domingo, 23 de julho de 2017

‘Imagine living with this crap’: tempers in Venice boil over in tourist high season


‘Imagine living with this crap’: tempers in Venice boil over in tourist high season

As residents leave and visitor numbers soar, the city’s quality of life is being eroded. This summer, irate locals have taken to the streets

Angela Giuffrida
Sunday 23 July 2017 00.04 BST

Emotions run high in Venice, the Italian island city that fascinates visitors even as it exasperates the dwindling band of local inhabitants.

Venice is still known as La Serenissima, the most serene, and was once a place where the population rubbed gracefully along with visitors made up mostly of intellectuals, writers and artists. It is difficult now to imagine that happy coexistence, when you wander through the intricate maze of alleys and waterways and speak to local people. Depopulation and mass tourism have long been causes of local despair. But this summer it feels as if a tipping point may not be far away.

Earlier this month an estimated 2,000 Venetians marched against a tourism industry they argue has eroded their quality of life, that is damaging the environment and driving residents away: Venice’s population has fallen from about 175,000 in the post-second world war years to 55,000 today.

Carlo Beltrame, one of the event’s organisers and a researcher in humanities at Venice’s Ca’ Foscari University, yearns for a time when taking a motorboat was not stressful or when a trip to his doctor in the Rialto Bridge area did not involve getting caught up in the slow-moving tourist throng.

“Around 2,000 people leave each year,” he said. “If we go on this way, in a few years’ time Venice will only be populated by tourists. This would be a social, anthropological and historical disaster.”

Whether irritated by selfie sticks, noisy wheelie suitcases or people snacking on one of the 391 bridges, Venetians’ contempt towards the 28 million visitors who flood the city each year has reached alarming levels.

On a July morning in Cannaregio – a neighbourhood tucked away from the congested Piazza San Marco area – you can still catch a glimpse of the authentic Venetian lifestyle. The scene plays out much as it does in other Italian cities: smartly dressed people chat animatedly as they shop at the butcher’s and baker’s or congregate at the bar. Children play freely on the streets.

The area remains mostly undisturbed by tourists, but Luciano Bortot, who was born here, is feeling anything but serene. “You’re asking me what it’s like to live with this crap?” he said. “It used to be wonderful, we had lots of artisans … the problem now is the mass tourism, the people who come for just a few hours and see nothing – it’s as much of a nightmare for them.”

Like many of his neighbours, Bortot despises the behemoth cruise ships that chug through the Giudecca canal four or five times a day, emitting fumes before disgorging thousands of people – on some days as many as 44,000 – into the historic centre.

He also laments the surge in the number of B&Bs, which make it impossible for residents to find a home to rent on a long-term contract.

With its carnival, star-studded film festival and the Biennale art exhibition, Venice has a long history of cultivating tourism. It is an industry that brings millions to the coffers each year and provides thousands of jobs. The city cannot live with it or without it and, even among themselves, it seems that stressed Venetians are becoming increasingly fractious.

“Venetians of today are not so proud, not like our ancestors were,” said Michelangelo Adamo, 23, a restaurant worker who is training to be a boat skipper so that he can escape to the quieter islands. “They don’t really care about art or culture, they drive speedboats and eat junk food, it’s more like Miami Beach.”

Another resident of Cannaregio is Galliano di Marco, the CEO of VTP, the Venice passenger terminal that manages and provides services to the cruise liners and their passengers. Originally from the central Abruzzo region, he enjoys life in Venice, despite being a target for those involved in the No Big Ships activist group, which for years has battled against the cruise liners and in June held an unofficial referendum in which Venetians voted in favour of ousting the ships from the city’s lagoon.

Venetians are quick to point the blame at cruise-ship passengers for the demise in their quality of life, arguing that they stay for only a few hours, spend little money and leave a trail of litter in their wake.

Di Marco disputes this, citing figures that paint a different picture: only 1.5 million of the 28 million visitors to Venice each year arrive on a cruise vessel, with the rest coming by bus, car, train or plane. With an average age of 65, they spend between €120 and €160 per head, bringing about €250m to the city each year. The passenger terminal also provides jobs for an estimated 5,000 people.

But the well-publicised controversy, which even prompted New York mayor Bill De Blasio to urge his Venice counterpart, Luigi Brugnaro, to ban the ships, has left VTP and the cruise industry in turbulent waters. With this in mind, since taking on the role in December Di Marco has striven to strike a compromise between the sector and the activists, devising a plan that would see the ships instead take a longer journey into the lagoon via the Vittorio Emanuele canal.

The proposal needs approval from the Italian government, but is backed by the cruise companies. “It will take 1.5 hours longer to enter and leave the lagoon, but the cruise companies accepted that because they want to keep Venice on their itineraries – it’s one of the top three destinations in the world,” he said.

“It’s not our call, but we are doing whatever we can to take the big ships away from the Giudecca canal because really, enough is enough.”


Di Marco is less conciliatory towards demands for the passenger terminal, a vast, well-structured area that also provides services to hydrofoils arriving from Croatia and Slovenia, to up sticks to Marghera, an unsightly industrial area on the mainland.

“They’re trying to build a ghetto for the cruise passengers and I will fight this as much as possible,” he said. “At the moment passengers arrive in the living room of Venice; in Marghera it would be like welcoming them in the toilet.”

The citizens who marched recently carried banners reading: “I’m not leaving”. But despite their determination to stay, they are pessimistic about the future. Residents were hoping that Unesco would send a strong signal to the authorities by following through with a threat to place the world heritage site on its endangered list. Instead, the organisation recently granted the city another year to come up with measures to protect its monuments and preserve its fragile environment.

“It feels as if we’re at a point of no return because it’s already out of control,” said Beltrame. He would like tourist numbers to be limited, while focusing on improving the quality and promoting the city as a hub for scientific and maritime research.

Luciano Bortot, meanwhile, looks with envy towards the neighbouring semi-autonomous region of Trentino-Alto Adige, which until the end of the first world war was part of Austria.


He believes the answer to Venice’s woes lies in the Veneto region, among Italy’s richest, obtaining greater, if not full, independence from Rome. A non-legally binding referendum will be held in October. “Venice would be better managed by Venetian heads, not Roman ones,” he said. “If we had an official referendum, Veneto would definitely vote to break away.

O silêncio do fogo na voz da dor...

Imagem do Dia / OVOODOCORVO
"O Estado falhou nesta tragédia levando consigo o sentimento de pertença de Nação que tínhamos. O Estado não protegeu a sua Nação. Não assegurou o seu Território e com ele o seu Povo..."
Carta de uma mãe que perdeu o filho em Pedrógão Grande.


O silêncio do fogo na voz da dor...
Carta de uma mãe que perdeu o filho em Pedrógão Grande.

23 de Julho de 2017, 7:25

Estamos tão cansados, mas não podemos estar. Os mortos não se calam e não nos deixam cansar. Gritam por Justiça! Exigem Mudança!
A Associação das Vítimas do Incêndio de Pedrógão Grande, o grande, brutal e devastador incêndio que lavrou do dia 17 a 24 de Junho de 2017, nos concelhos de Pedrógão Grande, Figueiró dos Vinhos e Castanheira de Pêra, é um movimento cívico que partiu dos familiares e amigos das vítimas mortais desta tragédia. Uma associação cujo mote é apurar responsabilidades e ajudar a construir um futuro em que tal tragédia e crueldade não volte a acontecer!
Esta é a descrição do que pretendemos ser, com a ajuda de todos e a lembrança de todos aqueles que partiram. Porque hoje somos uma comunidade traumatizada. Uma comunidade sujeita a uma tal brutalidade que não se nos apaga da memória... O cheiro a terra ardida é algo que nos envolve, que nos macilenta e que se entranhou em cada um de nós.
A perda de dezenas de vidas e de forma tão trágica que roça a loucura deixou uma sociedade e todo o seu contexto à volta num luto imposto. A vida acabou ali, naquela estrada para muitas pessoas. Inocentes. E acabou também parte de uma vida para os que ficaram. Os que ficámos, ficámos mais pobres, mais sós, apenas com o alento das memórias, mas com a revolta de toda esta situação. São filhos sem pais. São pais sem filhos... são casas sem gente, é gente sem gente, não é natural!
Olho à volta e as pessoas não se riem, choram sozinhas, acanhadas, não se olham nos olhos, com vergonha pela sua impotência, com medo; o cenário é deprimente e não nos ajuda a superar com dignidade a tragédia. O Inverno não tarda e com ele as ruas despidas de vida. Despidas de ainda mais vida.
Há rancor, ressentimento com o território e com as entidades públicas. O Estado falhou. A Nação não existiu.
Mas não falhou apenas nesta tragédia. O Estado vem falhando ao longo de décadas. O Estado padece de uma cegueira crónica, está enfermo de um tal sentimento de negação de si próprio. Nega o seu estado de país rural, um país orgulhosamente rural e por isso mesmo rico.
Enquanto Estado é um conceito frio, masculinizado, distante, de um ente que impõe tributos e leis aos seus súbditos, um amontoado de entidades supostamente hierarquizadas, com dirigentes supostamente competentes, e que supostamente deveriam cumprir e fazer cumprir um conjunto de leis e regras que se vão aprovando (ou não!) conforme as vontades políticas da estação. Assim se vai governando Portugal. Sem pactos de regime e visão a longo prazo. Vão-se puxando o tapete uns aos outros, não se apercebendo que, por fim, só restam cacos, dor e tristeza para governar.
Nação, por sua vez, é um conceito acolhedor, integrador, feminino, belo, quase maternal, que agrega o seu Povo e o seu Território. É o que dá sentido à reunião das pessoas num determinado território a que chamamos “a nossa terrinha”, “o nosso cantinho a beira-mar plantado”, a proa desta “jangada de pedra”. Portugal.
O Estado falhou nesta tragédia levando consigo o sentimento de pertença de Nação que tínhamos. O Estado não protegeu a sua Nação. Não assegurou o seu Território e com ele o seu Povo...
Fomos vítimas desta ausência insuportável de Estado. Ontem e hoje. Mas não amanhã. Porque já chega de incêndios que ceifam vidas. Incêndios como os de 2003, 2005 e Junho de 2017, e que contabilizam, até a data, 100 vítimas mortais em solo português, não podem voltar a acontecer. É hora de todos dizermos “Basta!”. Este Estado que não quer ver secou uma parte importante da sua Nação, aquela que moveu este país por séculos, o Interior.
A primeira muralha e frente de defesa do País no passado contra as invasões estrangeiras, o celeiro do País em tempo de vacas magras, o emissor de soldados nas guerras ultramarinas, o mercado de mão-de-obra barata em tempos de construção europeia... Quando o Interior e os seus recursos já não eram precisos, substituídos pela oferta de bens e serviços mais baratos, o Povo e o Território do Interior foram abandonados À sua sorte. Emigrem! E assim o fizeram, abandonados à sua sorte.
Não houve solidariedade em tempos de vacas gordas, não houve estratégia para o Território quando os dinheiros dos Fundos Estruturais Europeus chegavam a rodos. Foram anos de esquecimento, de esvaziamento progressivo e consistente das instituições regionais e locais, depois seguiram-se as empresas e, por fim, as pessoas. Sobreviver é preciso.
Foram sucessivas décadas de descaso com o Interior, de negligência com o Território, com a Floresta e a Agricultura. Tendo como consequência a emigração das pessoas em idade ativa, restando uma população envelhecida e empobrecida a exigir cuidados redobrados do pouco Estado que restou e que nos foi esventrado e sobretudo das autarquias locais e misericórdias.
Parecia propositado... o Interior tornou-se terra de ninguém, envergonhado de o ser, abandonado e, assim, por fim, vergado.
Deveríamos dar graças por nos termos tornado a maior região eucaliptizada da Europa... Fomos “agraciados” pela falta de oportunidade! O Território estava a saldos e ninguém quis saber.
O Interior tornou-se um canteiro de ervas daninhas, sem jardineiros — as suas gentes. Um barril de pólvora em que se soma a indústria do fogo institucionalizada e um qualquer ano eleitoral. Os ingredientes ideais para a tempestade perfeita.
A tragédia de 17 a 24 de junho de 2017 estava mais que anunciada. Foi apenas uma questão de tempo... e o tempo não pára! E com ele foram muitas vidas abreviadas. Cedo demais... Cedo demais!
Por ti, meu filho...

Nádia Piazza, mãe de uma criança de cinco anos que morreu a 17 de Junho de 2017 em Pedrógão Grande

sábado, 22 de julho de 2017

Rise of low-cost flights comes at high price


Is flying really evil?
guardian.co.uk Travel
Tuesday 26 September 2006 17.09 BST First published on Tuesday 26 September 2006 17.09 BST

Staring global warming in the face ... is ending air travel really the key to saving the environment? Photograph: Antonio Scorza/AFP

In the second article of our week of debate on aviation and climate change, Justin Francis, co-founder of Responsible Travel, argues that the immediate end of air travel is not only impossible - it would be environmentally counter-productive too

Next week I'm flying to Ethiopia on holiday. My plane will emit carbon dioxide and other gases that will contribute to global warming. The Bishop of London would say people like me are evil. One leading environmentalist writing in The Guardian says that people advocating more responsible travel are culpable of "greenwashing" and that most of the aeroplanes flying today should be grounded.

Reading the papers you would think that air travel is the single biggest cause of global warming. In fact, air travel accounts for less than 5% of carbon dioxide emissions. We must look to every sector to reduce emissions, but if we really want to target the biggest culprits then we need to look at homes, which account for nearer 25% of emissions, and power stations, the UK's largest coal-fired version of which wastes two-thirds of the energy it generates.

We've shown before how a few simple changes made in your home can save double the carbon emissions of a return flight to Egypt. In seeking to reduce our emissions we need to examine our entire lifestyles, not just our flying habits. The trouble is that it's sexier to write about planes than lagging your loft.

However, do not take this as my consent to keep on flying as we have done. In fact, I believe we are the first travel agency in the world to tell its customers to fly significantly less. This is because we recognise that aviation is the fastest growing cause of global warming. The amount of carbon dioxide emitted by air travel doubled between 1990 and 2004. This is totally incompatible with the need to reduce carbon emissions by 60% before 2050 (or nearer 70% by 2035 according to the latest research from the Tyndall Centre).

Still, I believe there are a number of critical points relevant to this debate that some environmentalists miss.

What happens if we all stop flying?

The UN World Tourism Organisation states that one in 10 jobs around the world is in tourism and that the industry is growing fastest in developing countries. Many of these countries lack any real alternative since their only real assets are their cultures and natural environments.

I'd argue that increased global unemployment and worsening poverty in many developing countries is not conducive to creating new lower-carbon technologies and lifestyles. People in poverty cannot afford to take decisions for the longer term. Businesses in recession cannot afford to invest in research and development and pay for switching to new lower carbon technologies.

What needs to happen?

We all need to fly a lot less. One way to do this would be to cut out the dramatic increase in short breaks on cheap flights. The only way that this will happen is if the price of flights rises considerably. We must only vote for parties that are prepared to make the tough choices required to make this happen.

We all need to holiday closer to home, and travel more often by train. When we do fly, we need to ensure that our holiday benefits local communities and reduces other environmental impacts - and we need to offset our emissions.

But we do not need to stop flying altogether. That would send us back to the dark ages with massive unemployment, business recession, and increased poverty.

Will people listen?

The problem with many advocates of sustainable development is that they fail to consider people's emotions when trying to persuade them to change their behaviour. Telling them they are evil, or that they must all stop flying immediately, really isn't going to stop families flying off on holiday next summer.

In fact, the carbon dioxide that we have already put into the atmosphere is going to cause us immense global problems and we'll need all the tolerance we can find to work globally to best manage these impacts. Perhaps the cultural understanding that 60 years of international travel has created can help in this.

No forests means no tourists

When I visit Ethiopia I'll be visiting local communities in the Bale Mountains National Park, where the German Development Bank has funded a tourism project to replace local income previously earned from illegal logging. And there lies the incentive for local people to halt the deforestation. If we all stop flying, many national parks around the world will lose their incomes, deforestation will increase and global warming will accelerate faster.

Will technology save us?

George Monbiot argues that there will not be a new fuel or technology to replace kerosene as airline fuel. Sir Richard Branson's scientific advisors obviously disagree as he is prepared to invest over £1bn into bio fuels research. While it's unwise to allow aviation to grow unchecked, I think it's equally unwise to assume that no new solution will be found.

Are people like me guilty of green washing?

We give people who have already decided to travel the choice of a more responsible holiday. We stress the benefits of responsible tourism to local communities without hiding the environmental consequences of flying. We believe that people should fly significantly less, but that it would be detrimental if we were to stop flying altogether. You make up your mind if that's green washing.

Rise of low-cost flights comes at high price
· Fastest growing source of carbon dioxide in UK
· Air transport growth puts climate target in doubt
John Vidal, environment editor
Friday 5 January 2007 15.14 GMT First published on Friday 5 January 2007 15.14 GMT

The government's aggressive language about the aviation industry's failure to get to grips with cutting pollution reflects growing frustration that its emissions are undermining Britain's strategy on climate change. Senior ministers are seeking to lead the international debate about global warming and convince the electorate that the environment is being taken seriously. But cheap flights, globalisation and the mounting cost of train travel have made aviation by far the fastest growing source of carbon dioxide in the UK.

Emissions from UK aviation have increased by nearly 70% since 1990 and rose by 11% in 2004 alone. While they amount to less than 3% of national carbon emissions, expected growth will nearly double this within 25 years.

In addition, aviation is the most highly polluting mode of transportation on earth, and its low share of total emissions hides the fact that the complex chemical reactions that take place when aviation fuel is burned at high altitude make emissions from aeroplanes nearly four times as damaging as those at ground level.

The government is in a double bind. While it is committed to cutting overall UK carbon dioxide emissions by 60% between 1990 and 2050, its own research states that this will be impossible if aviation is allowed to carry on expanding. The Tyndall Centre for Climate Change Research estimated last year that aviation emissions could account for up to half of the UK's total emissions target by 2050, cancelling out savings made by individuals and other industrial sectors.

The Department for Transport has also been found to have been underestimating UK aviation emissions by not including non-scheduled flights in its estimates, and by maintaining that half of all people flying out of the United Kingdom live abroad, when the real figure is nearer 30%.

While the government insists that aviation should pay for its environmental costs, it also knows that there is no prospect of any major technological breakthrough that will significantly reduce aircraft emissions. Gradual improvements to fuel and engine efficiency are the best that can be hoped for.

Friends of the Earth estimates that a 1.2% a year reduction in aviation emissions is possible, but this is nowhere near enough to counter the current growth in UK passengers of 6.4% a year. If Britons continue to fly as the Department for Transport forecasts, the number of passengers will increase from 228 million today to 465 million by 2030.

The aviation industry says that it is up to the government to ensure that domestic policy initiatives encourage greater investment in cleaner technology. In theory, the EU's carbon trading scheme may allow aviation giants to buy allocations of emissions from poorer nations. But as the Stern report on the economics of climate change made clear in the autumn, the international nature of aviation also makes the choice of carbon pricing instrument complex. Internationally coordinated taxes are difficult to implement, and International Civil Aviation Organisation rules prohibit the levying of fuel tax on fuel carried on international services.

Meanwhile, the government is under growing grassroots attack for allowing train ticket prices to rise sharply just when it should be trying to encourage people to switch from aviation, and for encouraging the growth of nearly all Britain's main airports. Last month the transport secretary, Douglas Alexander, announced that he would allow airports to keep growing, infuriating local communities who fear increased noise, traffic, pollution and stress. The government's insistence that cheap flights are democratising air travel has also been demolished by figures from the Civil Aviation Authority which show that the average income of UK leisure passengers at cheap flight hub Stansted is more than £50,000.


Tuesday, 15 October, 2002, 11:49 GMT 12:49 UK
The high price of low-cost airlines
               
By Jonathan Duffy
BBC News Online

Cheap flights could be about to get cheaper still, thanks to Easyjet's bargain deal for 120 new aeroplanes. But not everyone's happy - cut-price air travel is costing the Earth dear.

Booking a low-cost flight is seldom as cheap as the headline figure, with taxes, handling fees and surcharges. But there's one fee you won't find on your ticket - the cost to the planet.
Cheap air fares have broadened our travel horizons and spawned a trend for weekend breaks in exotic locations, but for the environment it is proving a nightmare.

Burn rate: Air travel produces more carbon dioxide per km travelled for each passenger than car travel
Passengers: Numbers passing through UK airports expected to double to 400m by 2030
Expansion: Plans are afoot to expand Britain's airports and maybe build new ones, but firm decisions have not yet been made
Source: Aviation and Global Climate Change report

Air travel is growing globally at about 5% a year and by 2030 the number of Britons flying is expected to more than double.

At the forefront of this revolution are the low-cost, no-frills carriers such as Ryanair, Easyjet and Buzz, which are growing at a phenomenal rate.

In June, Easyjet passenger numbers were up more than 50% on the same month last year. Ryanair increased by 34% and Go saw an incredible 72% rise.

The lesson learned from these airlines, especially post-11 September, is as clear as it is simple - the cheaper your fares, the more people will fly.

The result has been a price war which has sucked in flag carriers such as British Airways.

Now Easyjet is promising further price slashing, following its deal to buy 120 new planes. The company claims to have secured such a good deal, it will pass on cost-savings to passengers.

All of which is great news for holidaymakers, who account for almost three-quarters of air passengers.

 Easyjet plane
120 more in the pipeline
But if air travel is allowed to grow unchecked in this way, it will spell disaster for the planet, say environmentalists.

More flights mean bigger, busier airports, which in turn means more noise and growing problems with air quality for those who live and work close to airports.

But perhaps the biggest concern is the effect on global warming. Burning aviation fuel releases carbon dioxide (CO2) into the environment, causing the Earth to heat up.

Clouding the issue

And aircraft burn a lot - one return flight from the United Kingdom to Florida produces, per passenger, as much CO2 as a year's driving by the average British motorist, according to environmental campaign groups.

 Check-in
One thing is for sure - longer queues
Flying also releases nitrogen oxides and sulphur oxides, and even the vapour trails - contrails - left by planes are thought to be a hazard. It's been suggested that they add to the insulating effect of cirrus clouds on our climate.

The problem for environmentalists is that while efforts are being made to cut CO2 emissions from cars and industry, nothing is being done to rein in the airlines.

While travellers in the UK do pay an Airport Passenger Tax, there is no tax on aviation fuel, which allows airlines to be wasteful. Also, no VAT is charged on airline tickets.

Expectations raised

The situation is unsustainable, says Simon Bishop, who is about to publish a report on sustainable aviation.

 Stansted
Stansted is planning for 10m more passengers
"Lower prices have raised people's expectations - we now all want to fly abroad for a short break, and do so several times a year. But the government is doing nothing to inform people of the environmental impact of flying," says Mr Bishop, of the Institute of Public Policy Research.

The tax advantages mean that, in effect, the aviation industry is being subsidised to the tune of about £6bn a year in the UK, he says.

In 1992, 3.5% of global warming was attributed to flying, yet by 2050 the UN thinks this will rise to 7%. Optimists, including Easyjet, pin their hopes on technology to make planes more efficient.

Easyjet is developing an environmental policy "based on buying new aircraft".

 Petrol pump
You pay tax at the pump, but airlines don't
"This will mean our planes are more efficient, quieter and have less environmental impact," said a company spokeswoman.

But progress here is being outstripped by the growth in passenger demands, says Mr Bishop. The result is that air travel will undo much of the good work done by the Kyoto protocol to curb pollution elsewhere.

Easyjet also says rather than expanding the air travel market, it is attracting many passengers who would normally use other airlines. And it rejects the idea of a tax on aviation fuel, saying passengers are already pay through the airport tax.


But if the environmental lobby get their way, in future we could be taking a few more holidays at home. Skegness anyone?

Pedrógão Grande: "revoltados", familiares de vítimas criam associação

“O PÚBLICO tentou obter uma reacção do gabinete do primeiro-ministro, que começou por remeter para a assessoria de imprensa da ministra da Administração Interna — que, por sua vez, remeteu uma resposta para o Ministério da Saúde. Este garantiu ser "infundada a suspeita de um número de óbitos superior ao oficialmente divulgado".”


Pedrógão Grande: "revoltados", familiares de vítimas criam associação

Governo reitera que há 64 vítimas mortais e primeiro-ministro considera caso “esclarecido”. Famílias das vítimas constituem-se assistentes no processo judicial em curso e ponderam avançar com acção contra o Estado.

ALEXANDRA CAMPOS 22 de Julho de 2017, 23:11

Depois da dor inicial, agora é tempo de “revolta”. Familiares de vítimas do incêndio de Pedrógão Grande estão a dar os passos necessários para a constituição de uma associação, um movimento cívico que permitirá que acompanhem a par e passo as investigações em curso, que possam contribuir para o apuramento de responsabilidades e, de alguma forma, evitar que tragédias semelhantes aconteçam.

Uma das grandes dificuldades dos promotores da associação foi chegar à lista oficial das vítimas mortais. A lista não foi divulgada pelas autoridades, que se recusam fazê-lo alegando que o caso está “em segredo de justiça”, no âmbito do processo-crime que investiga as circunstâncias das operações de combate ao fogo e de resgate às vítimas. “Andamos a cruzar informações. Tivemos que ir às paróquias, passar a palavra de boca em boca”, conta Nádia Piazza, que perdeu o filho de cinco anos na tragédia e é uma das promotoras da futura Associação de Familiares de Vítimas do Incêndio de Pedrógão Grande, que já tem um grupo no Facebook.

Este sábado, porém, o Expresso publicou a lista das 64 vítimas e acrescentou mais um nome ao rol, o de uma viúva de 71 anos que vivia sozinha e foi atropelada a 17 de Junho perto de sua casa, quando tentava fugir das chamas.

Ao final da tarde, o primeiro-ministro, António Costa, disse acreditar que “já está tudo esclarecido” pela "Autoridade Nacional de Protecção Civil e pelo Ministério da Justiça”, depois de a vice-presidente do PSD, a coordenadora do Bloco de Esquerda e a líder do CDS- PP terem reclamado um esclarecimento do Governo. Tanto o Ministério da Administração Interna como a Autoridade Nacional de Protecção Civil reiteraram que são 64 as vítimas mortais, de acordo com os critérios estabelecidos.

Processo contra o Estado
“Houve um abandono completo, antes e durante” o incêndio, lamenta Nádia Piazza. Um mês depois, "após o trauma e a dor inicial, as pessoas estão muito revoltadas, mas querem transformar esta revolta em acção para honrar os que morreram”, sintetiza.

Depois de uma primeira reunião preparatória há uma semana, em que participaram cerca de “duas dezenas” de pessoas, um novo encontro "à porta fechada" está marcado para o final da tarde deste domingo. Desta vez, o número de participantes deverá ser maior: a mensagem tem estado a circular através das redes sociais e há cada vez mais pessoas a aderir, explica Nádia, que é jurista na Câmara Municipal de Figueiró dos Vinhos.

Mas é ainda necessário definir os estatutos e marcar uma assembleia-geral para a constituição da associação, o que deve acontecer "em meados de Agosto", acrescenta, pedindo a todos os familiares de vítimas mortais e de feridos que entrem em contacto com a associação. Os familiares querem ser também ouvidos pela comissão independente que está a investigar o caso até para ter a certeza que, deste processo, resultarão medidas concretas que impeçam uma repetição de uma tragédia deste tipo. “Vivemos num mar de eucaliptos, vivemos num barril de pólvora, precisamos de máscaras, de luvas", afirma.

Entretanto, três pessoas já se terão constituído como assistentes no âmbito do inquérito judicial em curso e, contactado por "pessoas ligadas aos familiares das vítimas", o advogado lisboeta Ricardo Sá Fernandes disponibilizou-se a dar o apoio jurídico necessário.

“Ninguém recusaria ajudar pessoas nesta situação”, justificou ao PÚBLICO o advogado, para quem há “indícios suficientes” para se avançar com uma acção de responsabilidade extracontratual do Estado por violação do dever de zelo, como se diz na gíria jurídica. “Houve uma descoordenação manifesta”, sustenta Ricardo Sá Fernandes, que lembra que esta acção não tem necessariamente que chegar aos tribunais. “Oxalá isso não seja necessário”, enfatiza.

Governo diz que mortos são 64
Na edição deste sábado, o Expresso incluiu na lista de vítimas mortais o caso da idosa e questionou a possibilidade de este rol ser ainda ser maior, explicando que apenas terão sido consideradas as vítimas directas da tragédia — ou seja, as pessoas que morreram devido às queimaduras ou por inalação de fumo. Foi a filha da idosa que descreveu as circunstâncias da morte da mãe: “Levava uma lanterna, o telemóvel e o dinheiro que tinha em casa e foi encontrada na estrada, com a cabeça e o braço partido."

Ao início da tarde, a vice-presidente do PSD, Teresa Morais, considerou que esta é "uma matéria de imensa gravidade que não pode estar sujeita a especulações de qualquer espécie", enquanto a líder do BE, Catarina Martins, defendia que “o país tem de conhecer exactamente a dimensão da tragédia”. "Existir um caso significa que há alguma coisa que não está bem feita", frisou.

O PÚBLICO tentou obter uma reacção do gabinete do primeiro-ministro, que começou por remeter para a assessoria de imprensa da ministra da Administração Interna — que, por sua vez, remeteu uma resposta para o Ministério da Saúde. Este garantiu ser "infundada a suspeita de um número de óbitos superior ao oficialmente divulgado".

"No Instituto de Medicina Legal foram realizadas autópsias a 64 cadáveres relacionados com o grande incêndio de Pedrógão. O delegado de Saúde do PIN [Pinhal Interior] informou que, após a noite de 17 para 18 [de Junho], não mais foi convocado para qualquer outra verificação de óbito relacionada com o incêndio", assegurou o Ministério da Saúde.

Ao final da tarde deste sábado, o Ministério da Administração Interna e a Autoridade Nacional de Protecção Civil (ANPC) reiteraram que 64 vítimas mortais é o número "validado e confirmado pelas autoridades competentes", nomeadamente pelo Instituto de Medicina Legal, com base "nos dados disponibilizados até ao momento".


"O número de vítimas mortais foi apurado com base nos critérios previamente definidos e que se prendem com cidadãos que morreram por queimaduras ou inalação de fumos decorrentes dos incêndios", precisou o Ministério da Administração Interna. "O Governo é o primeiro interessado em que tudo fique esclarecido e, por isso, aguarda as conclusões das diversas investigações em curso."

Italy feels the heat as EU shuts doors to migrants


Italy feels the heat as EU shuts doors to migrants

Angela Giuffrida
Ventimiglia is the new frontier of a humanitarian crisis
Sunday 23 July 2017 00.05 BST

On a hot afternoon in the northern Italian border town of Ventimiglia, a group of well-dressed French tourists is making its way towards air-conditioned buses that will take them back to their homes along the Côte d’Azur.

They’re returning from a day of shopping at Ventimiglia’s lively Friday market, a mecca on the town’s seafront for visitors flocking across the frontier to rummage through an irresistibly cheap selection of clothes, food and trinkets.

They pamper a pooch who also joined them for the trip, seemingly oblivious to the scene playing out a few footsteps away from the car park: hundreds of migrants, the majority from war-torn Sudan, camped out among bags of rubbish beneath an underpass along the banks of the Roia river.

They are part of a growing and increasingly desperate army of migrants who have risked the perils of the Mediterranean, heading north as they flee war and poverty in Africa and the Middle East in search of security in Europe.

Ventimiglia has been a perennial waiting room since 2011 for migrants hoping to cross the border – just like the market shoppers. The town is gearing up for the holiday season as well as anticipating a new increase in migrant arrivals as Italy grapples with a sudden summer surge on its southern shores.

Some of the estimated 300 people sleeping rough along the Roia had only landed in Sicily a few days earlier.

“Whenever there’s an increase in arrivals in the south we see an increase in the number of people here,” said Daniela Zitarosa, who works for Intersos, an Italian aid organisation. “The number sleeping outside fluctuates, but it is always very high.”

Much like the rest of Italy, Ventimiglia has been left alone to deal with a humanitarian crisis that is growing dramatically and that now threatens to undermine the fragile unity of the EU, which is appearing to ignore the problems faced by its members in the south.

There was a time when French police would judiciously patrol the border while on the prowl for shoppers unwittingly transporting counterfeit purchases from the market. But since early 2011, when the migration crisis began in earnest as the Arab spring turned north African societies upside down, they have made the passage impenetrable to those desperately trying to join relatives or seeking a better life in northern Europe.

The patrols were stepped up after 84 people were killed in a terror attack in Nice, the French Riviera city just 39km along the coast, last July.

It only takes a few minutes to crawl into France by train from Italy, with the railway track crossing above the migrant camp along the river beneath. But it’s enough time for officers to saunter through the packed carriages, handpicking anyone they think might be a migrant before escorting them off at the well-manicured seaside resort of Menton-Garavan, the first stop along a route that passes through the wealthy principality of Monaco before arriving in swanky Cannes, and sending them back to Italy.

Officers are just as diligent at the entrance of the tunnel pass and along the motorway that connects the two countries, as well as along the so-called “passage of death”, a mountain trail that was used by Italian Jews fleeing the dictator Benito Mussolini’s Fascist regime during the second world war. French police reportedly use drones and dogs to sniff out trespassers, many wearing just flip-flops, making the risky journey.

At least 12 migrants have died since last September while trying to slip across the border, either by being hit by vehicles along the motorway or falling to their death from the mountain path. Alfatehe Ahmed Bachire, a 17-year-old from Sudan, drowned in June while trying to retrieve a shoe washed away by a strong current as he tried to clean his only pair in the Roia river.


“We know that 12 people have died, but the number is probably higher, as there may be more who died in the mountains on the French side,” said Zitarosa.

Meanwhile, a man from Afghanistan attempted to kill himself earlier this year after being warned that if he attempted to cross the border again he would be sent back to his European starting point in Italy’s south as part of a containment initiative by the Ventimiglia authorities. Another migrant died after throwing himself into the path of a truck in what is believed to have been suicide.

All Enrico Ioculano, the mayor of Ventimiglia, can do as he laments the lack of solidarity from France and other EU states, is to contain the growing crisis in his town. The 32-year-old, from Italy’s ruling centre-left Democratic party, has endeavoured to manage the issue for the last five years. There have been several tense moments between the two countries: more than 100 people stormed police barriers at the border last August, clambering across rocks as they tried to reach Menton.

Often rebuked by their French counterparts for failing to stop the crossing attempts, Italian police used teargas on a group of around 400 people as they marched towards the border in June.

“There are always lots of words coming from France, from François Hollande before and now from Emmanuel Macron – we’ll see what he tries to do. But for now, there is a total lack of synergy in managing this situation,” said Ioculano.

The only gesture of kindness has come from Prince Albert of Monaco, who is funding an information point staffed by Red Cross volunteers, who also ferry migrants arriving at the train station by bus to a refugee “welcome centre” on the edges of the city. But pessimists might conclude that this is simply a ploy to keep migrants away from his wealthy city-state.

Some 450 people are currently living at the facility, also managed by the Red Cross. Those sleeping by the river, an area lacking any kind of sanitation, do so because they don’t want to be fingerprinted when registering at the centre, despite having already gone through the procedure upon landing in Italy under EU rules which stipulate that those applying for asylum must do so in their first country of arrival.


“They can leave the centre whenever they want, but they are very scared about giving their fingerprints, they don’t trust it,” said Zitarosa.

A further 70 women and children are looked after by Saint Anthony of Padua church, located over the road from the riverside camp.

People trying to help migrants have fallen victim to France’s no-nonsense patrols: French farmer Cédric Herrou was given a suspended €3,000 fine in February for helping migrants to cross the border and sheltering them in his home in the mountain hamlet of Breil-sur-Roya.

Ventimiglia is also taking a tougher stance: anyone caught giving food to migrants will be fined around €200 under a ban implemented by Ioculano last year. “I did this because it makes no sense if we have a Red Cross centre which provides food,” he said. “Nobody goes hungry. But I considered people giving food out on the street to be dangerous from a health and safety point of view.”

Down by the river, weary migrants while away the time in between border crossing attempts playing cards or sleeping. Some have tried to make the journey up to 20 times in one week, Zitarosa said.

Abdou Yahou, an 18-year-old from Sudan who arrived in Ventimiglia –dubbed Italy’s “mini-Calais” for being a migration bottleneck – a couple of weeks ago, fails to understand why a continent championing free movement won’t let him pass into France. Still, he’s happy to be safe.

“In my country there is war, at least in Europe there is liberty, maybe I will have that too one day,” he said. Alessandro Verona, a doctor with Intersos, visits the camp each day to check for illness and injury, the majority sustained from the crossing attempts or from trampling over broken glass. There are also many cases of bronchitis and occasional incidents of pneumonia.

But the most worrying symptom of the eternal wait is the mental anguish.

“For many, Libya was their passage through hell,” he said. “The stories I have heard from there are horrific. But now they look towards a passage that used to be a safe one for Italian Jews and all they can do is wait. They are stranded at a border between two of the founding fathers of the EU, both of which subscribe to the human rights’ convention.


“Ventimiglia is a contradiction about whatever we say in Europe about defending human rights.”

"Um dia, os turistas vêm a Alfama para se verem uns aos outros"

Imagens e afirmações do Dia./ OVOODOCORVO
"Considera que deveriam ser impostos limites?
Acho que sim. Para mim, o alojamento local é definitivamente o maior problema, porque tem de ser regulamentado. E, na minha opinião, deveria ser feito um estudo para que a maçã dourada que abrilhanta Lisboa não perca a sua validade. Porque, à velocidade que isto está a acontecer, desaparece. A minha gente é muito querida, simpática, a receber. Mas chega a haver uma certa exploração desse lado. Eu não gosto de sentir que as pessoas vêm para o meu bairro como se fossem para um safari. Há quem fotografe o interior das casas sem autorização, quem fotografe as próprias pessoas sem autorização. Isso é abusivo. As pessoas não são uma atração, andam na sua vida normal."
"Um dia, os turistas vêm a Alfama para se verem uns aos outros"
Raquel Tavares

"Um dia, os turistas vêm a Alfama para se verem uns aos outros"
Raquel Tavares é a entrevistada desta sexta-feira do Vozes ao Minuto. Numa conversa descontraída, a fadista fala-nos do seu bairro de Alfama, do “equívoco” em relação ao “triste fado” e do fenómeno Salvador Sobral.

 "Um dia, os turistas vêm a Alfama para se verem uns aos outros"
© Global Imagens

Notícias ao Minuto
21/07/17 POR GORETI PERA
CULTURA RAQUEL TAVARES

Foi a partir da casa onde mora, em Alfama, que Raquel Tavares falou com o Notícias ao Minuto. Fê-lo com uma gargalhada sempre presente e um orgulho pelo bairro que transparece a cada frase que profere. Tinha apenas seis anos quando cantou fado pela primeira vez e foi a fadistice que a levou aos bairros mais típicos de Lisboa.


O cenário que apresenta quando interpreta ‘O Meu Amor de Longe’ é o mesmo com que convive no dia-a-dia. Senta-se na mercearia à conversa com os vizinhos, tem um saco que lança pela janela para não ter de descer as escadas e passeia pelos miradouros. Quem é de Alfama, está habituado à sua figura, não de fadista, mas de moradora do bairro.

Aos 32 anos, Raquel Tavares lida com o sucesso daquele que é o seu primeiro hit – que assume não ser um fado, mas “uma canção cantada por uma fadista” – e levanta a voz quando lhe dizem que o fado é triste. Não resistiu à tentação de cantar parte de alguns temas para provar que “o fado tradicional tem coisas felicíssimas” e garantiu ter vivido a vitória de ‘Amar Pelos Dois’, de Salvador Sobral, na Eurovisão como se fosse sua.

Tinha apenas seis anos quando começou a cantar. Crescer em Alfama fez com que o fado se enraizasse na sua identidade?

Eu nasci no Alto do Pina [freguesia de Lisboa], mas, como comecei a cantar muito pequenina, ia com a minha mãe para as coletividades dos bairros, que organizavam as noites de fado: Alfama, Mouraria, Madragoa, Marvila. Cresci nesses bairros todos porque a fadistice era muita. Mas não fui, de todo, aculturada. E minha irmã ouvia Guns N' Roses, Prince, Rui Veloso, e na minha casa ouvia-se muito Roberto Carlos, Duran Duran, não se ouvia fado.

Isto aconteceu por mero acaso numa festa de escola, quando a professora achou que eu tinha perfil para cantar um fado. Foi a partir daí que comecei a ter interesse pelos fados e daí a minha relação com os bairros e especialmente com Alfama, onde moro há 11 anos, muito perto de uma coletividade onde cantava aos sete, oito, nove anos. Sou alfacinha de gema (o meu pai é da Mouraria, a minha mãe é do Bairro Alto) e tenho uma profunda paixão por esta cidade. As pessoas de Alfama são a minha família diária. Há muita tradição ainda, embora estejamos a passar por esta fase um bocadinho claustrofóbica no que toca ao turismo. É ótimo, obviamente, para a economia geral, mas…

Considera que desvirtua aquela que é a identidade de Alfama?

É isso. Diariamente, vejo vizinhos a irem embora, a saírem das suas casas porque o negócio do Airbnb está a ganhar uma força tremenda. O povo do bairro de Alfama está a sair daqui, porque os prédios são vendidos e os compradores decidem apostar no turismo.

O povo de Alfama está a sair do bairro porque não tem condições para pagar a renda quando os prédios são remodelados. Estamos a falar de uma taxa muito elevada e, dessa forma, o bairro perde toda a graça. Um dia os turistas vêm aqui para se verem uns aos outros a passear. Quem faz o bairro são as pessoas. Há lojas de artesanato muito bonitas e gastronomia gourmet, mas Alfama não vive sem os tascos e sem o fado tradicional, sem as vendedeiras, as mercearias e talhos, a roupa lavada estendida na janela e esta gente. Se obrigarem as pessoas a sair daqui, não sei até quando vamos manter o bairro de Alfama como sendo o mais tradicional de Lisboa. É uma dualidade, eu percebo que é muito bom para a economia, mas é demais.

O turismo é bom para a economia, mas o povo de Alfama está a sair do bairro. É preciso adaptar a cidade para receber as pessoas

Sente que há um aproveitamento por parte de comerciantes, donos de restaurantes ou tuk tuks, por exemplo?

Claramente. Mas só quem fosse tolo é que não o faria, as pessoas têm de ganhar a sua vida. Obviamente que tudo inflacionou, restauração, hotelaria. Tenho amigos com tuk tuks, mas confesso que já tive uma relação mais simpática com eles. Há alturas em que sair do meu bairro para chegar a algum lado é muito difícil. [risos] A cidade é pequena, a zona histórica é muito pequena e é habitada, ao contrário de outras grandes capitais da Europa. Os segways, por exemplo, são giríssimos mas a classe média-baixa não tem dinheiro para os usar, porque é muito caro. Os preços são inflacionados para o turismo. Não condeno quem o faz, mas lamento que muitas pessoas não tenham essa oportunidade, de dar uma voltinha aqui no bairro.

Considera que deveriam ser impostos limites?

Acho que sim. Para mim, o alojamento local é definitivamente o maior problema, porque tem de ser regulamentado. E, na minha opinião, deveria ser feito um estudo para que a maçã dourada que abrilhanta Lisboa não perca a sua validade. Porque, à velocidade que isto está a acontecer, desaparece. A minha gente é muito querida, simpática, a receber. Mas chega a haver uma certa exploração desse lado. Eu não gosto de sentir que as pessoas vêm para o meu bairro como se fossem para um safari. Há quem fotografe o interior das casas sem autorização, quem fotografe as próprias pessoas sem autorização. Isso é abusivo. As pessoas não são uma atração, andam na sua vida normal.

Às vezes olham para nós como os 'coitadinhos, que vivem nestas casinhas'. Isso incomoda-me e já me insurgi contra algumas pessoas. Há guias que contam a verdadeira história do bairro e há aqueles que ainda dizem que nós não temos casas de banho e que temos um balneário público. É verdade que existe, porque no início do século XX as casas não tinham casa de banho, mas estamos no século XXI e isso já não acontece. Vamos lá regrar a coisa.

Mas atenção, não tenho nada contra o turismo nem em que visitem o nosso bairro. Mas tudo tem a sua conta, peso e medida. É preciso adaptar a cidade para receber as pessoas. No Porto de Lisboa, às vezes temos quatro navios atracados e não tem noção das pessoas que saem daqueles navios. Às vezes, para subir a minha rua apanho trânsito a pé [risos]. É muita, muita gente.

O fado nunca foi só triste, isso é uma grande mentira e um perfeito disparate

A Raquel Tavares faz parte de uma nova vaga de fadistas que mudaram a forma como ouvimos fado. É a prova de que o fado não é triste?

O fado nunca foi só triste, isso é uma grande mentira e um perfeito disparate. Há fados do início do século XX que falam das tradições de Lisboa com muita graça. Cantar fado, para mim, é cantar a vida. As pessoas estão muito equivocadas em relação ao fado tradicional. Se eu lhe perguntar como é que é o samba, dir-me-á que é alegre. Eu mostro-lhe sambas aparentemente felicíssimos que são de uma tristeza profunda. O povo brasileiro canta a tristeza de uma forma feliz. Eu conheço bem o samba de raiz porque vivi no Brasil no meio de sambistas. Se há música triste neste mundo, é o samba. Pensarão que não sei o que estou a dizer, mas sei e dou nomes de samba de raiz: Cartola, Zeca Pagodinho, Beto Carvalho, Clara Nunes. Eu canto-lhe um fado tradicional feliz. O fado tradicional tem coisas felicíssimas: ‘A casa da Mariquinhas’, de Alfredo Marceneiro, não tem nada de infeliz, é uma história da casa da Mariquinhas.

Irrita-a que as pessoas digam que o fado é triste?

Não fico zangada, mas dá-me vontade de fazer um projeto e apresentar na escola aos miúdos, que é uma coisa que acho que devia ter acontecido quando a fado foi declarado Património Imaterial da Humanidade. Vamos lá falar da história moderna em Portugal. Isto passa tudo por um aculturamento. O fado está agregado à tristeza por conta da sua história, não necessariamente por conta da sua música. Eu vou à Holanda cantar fado e as pessoas tanto choram como riem às bandeiras despregadas, quer no fado tradicional que canto feliz e triste, quer nas cantigas que canto agora. Porque este disco [‘Raquel’, 2016] não é um disco de fados, tem alguns fados, mas é um disco de canções cantadas por uma fadista.

Eu nunca tinha tido um hit na vida, para mim é uma novidade. É maravilhoso
Como é que tem sido lidar com o sucesso de ‘Meu Amor de Longe’?

Eu nunca tinha tido um hit na vida, para mim é uma novidade. Quando digo nos concertos que vou cantar o ‘Meu Amor de Longe’, as pessoas gritam. Eu nunca tinha tido essa experiência, é maravilhoso. As pessoas abordam-me na rua com carinho, tenho ouvido histórias de pessoas que se identificam com aquela letra porque têm o seu amor longe. Gravei o videoclipe no meu bairro e não podia ter um cenário mais bonito. Há emigrantes que vêm a Alfama e fazem o percurso do videoclipe, depois encontram-me e perguntam-me se a parte do saco de laranjas é verdade. É verdade, eu tenho um saco em casa que mando para baixo para me porem alguma coisa e não ter de descer a escada. O lavadouro onde está a Maria Alice e a Olga a lavar os tapetes já não é tanto usado para lavar roupa, mas os tapetes sim. Aquilo é tudo verdade. As pessoas por quem passo e com quem falo são os meus vizinhos, não precisei de figuração. O miradouro onde termino é o Miradouro de Santa Luzia, vou lá imensas vezes.



‘Amor Maior’ é não só o nome de uma música de Paulo Gonzo com a Raquel Tavares como banda sonora de uma telenovela. Que papel tem a televisão na promoção dos artistas e da música?

Eu acho que, mais do que a televisão, as rádios tem um enorme poder. A promoção serve para dar imagem a quem ouvem na rádio. A televisão é um enorme veículo de promoção à pessoa, à imagem, ao reconhecimento do artista, mas quem eu acho que é o maior aliado da música é a rádio.

É certo que algumas músicas se tornam virais nas telenovelas, como é exemplo o ‘Loucos’, de Matias Damásio. As novelas tem essa capacidade, mas há um estudo grande por trás disso, aquelas músicas não foram postas ali à toa. Além disso, as músicas escolhidas para as novelas podem ter um lado positivo para o artista ou não. Às vezes, pode até nem ser tão bom assim, porque as pessoas associam a música à novela e não ao artista.

As novas plataformas de streaming revolucionaram a forma como ouvimos música. O artista ganha ou perde com plataformas como o Spotify ou o YouTube?

Essa é uma questão a que ainda não sei responder, porque ainda não consegui filtrar. Tenho o Spotify, obviamente, que dá um acesso à musica brilhante, mas eu, Raquel, sou a pessoa que compra discos quando gosta muito. Aliás, ao mesmo tempo que surgem todas essas plataformas, o vintage está a voltar, o que é delicioso. O ato de tirar o vinil da capa e de abrir o gira-discos faz parte da forma como se ouve a música. As plataformas não são boas para as editoras, que precisam de vender discos, mas são boas para os artistas serem divulgados. Não tenho uma opinião formada acerca disso.

Se é para ser figura pública, que seja por causas dignas, como o concerto pelas vítimas de Pedrógão Grande

Atuou há poucos dias no concerto pelas vítimas de Pedrógão Grande. O que é que sente quando a música é usada em causas tão nobres?

Sente-se que estamos a cumprir aquilo para que a música serve, que é unir pessoas. É uma linguagem universal. Foi das coisas mais bonitas que fiz na minha vida e fiquei muito grata por poder usar a minha arte para unir as pessoas. Eu detesto a definição de figura pública mas, se é para ser, que seja com utilidade cívica, para ter voz ativa em causas dignas e necessárias.

Como é que olha para o fenómeno Salvador Sobral?

Eu não conhecia o Salvador, já conhecia a Luísa, e vivi aquela vitória como se fosse minha. Música portuguesa, bonita, bem feita, com bom gosto e bem cantada, é o que me parece. Aquele menino tem isto tudo e aquela menina fez isto tudo. Eu até já cantei a música em concertos porque gosto dela, porque me apeteceu cantá-la.

É preciso reconhecimento internacional para que um artista seja reconhecido no seu país de origem?

Já não, já foi. Há 15 anos atrás era assim. Olho para a carreira de algumas amigas e colegas que tenho, como é o caso da Mariza ou da Ana Moura, que já disseram que precisaram de reconhecimento lá fora para serem reconhecidas em Portugal. Hoje em dia, isso já não é necessário. Eu não precisei de fazer absolutamente nada lá fora para ter as pessoas que gostam de mim. O fenómeno Salvador começa antes da vitória na Eurovisão, quando foi à eliminatória, por causa da controvérsia. A controvérsia é o melhor que pode acontecer. E a verdade é que quem falou mal teve de se calar.

A Eurovisão ganhou uma nova vida em Portugal pela controvérsia. A vitória foi a cereja no topo do bolo

O festival da Eurovisão ganhou uma nova vida em Portugal?

Pela primeira vez em Portugal, o país voltou a parar para ver a Eurovisão, como fazia quando eu era miúda. Há quantos anos isto não acontecia? E isto a propósito da controvérsia que o Salvador criou, porque ele era bom mas criava discórdia. E o bom ganhou, porque o que importa é a música, o seu intérprete e o autor, não é o espetáculo nem o fogo-de-artifício. O festival ganhou uma nova vida em Portugal pela controvérsia. A vitória foi a cereja no topo do bolo e uma chapada com luvas de pelica a quem acha que aquilo não é música representativa da canção portuguesa.

O Governo de António Costa restaurou o Ministério da Cultura. Como é que olha para o trabalho que tem sido feito pelo ministro Castro Mendes?

Eu tenho obviamente opinião política, obviamente que tenho religião e clube desportivo. Mas, sabendo eu a repercussão que estas coisas têm, prefiro nunca me pronunciar acerca de política, religião e futebol.

O que é que precisa de ser feito em Portugal a nível de promoção da Cultura?


Há uma coisa muito importante que eu aprendi no Brasil e que Portugal precisa de aprender um bocadinho: é ver o copo meio cheio. Seria muito injusto da minha parte dizer que não estamos a melhorar, porque nós estamos a melhorar no que diz respeito à Cultura, pelo menos à música. Eu sei que há outras áreas menos beneficiadas, mas eu não posso queixar-me. A música está a ganhar um lugar muito importante. Porém, enquanto artista e enquanto cidadã que desconta, acho que há medidas que precisam de ser tomadas para nos defendermos, para um dia termos uma reforma. A nível de condições de trabalho, há coisas que podiam ser um bocadinho melhores. Devemos olhar para os exemplos de Espanha e França, que têm um sindicato de artistas, e uma forma diferente de lidar com artistas. Gosto de acreditar num futuro breve melhor.
Cidadania Lx quer taxas nos copos de plástico para financiar limpeza urbana

21 DE JULHO DE 2017
07:48
Lusa


O Fórum Cidadania Lx pediu hoje ao Governo que estude a criação de uma taxa de utilização de copos, pratos e talheres de plástico, à semelhança do que acontece com os sacos, para financiar a limpeza urbana.

Para este movimento, tal taxa permitiria financiar o esforço público de limpeza urbana, reforçar a intensidade nos locais onde se regista grande produção e abandono de copos de plástico na via pública e aumentar a fiscalização e a reciclagem de plástico de forma a alcançar as metas da reciclagem para 2020 (50% em vez dos atuais 29%).

A taxa sobre os sacos de plástico "mostrou-se muito eficaz na redução do consumo, em Portugal e noutros países europeus (por exemplo na Irlanda passou-se de uma média de 328 sacos/pessoa/ano para apenas 14), pelo que a introdução da taxa sobre os copos de plástico permitiria contribuir para o fim, por exemplo, do 'espetáculo' diário de jardins e espaços públicos repletos com copos de plástico", considera o movimento.

"Com efeito, estes copos descartáveis de plástico, distribuídos a título gratuito pelas várias cervejeiras aos estabelecimentos comerciais, fazem multiplicar a quantidade de resíduos urbanos, pelo que uma taxa sobre os mesmos criará condições para o regresso aos copos de vidro de plástico mais duradouro e com depósito/desconto em devolução", acrescenta.

O Cidadania Lx dá como exemplo a Escócia e a Austrália, onde este sistema de taxas já é aplicado "com apreciável grau de sucesso" e diz que no reino Unido as autoridades também estão a analisar a possibilidade de o criar.

"A introdução desta taxa poderia ser acompanhada pela proibição, inclusive, da entrega destes copos em locais (espaço público) e junto a locais considerados sensíveis e facilmente sujeitos a excesso de carga, como sejam miradouros e quiosques", sugere o Cidadania Lx, sublinhando que a imposição ou discriminação positiva dos copos reutilizáveis já é uma realidade nos festivais de música.


Na semana passada, no parlamento, o ministro do Ambiente manifestou-se preocupado com o cumprimento das metas de reciclagem para 2020.