz que "desde o início do projecto tem procurado respeitar a protecção do ambiente" e que está a seguir as recomendações contidas num estudo complementar que mandou fazer sobre a biodiversidade.
Também afirma que não desflorestou qualquer área dentro do Parque Natural d"Ôbo - criado em 2006 e onde se concentra a vegetação original da ilha -, e que não está a explorar áreas legalmente classificadas como floresta, já que as zonas concessionadas ou já eram palmares ou tinham sido reocupadas por coqueiros e outras árvores, depois de abertas à agricultura há muito tempo. Segundo a Agripalma, não há aves endémicas na área concessionada.
A empresa refere que está a empregar 800 trabalhadores, com uma folha de pagamentos mensal de 1500 milhões de dobras (61.000 euros)."Não vamos destruir o país para dar emprego a 800 pessoas", contesta o advogado Adelino Pereira. "Não estamos contra a Agripalma. Queremos é que as coisas sejam bem feitas", completa, repetindo uma afirmação comum a todos os envolvidos no movimento cívico ouvidos pelo PÚBLICO.
Os ânimos estão longe de acalmar. Na semana passada, trabalhadores da Agripalma voltaram a ser interpelados em Porto Alegre. E, se não houver alterações, o próximo passo da contestação já está agendado, segundo diz Fidel Sanches: "Estamos à espera da chuva para retomar a nossa roça".

As origens da presente Crise ...

Ayn Rand 

Alan Greenspan 

Robert Rubin e Alan Greenspan

All Watched Over by Machines of Loving Grace is a 2011 BBC documentary series by filmmaker Adam Curtis.
 The series argues that computers have failed to liberate humanity and instead have "distorted and simplified our view of the world around us". The title is taken from the 1967 poem of the same name by Richard Brautigan. The first of three episodes aired on Monday 23 May 2011 at 9pm on BBC2.

Love and Power
In the first episode, Curtis tracks the effects of Ayn Rand's ideas on American financial markets, particularly via the influence on Alan Greenspan.
Ayn Rand was born in Russia and moved to America in 1928. She worked for Cecil B. DeMille, where she received inspiration for what would later became The Fountainhead. Later, she moved to New York and set up a reading group called The Collective where they considered her work. On advice from a friend, Greenspan (then a logical positivist) joined The Collective.
When published, although critically savaged, Rand's Objectivist ideas were popular and influenced people working in the technology sector of California. The Californian Ideology, a techno-utopian belief that computer networks could measure, control and self-stabilise societies, without hierarchical political control, and that people could become 'Randian heroes', only working for their own happiness, became widespread in Silicon Valley.
Rand entered into an affair with Nathaniel Branden, another married person in The Collective, which she proposed to justify in terms of her value of "rationality", and with the approval of his wife. After several years, the affair ended violently and it was revealed to the rest of The Collective, which broke up. Rand ended up alone in her New York apartment, although Greenspan continued to visit.

 Alan Greenspan
Greenspan entered government in the 70s, and became Chairman of the Federal Reserve. In 1992 he visited the newly elected Bill Clinton. He persuaded him to let the markets grow, cut taxes, and to let the markets stabilise themselves with computer technology, to create the New Economy. This involved using computer models to predict risks and hedge against them, in accordance with the Californian Ideology. However, by 1996, the production figures had failed to increase, but profits were nevertheless increasing; and Greenspan suggested that it wasn't working. After political attacks from all sides, Greenspan changed his mind and decided that perhaps the New Economy was real, but that it couldn't be measured using normal economic measures, and so the apparent boom continued.
In 1994 Carmen Hermosillo published a widely influential essay online, "Pandora's Vox: On Community in Cyberspace",[4] and it began to be argued that the result of computer networks had led to, not a reduction in hierarchy, but actually a commodification of personality and a complex transfer of power and information to companies.
Although the Asian miracle had led to long-term growth in South Korea and other countries Joseph Stiglitz began warning that the withdrawing of foreign financial investment from the Far Eastern economies could cause devastation there. However, he was unable to warn the president, being blocked by Robert Rubin, who feared damage to financial interests.

Robert Rubin
The 1997 Asian financial crisis began as the property bubble in the Far East began to burst in Thailand, causing large financial losses in those countries that greatly affected foreign investors. While Bill Clinton was preoccupied with the Monica Lewinsky scandal, Robert Rubin took control of foreign policy and forced loans onto the affected countries. However, after each country agreed to IMF bailout loans, foreign investors immediately withdrew their money, leaving the tax payers with enormous debts and triggering massive economic disasters.
After his handling of the economic effects of 9/11 Alan Greenspan became more important, and in the wake of the Enron scandal he cut interest rates to stimulate the economy. Unusually this failed to cause inflation. It seemed that the New Economy was working to stabilise the economy.
However, in reality, to avoid a repeat of the earlier collapse, China's Politburo had decided to manage America's economy via similar techniques to those used by America on the other Far Eastern countries; by keeping China's exchange rate artificially low, they sold cheap goods to America, and with the proceeds, had bought American bonds. The money flooding into America permitted massive loans to be available to those that would previously be considered too risky. The belief in America was that computers could stabilise and hedge the lending of the money. This permitted lending beyond the point that was actually sustainable. The high level of loan defaulting led ultimately to the 2008 collapse due to a similar housing bubble that the Far Eastern countries had previously faced.

Curtis ends the piece by pointing out that not only had the idea of market stability failed to be borne out in practice, but that the Californian Ideology had also been unable to stabilise it; indeed the ideology has not led to people being Randian heroes but in fact trapped them into a rigid system of control from which they are unable to escape.

Maria Luís Albuquerque: a má moeda. Swaps levam Albuquerque e Gaspar ao Parlamento


Swaps levam Albuquerque e Gaspar ao Parlamento


Partidos da maioria recuaram e deram luz verde à audição da ministra das Finanças. Actual e ex-governante vão hoje à AR
Foi uma questão de dias. A maioria PSD/CDS-PP chumbou na semana passada um requerimento para a ministra das Finanças, Maria Luís Albuquerque, ser ouvida no Parlamento sobre os contratos swap. Mas, ontem, na reunião de coordenadores da comissão de inquérito a estes contratos subscritos por empresas públicas, foi dado seguimento aos novos requerimentos "com carácter de urgência" apresentados pelo PS, Bloco de Esquerda e PCP.
A audição da ministra das Finanças em sede de comissão parlamentar de inquérito acontece hoje à tarde, a seguir à reunião plenária onde é votada a moção de confiança ao Governo. Horas antes, da parte da manhã, é ouvido Vítor Gaspar, que agora volta ao Parlamento já na qualidade de ex-ministro das Finanças.
Os bloquistas já tinham apresentado um requerimento a pedir o regresso de Maria Luís Albuquerque à comissão de inquérito (onde foi ouvida a 25 de Junho, quando era secretária de Estado do Tesouro), mas o pedido foi rejeitado pelos deputados da maioria, que agora recuaram e deram aval aos novos pedidos. A governante será assim ouvida uma segunda vez na comissão de inquérito, onde a oposição quer ver esclarecido o seu conhecimento do dossier dos contratos de cobertura de risco de crédito quando assumiu o cargo de secretária de Estado.
Albuquerque tem sido acusada em bloco pela oposição de faltar à verdade no Parlamento, onde garantiu não ter recebido em 2011 documentação sobre o caso por parte do seu antecessor, Carlos Costa Pina, secretário de Estado do Tesouro do Governo de José Sócrates. A pressão subiu de tom depois de vir a público que a governante recebeu informação sobre esta matéria em Junho de 2011 indicando uma perda potencial de 1500 milhões de euros de várias empresas públicas.
À parte o coro de críticas e as acusações de falta de condições para continuar como ministra, a governante viu no domingo o primeiro-ministro reiterar-lhe a confiança política.


Maria Luís Albuquerque: a má moeda
Daniel Oliveira
8:00 Segunda feira, 29 de julho de 2013 in Expresso online

Não preciso de repetir o que já quase todos mostraram: que Maria Luís Albuquerque mentiu repetidamente, perante o Parlamento e os portugueses. As suas mentiras não são comparáveis às de quem, como Sócrates e Passos Coelho, fez promessas que não cumpriu. São mentiras sobre matéria de facto e sobre acontecimentos passados. E têm uma agravante: a sua mentira incriminava quem, afinal, estava a ser rigoroso no relato dos factos que estavam em causa.

Não foi a primeira vez que Maria Luís Albuquerque tentou queimar outros para se salvar. Quando era secretária de Estado, conduziu o processo de decapitação de colegas de governo que fizeram contratos swap em tudo semelhantes aos que ela própria celebrou na Refer. Conclusão: Maria Luís Albuquerque sofre de graves falhas de carácter. E era por isso ser evidente que a escolha do seu nome para ministra-chave deste governo deixou muita gente alarmada. No entanto, a ministra das Finanças sabe que nada lhe acontecerá. Assim como Rui Machete sabia que a sua passagem pela SLN não o impediria de regressar à vida política. Porque a sucessão de pequenos e grandes escândalos criou um clima de impunidade e anestesiou os portugueses.

Uma vez Cavaco aplicou a lei Gresham, que nos diz que a má moeda expulsa a boa moeda, à política. Para quem deu poder a homens como Dias Loureiro, Duarte Lima ou Oliveira Costa faltava-lhe autoridade. Mas não deixa de ser verdade. Pessoas como Maria Luís Albuquerque, que mentem sem qualquer consequência, que tratam de purgas no governo para salvarem a sua própria pele e que não olham a meios para subirem na política, afastam os poucos que ainda acreditam no serviço público e na luta pelas suas convicções. Ainda mais, quando os honestos são, à mais insignificante e natural falha humana, postos no mesmo patamar de gente sem princípios.

Quem é a pessoa que se tenha em boa conta que quer ser tratada, pela generalidade da população, como um suspeito natural de desonestidade? Quem quer perder carreiras e privacidade para, no fim, ser enfiado no mesmo saco que Maria Luís Albuquerque, na assunção preguiçosa de que "eles são todos iguais"? Quem se quer fazer esta escolha num País que elege, reelege e torna a eleger Isaltino Morais? Ou quem tem convicções tão fortes que está disposto a sacrificar quase tudo em nome de causas maiores (são sempre poucos) ou aqueles que, de facto, não têm um bom nome a defender.


A saída do parlamento de pessoas como Honório Novo, Ana Drago ou, há uns anos, Diogo Feio (que foi para a Europa), é especialmente grave num momento em que a política vive uma "crise de vocações". Não posso deixar de admirar a resistência dos que, tendo talento e dignidade, se mantiveram tanto tempo no ativo. E tenho pena que partam. E é também por isso que me incomodam as generalizações sobre os políticos, como se fosse tudo "farinha do mesmo saco". Esse é o discurso que medíocres e desonestos mais apreciam. Que permite à nova ministra das Finanças mentir como mentiu sem temer pelo seu lugar. Afinal de contas, ela é, diz o povo, apenas mais uma igual a todos os outros. 

Machete kills.


Machete kills


Machete Kills é o título do mais recente filme de Roberto Rodriguez, novamente com Danny Trejo no principal papel. Mas podia muito bem ser o título da remodelação de Pedro Passos Coelho, a partir do momento em que o primeiro-ministro decidiu nomear Rui Machete para a pasta dos Negócios Estrangeiros. Tal como o Machete de Hollywood, também o Machete das Necessidades já começou a matar - não mexicanos corruptos, nem americanos mafiosos, mas a credibilidade do Governo que acaba de integrar.
Aliás, há pelo menos mais uma característica em comum entre Rui Machete e Danny Trejo, e não é o bigode, nem as tatuagens - é aquele toquezinho de arrogância que até fica bem em filme, quando se está a lutar contra os maus da fita, mas que fica muito mal à saída do Palácio de Belém, quando se está a responder a jornalistas. Ouvir o novo ministro classificar as perguntas mais do que legítimas que lhe eram feitas sobre o BPN - perguntas banalíssimas em qualquer país que conheça o significado do verbo "escrutinar" - como uma manifestação da "podridão dos hábitos políticos", é daquelas atitudes que só mesmo um velho senador do Bloco Central dos interesses, a quem a democracia por vezes enfada, se lembraria de ter.
Claro que a questão do milhão de dólares é: porquê Machete? Das duas, uma: ou Pedro Passos Coelho é masoquista, adorando ser chibatado diariamente nos jornais por Rui Machete ter estado oito anos no Conselho Superior do BPN, por Maria Luís Albuquerque estar enterrada em swaps, ou por Agostinho "Ongoing" Branquinho ter regressado, qual filho pródigo, ao albergue estatal; ou então Pedro Passos Coelho está a competir ferozmente com António José Seguro pela Incompetent"s Cup, e, depois do comportamento do líder do PS na semana da salvação nacional, terá concluído que precisava de recuperar terreno.
Seja qual for a opção, uma coisa é certa: o país não precisava disto. Neste jornal, Teresa de Sousa escreveu um texto elogioso sobre Rui Machete, dizendo que ele "traz para o Governo a respeitabilidade dos cabelos brancos e da história do PSD". Ai não traz, não. O que ele traz é o lixo do BPN, as negociatas do BPP e os excertos da WikiLeaks em que o embaixador americano o acusava de despesismo e de troca de favores na FLAD. Pergunto: como é possível ignorar tudo isto? Como é que, numa altura em que tanto se exige aos portugueses, e em que tanto se fala na impossibilidade de realizar um corte de 4,7 mil milhões de euros na despesa do Estado, se convida para o Governo um homem que esteve enfiado num banco cuja factura pode chegar aos oito mil milhões?
Nesta terra parece que nada suja ninguém, e todos conseguem recuperar de qualquer coisa que lhes aconteça. Sócrates comenta na televisão, Macário regressa à câmara ao nascer do sol, Isaltino é candidato à assembleia de Oeiras a partir da prisão, só falta mesmo Vale e Azevedo voltar à presidência do Benfica. O BPN deveria ser a kryptonite da política portuguesa: quem tocou, está fora. Mas não. Parece que Oliveira e Costa é o único culpado de tudo o que lá se passou. Revejam o primeiro Machete, por favor: é um péssimo filme, mas tem uma cena em que Danny Trejo abre a barriga a um tipo e usa os seus intestinos para fugir pela janela de um hospital. É a imagem perfeita deste país: esquartejado e, ainda assim, cheio de penduras. Não admira que o Portugal de hoje dê a volta à tripa a qualquer pessoa de bem.
Jornalista jmtavares@outlook.com

Gustavo Sampaio."Há conflito de interesses na actividade de muitos deputados".


Gustavo Sampaio."Há conflito de interesses na actividade de muitos deputados"
Por Catarina Falcão
publicado em 27 Jul 2013 in (jornal) i online
Jornalista investigou durante oito meses as actividades paralelas dos deputados e os cargos dos ex-políticos nas empresas do PSI20
Pacheco Pereira disse que o livro de Gustavo Sampaio equivale a "uma grande reportagem jornalística" sobre os privilégios dos políticos e ex-políticos em Portugal. Em "Os Privilegiados", o jornalista Gustavo Sampaio - que trabalhou no jornal "O Independente" e na revista "Sábado", tendo publicado artigos no "Público" e na "Exame", entre outros - analisou exaustivamente o registo de interesses dos deputados em funções na Assembleia da República, a transição de ex-políticos para cargos nas empresas cotadas no PSI20 e as subvenções vitalícias a que têm direito, comparando ainda estas situações com as de outros países europeus.

Quem são os privilegiados em Portugal?

A classe política, os ex-políticos, os ex- -governantes. Não digo que seja só a classe política, mas é uma classe privilegiada. Sobretudo tendo em conta o discurso moralista do actual executivo sobre os portugueses, dizendo que têm vivido acima das suas possibilidades. Através da investigação deste livro pode perguntar -se se não é a classe política que tem vivido acima das possibilidades de Portugal. Não é tanto pelas remunerações ou pelas regalias - de que beneficiam de facto -, mas porque é que são ex-governantes a liderar grandes empresas? Pela sua competência e mérito ou pela sua influência e pelos seus contactos?

No livro opta por não fazer juízos de valor relativamente aos casos que apresenta. Porque fez essa opção?

Dou espaço ao leitor para tirar as suas conclusões. Fiz isso por respeito ao leitor e para o levar a pensar. Tive em conta o paradigma clássico do jornalismo que não é opinar, é mais informar e contextualizar e levar a reflectir sobre os assuntos. Também aconteceu porque foi uma investigação para a qual parti sem ideias pré- -concebidas.

Quanto tempo demorou essa investigação?

Cerca de oito meses. Já tinha abordado alguns destes temas em artigos para a "Sábado" e para a "Exame". O livro permitiu-me fazer uma actualização e um aprofundamento da investigação. Acabei por descobrir que alguns deputados tinham omitido informação super-relevante. Permitiu-me também fazer uma análise, já com algum tempo decorrido da legislatura, e chegar à conclusão de que alguns deputados diziam que não havia conflitos de interesses entre a sua actividade parlamentar e a sua actividade profissional, mas através das suas intervenções na Assembleia da República deparei-me com claros indícios desse conflito. Comprovei que eles existem de facto na actividade parlamentar de muitos deputados, que apresento no livro.

Escreve sobre deputados que fazem parte de determinadas comissões parlamentares e ao mesmo tempo têm participações em empresas nos sectores que essas comissões fiscalizam. O que é que isso diz sobre a comissão de Ética, que deveria fiscalizar a existência destes conflitos de interesses?

A comissão não tem punido nenhum destes casos. Desde logo porque a lei é demasiado permissiva e porque a comissão de Ética é pouco pró-activa. Um dos casos que apresento é o da Construtora do Caramulo. Da primeira vez que falei com o deputado do PSD António Leitão Amaro [actualmente Secretário de Estado da Administração Local], que detém 14% da empresa, fiquei com a impressão que até seria uma empresa ligada às obras públicas. Depois voltei a investigar e descobri que é um nome ilusório porque se desdobra em participações numa rede de empresas ligadas a dirigentes do PSD, nomeadamente o pai do próprio deputado. Havia ligações a empresas de energia eólica ao mesmo tempo que este deputado estava na comissão do Ambiente. A comissão de Ética não investiga, não vai à procura?

Mas a maior parte do que apresenta no livro é tirado de fontes públicas ao dispor de qualquer um?

Falei com o deputado Mendes Bota [presidente da comissão de Ética] e ele disse--me que não são pró-activos na investigação. Talvez investiguem se houver denúncias. Outro problema é que a comissão é constituída por deputados e trata-se de uma situação de autofiscalização. Mesmo que as pessoas tenham independência para o fazer - o deputado Mendes Bota tem tido declarações corajosas, como quando disse que as sociedades de advogados tinham tomado de "assalto" os lugares de topo do parlamento -, é muito difícil fazê-lo dentro do sistema, dentro dos próprios partidos.

Mas encontrou irregularidades face à lei. Espera algum tipo de repercussões?

Há casos em que há indícios de deputados que estão a ferir a lei. Nomeadamente Miguel Freitas (PS), que a partir de determinada altura em que o governo de Sócrates ia cair e estava em gestão - ele acha que não estava em plenitude de funções, mas eu fui ver à lei e os deputados mantêm-se em plenitude de funções até haver novas eleições - e tornou-se sócio gerente de uma empresa, com uma participação superior aos 10% permitidos pela lei, que firmou um contrato com o Governo Regional dos Açores para a concepção de um plano regional de desenvolvimento. Há indícios claros de ilegalidade. Não sei o que poderia acontecer. Perder o mandato? Macário Correia perdeu o mandato actual por ilegalidades cometidas noutra câmara. Há também o caso de Ana Catarina Mendes (PS), que tem uma participação de 9,5% numa empresa de consultoria - e o seu marido, Paulo Pedroso, tem também uma participação que se desconhece - com contratos com o Estado. Os valores nem são os mais graves ou preocupantes, mas a lei está a ser desrespeitada. Encontrei muitos casos de participações entre 8% e 10%. A própria lei está mal feita, porque é diferente ter 10% de uma livraria ou 10% de uma grande empresa.

Encontrou 117 deputados em 230 que mantêm outros trabalhos para além da actividade parlamentar. Do que investigou, acha que é possível compatibilizar a vida profissional com as exigências do trabalho na Assembleia da República?

Fiz entrevistas a deputados estrangeiros (suecos, dinamarqueses e britânicos) e perguntei-lhes se havia uma lei mais restritiva nos seus parlamentos quanto a conflitos de interesses e incompatibilidades face a actividades paralelas. Todos me responderam que nem sequer há lei. Disseram que isso é extremamente invulgar porque não têm disponibilidade para outras actividades. O trabalho parlamentar ocupa-lhes sete dias por semana. A maioria não se lembrava de nenhum caso. Isso levanta a questão da razão por que em Portugal há deputados com três ou quatro actividades paralelas. É estranho. O leitor, relativamente aos dados apresentados no livro, tirará as suas conclusões.

No que diz respeito a outras incompatibilidades, com ex-governantes a assumirem cargos de destaque em empresas do PSI 20 pouco tempo depois de abandonarem o poder político, conseguiu compreender porque é que isto acontece?

Tentei dar duas perspectivas dissonantes. Seria fácil encontrar 30 opiniões que considerassem esses ex-políticos corruptos. Ouvi opiniões diferentes. João César das Neves, professor na Faculdade de Economia da Universidade Católica, levanta a hipótese de que os governantes serem convidados por causa da sua influência política ao mesmo tempo que Maria do Carmo Seabra, professora da Faculdade de Economia da Universidade Nova de Lisboa, fala mais num know-how e numa experiência que ganham e que pode ser útil para as empresas, não numa perspectiva de tráfico de influências. Na pesquisa que fiz sobre as 20 empresas do PSI20, 16 têm ex-governantes em 28 cargos de administração e 32 nos restantes órgãos sociais. E não é uma listagem exaustiva. Levanta a questão de estes ex-governantes serem contratados pelas empresas pela sua experiência e mérito na gestão de empresas ou por causa da sua rede de contactos.

Surpreendeu-o a facilidade com que estes ex-governantes passam de cargos públicos para cargos em empresas e depois dentro dessas empresas transitam entre várias posições?

Não posso dizer que essas transições me surpreenderam. O que me surpreendeu mesmo foi o número. Apenas quatro empresas do PSI20 não têm qualquer ex-governante nos seus órgãos sociais e conselhos de administração.

Encontrou alguns casos em que o período de nojo de três anos entre cargos públicos e cargos privados não foi cumprido?

Não há fiscalização, se bem que os casos mais graves que encontrei e também os mais mediáticos cumpriram de facto o período de nojo. Ferreira do Amaral para a Lusoponte, Jorge Coelho para a Mota-Engil e Pina Moura para a Iberdrola respeitaram o período de nojo. Pina Moura entrou para a Iberdrola dois ou três dias depois de terminar esse período. A questão é se passado esse período de nojo deixa de haver dúvidas entre estas transições do governo para empresas cuja actividade está centrada em contratos celebrados quando estas pessoas eram ministros. Um dos exemplos é a Lusoponte, em que foi Ferreira do Amaral, enquanto ministro das Obras Públicas, que acordou o contrato de exploração das pontes sobre o Tejo e detém direitos sobre a terceira travessia, que ainda nem foi construída. Onde é que há uma linha a separar os negócios das empresas? Porque é que a Mota-Engil vai buscar ex-ministros das Obras Públicas e porque é que os seus ex-secretários de Estado também vão lá parar?

Mas verificou que muitas vezes quem deveria regular certos sectores da economia é também nomeado pelo poder político.

Os próprios reguladores, que deveriam ser independentes e servir de contrapeso a esta promiscuidade, estão pejados de ex-políticos. Na maior parte dos casos das entidades reguladoras, muitos dos ex-políticos - muitas vezes ex-assessores de governantes - não têm a mínima competência para os cargos que foram ocupar. Acabam por ocupar cargos importantíssimos na economia e na actividade das empresas e aqui levanta-se a questão do porquê de irem para lá. A perspectiva que se pode ter é que são tachos e têm grandes salários e nisso são privilegiados, mas a perspectiva que tento dar com o livro é o que é que eles fazem e porque vão para lá? Há depois uma interligação entre estas empresas e os partidos através de trocas de favores. Há uma névoa à volta disto que é extremamente preocupante.

Casos:

Joaquim Ferreira do Amaral, ex-ministro das Obras Públicas, Transportes e Comunicações

Formado em Engenharia Mecânica, Ferreira do Amaral começou por ser escolhido para secretário de Estado das Indústrias Extractivas e Transformadoras em 1979.
Filiou-se no PSD em 1981. Foi desempenhando variados cargos em sucessivos governos, chegando a ministro das Obras Públicas, Transportes e Comunicações em 1990, num executivo de Cavaco Silva. Foi no seu mandato que a concessão, construção, financiamento e exploração da Ponte Vasco da Gama foi atribuída à Lusoponte. A empresa tem também direitos sobre a terceira travessia do Tejo. Tornou-se presidente do conselho da administração da Lusoponte em 2005.

Jorge Coelho , antigo ministro do Equipamento Social

Jorge Coelho demitiu-se do governo em 2001, logo após a queda da ponte de Entre-os-Rios. Era então ministro do Equipamento Social (equivalente às Obras Públicas), com um largo currículo político quer nas campanhas do PS, quer em cargos governativos, sendo um homem da cúpula do partido. Em 2006 passou a dedicar--se em exclusivo à actividade profissional e passados dois anos foi anunciado como CEO da Mota-Engil, empresa que durante o seu mandato como ministro do Equipamento Social tinha recebido duas concessões de auto-estradas Scut através de concursos internacionais. Coelho saiu do cargo no princípio deste ano.

Joaquim Pina Moura, antigo ministro da Economia e das Finanças

Pina Moura começou a sua carreira política no PCP, mas em 1992 criou a Plataforma de Esquerda, aproximando-se do Partido Socialista. Em 1999 – após já ter sido secretário de Estado Adjunto do primeiro-ministro e responsável pela Economia – foi nomeado ministro das Finanças e da Economia de António Guterres. Nos seus mandatos abriu o capital das empresas de energia do Estado

– REN e EDP – às empresas estrangeiras. Desde 2004 Pina Moura é presidente da Iberdrola Portugal, cargo que chegou a acumular com o de deputado à Assembleia da República. A Iberdrola deteve até ao ano passado 6,79% da EDP.

domingo, 28 de julho de 2013

Contas do município e da EPUL vetadas pela Assembleia Municipal.


Contas do município e da EPUL vetadas pela Assembleia Municipal.

A última sessão da Assembleia Municipal de Lisboa antes das férias de verão, realizada esta tarde, terminou com a não aprovação dos relatórios de gestão e demonstração financeira do município e da gestão e contas da Empresa Pública de Urbanização de Lisboa (EPUL), ambos referentes a 2012. O executivo camarário liderado por António Costa (PS) terá agora que refazer os documentos, corrigindo algumas rubricas, no seguimento da sua devolução à Câmara Municipal, para emendar aquilo que o PSD considera serem “graves ilegalidades”. O líder da bancada da maior partido da oposição, António Prôa, conseguiu ver aprovado um requerimento bloqueando a aprovação dos relatórios e promete levar o caso ao Tribunal de Contas e à Inspecção-Geral de Finanças.

Em causa está a autorização dada pelo presidente da câmara para o pagamento de 23,5 milhões de euros aos bancos Dexia e Nederlandse, em Dezembro do ano apassado, por conta de obrigações vencidas aos dois por parte da extinta EPUL. Costa, contudo, desvaloriza a questão, diz que as “contas estão aprovadas” e promete dar resposta às dúvidas da assembleia. E fê-lo sem deixar de lembrar que, de acordo com as novas competências das autarquias, não precisará sequer de o fazer. “Mas devolvam-nos a conta, que nós responderemos”, disse Costa, em jeito de desafio, na breve e última de várias intervenções tidas em plenário. Para trás, ficara uma tarde a ouvir críticas da oposição e uma intensa troca de picardias com António Prôa.

O social-democrata considera que o que se passa com as contas da EPUL “é grave porque, para lá da questão política, temos aqui um problema de ilegalidade”. E Prôa diz que ela, a ilegalidade, se revela a dobrar. Tem que ver não apenas com o facto de “a Câmara ter feito uma transferência directa do dinheiro para os bancos e não para a EPUL, para ser ela a liquidar a dívida – como manda a lei -, mas também por tê-la realizado antes de as contas de 2012 da empresa terem sido validadas, o que não acontecia na altura. Foi, portanto, uma tranferência prematura”. “As contas são irregulares, o senhor presidente da câmara conseguiu arranjar uma grande trapalhada”, disse o chefe de bancada do PSD, que travou a aprovação dos relatórios através de um requerimento votado pela maioria dos deputados municipais.

A ordem de pagamento foi dada pelo presidente da câmara a 17 de Dezembro de 2012 e o mesmo processou-se logo no dia seguinte. Mas, de acordo com a oposição social-democrata, tal não poderia ter sucedido, porque a lei não o permite. “As suas ambições no plano nacional não o podem inibir de ter de respeitar a lei e corrigir as contas”, disse Prôa, que depois, à margem dos trabalhos, disse aos jornalistas que “a câmara até pode não aparesentar uma nova versão dos relatórios”, mas garantiu que o “Tribunal de Contas estará atento” e, além disso, o “PSD fará chegar estas reservas à Inspecção-Geral de Finanças”. António Prôa disse que isto “demonstra claramente que a imagem de rigor que António Costa gosta de dar não é uma realidade”.

A não aprovação dos relatórios de gestão e demonstração financeira do município de 2012 e de gestão e contas do mesmo ano da EPUL, pela assembleia municipal (AM), resultou de uma rápida sucessão de acontecimentos. Primeiro, o PSD apresentou uma recomendação para que os dois documentos fossem alterados. A deliberação foi aprovada com os votos, além dos social-democratas, de CDS, PCP, Verdes, PPM e MPT e abstenção do Bloco de Esquerda. O PS e quatro independentes votaram contra. Depois disto, Simonetta Luz Afonso, presidente da AM, quis colocar os relatórios a votação, mas António Prôa argumentou que a aprovação da recomendação o impedia. Mas não era bem assim.


Simonetta disse então que tal objectivo só poderia ser alcançado com um requerimento, não com uma recomendação. “Quer apresentar um requerimento?”, perguntou Simonetta. E foi isso que sucedeu. O requerimento foi votado favoravelmente por todos os partidos que já haviam aprovado a recomendação e ainda os deputados do Bloco – que se tinham abstido na votação anterior. Ou seja, todos contra o PS e os quatro independentes. À saída da sala, António Costa desvalorizou a votação, disse que as “contas estão aprovadas” e qualificou o sucedido como um “faits divers”. “Todos os anos, eles têm de inventar uma, agora foi esta”, disse.