segunda-feira, 19 de fevereiro de 2018

Rapid fire rifle device on special offer in salute to Trump



Rapid fire rifle device on special offer in salute to Trump
‘Bump stock’ used by Las Vegas shooter in promotional tie in with presidential campaign slogan

Lois Beckett
@loisbeckett Sun 18 Feb 2018 23.07 GMT Last modified on Sun 18 Feb 2018 23.09 GMT

There’s a Presidents’ Day sale on bump stocks, the device the Las Vegas shooter put on his rifles. Slide Fire Solutions, a bump stocks manufacturer, is offering 10% off with coupon code: MAGA.

That’s a salute to the campaign slogan of President Donald Trump, who promised to “Make America Great Again”, and who has responded to the deadly massacres in the past five months by continuing to oppose any new gun control laws.

“#HeresToFreedom,” the company wrote in a marketing email announcing the sale.

Before the Las Vegas shooting, which left 58 people dead and hundreds injured, bump stocks were an obscure range device popular with firearms enthusiasts.

The accessory makes semi-automatic rifles fire faster, mimicking the rapid fire of fully automatic weapons. Firearms experts say they have no self-defence value, since they make guns very hard to fire accurately.

After the Las Vegas shooting, the National Rifle Association and Trump’s White House expressed some openness to further restricting, if not banning, a dangerous device used in the worst mass shooting in recent US history. Despite early signs of bipartisan support for a bump stock ban in Congress, the effort fizzled out. A handful of states and cities, including Massachusetts and New Jersey, have passed local bump stock bans.

The White House did not immediately respond to a request for comment on Slide Fire’s choice to use the president’s campaign slogan as a marketing tactic. It did not comment on whether the White House now supports or opposes further restrictions on bump stocks.

A few days after the shooting, White House press secretary Sarah Huckabee Sanders said the president was “open” to a conversation about what to do about bump stocks and similar devices. “We would like to see a clear understanding of the facts.”

Slide Fire did not immediately respond to an email and a phone call seeking comment on what message it was trying to convey by using President Trump’s slogan as a marketing device. The small company, based in Moran, Texas, touts its American-made products.


If the company had been forced to close after the outrage following the Las Vegas shooting, “It would hurt the whole town, the school. We pay a very large amount of property taxes,” Slide Fire founder Jeremiah Cottle, an Air Force veteran, told the Dallas Morning News in early October. The newspaper reported that the bump stock manufacturer had once employed about a 10th of the town’s entire population, and that it remained one of the area’s largest employers.

German Politics Enters Era of Instability


German Politics Enters Era of Instability

Germany's big-tent parties have ensured political stability for decades. But they are rapidly losing power and influence. The Social Democrats are witnessing an open rebellion against party leadership while many conservatives are beginning to doubt Merkel's abilities. By DER SPIEGEL Staff

February 16, 2018  06:34 PM

Early Tuesday afternoon, a small group met for a closed-door meeting at the headquarters of Germany's Social Democratic Party (SPD) in Berlin. The meeting was supposed to be about a formality, but it was in fact about the very future of the party.

Martin Schulz, still the center-left party's chair at the time, was present, as were six of his deputies, the general secretary, the treasurers, Lower Saxony Governor Stephan Weil and, of course, Andrea Nahles, the party's parliamentary whip. The group wanted to commence the previously announced change in party leadership -- former chancellor candidate Schulz was to step down, with Nahles taking over as the provisional head of the SPD until her planned installation as chair at an upcoming party conference. The hope was to restore calm in the party.

But it didn't work. Resistance cropped up everywhere. SPD lawyers argued that it wasn't legal for Nahles to serve as the party's interim head. Emails from furious party members began flooding into SPD headquarters. On social media, members of the party began cursing the stubborn party establishment. And three state chapters opposed the plan outright.

It set off a wave of the kind seen often recently, an insurgency from below against those at the top, the party grassroots against its leadership.

As a result, the group gathered at SPD headquarters was troubled. But Olaf Scholz, the mayor of Hamburg and an influential SPD functionary, wanted to push the plan through nonetheless. Scholz does not like to go on the defensive and he believed that giving in to the protestations coming from below would be a sign of weakness. Party leaders, he said, needed to exert leadership. They couldn't allow their actions to be dictated by the party base.

Power Struggle

Nahles agreed. The pair was concerned that withdrawing their plan would merely encourage critics to take further action. It was, in other words, the birth of a power struggle between the SPD's party base and its leadership.

But there was plenty of opposition within the party's national executive committee as well. And ultimately, Nahles and Scholz backed down, proposing instead to make Scholz the provisional head the SPD first before later handing the reins to Nahles. The executive committee supported the move and Nahles was left to spin the solution to the media as proof that the party was leaving its strife behind.

In actuality, though, it was a defeat for Nahles. Yet again, she was caught entirely by surprise by the sentiment in a party that she believes to know so well.

The fact is that the party's grassroots are angry, and their fury is no longer exclusively focused on plans to join Chancellor Angela Merkel's conservatives in yet another grand coalition. The upcoming party vote on that coalition agreement is in the process of transforming into a vote on the SPD's leadership and political culture. Party leaders in Berlin are at risk of losing control -- as though their link with the party base has been broken.

Western Democracies in Crisis

And this phenomenon is by no means exclusive to the SPD. The conservative Christian Democrats are also seeing the authority of their once all-powerful chancellor being eroded, with discontent and the urge for change growing in the party base.

Germany finds itself oscillating between a longing for stability and the desire for upheaval. Surveys show that support for both the CDU and the SPD has plunged, to the point that, were elections held today, it isn't even certain that a grand coalition would have a majority.

Support for the SPD and the conservatives is falling.
DER SPIEGEL
Support for the SPD and the conservatives is falling.

Suddenly, upheaval is everywhere. Within the SPD, everyone seems to be fighting with everyone else, with a large number taking aim at acting Foreign Minister Sigmar Gabriel. Above all, the party base is in open revolt against the leadership. Within the Christian Democrats, meanwhile, Chancellor Merkel's authority is melting away. The Merkel era is drawing to a close and the upheavals caused by her efforts to modernize her party are now breaking into the open.

The country is slipping into a crisis and Germany, the bastion of stability in Europe, is becoming politically unstable. And every month the country continues to be run by a provisional government is another month that Germany doesn't have a voice in Europe or the world.

This is by no means purely a domestic development. The party system is currently being turn upside down across Western democracies. Owing to Germany's prosperity and the sedative power of its chancellor, it long appeared that Merkel had been spared by the international development. But the torturous wrangling to create a new government has now dashed that hope.

In France, the two parties that once dominated the country now hold only just over a quarter of the seats in the national parliament. In Italy, the Five Star Movement, which doesn't seem to stand for much other than the desire for change and its loathing of the status quo and is led by a former TV comedian, appears to have strong chances of winning the election there in March.

A Radical Loss of Support

In Germany, the old establishment parties are also struggling to maintain political stability. Combined support for the SPD and the conservatives has dropped from over 90 percent at the beginning of the 1970s to just 49 percent today. Their decline, which had previously been a slow and creeping process, has rapidly accelerated in recent months.

The party system in Germany is splintering, with seven parties now represented in national parliament. When it is no longer possible to form governments with two or three parties, it will necessarily become increasingly difficult to build stable governments. Italy already provides an example of what that can mean. The country is constantly swapping out its prime minister and holding snap elections. Italy has had almost 30 prime ministers and a total of 61 cabinets since 1946. In the same period, Germany has been governed by eight chancellors.

At this point, the crisis has become an existential one for the SPD. Even if the party becomes part of the next government, that won't guarantee that the bleeding will stop -- that much has been demonstrated by developments in other European countries. The party leadership has lost its authority and many state chapters are in chaos -- including the party's most important chapter in North Rhine-Westphalia.

Party discipline is also waning, with SPD parliamentarians increasingly defying leadership. The youth wing of the Social Democrats, the Jusos, have even been making headlines in the international press with their open rebellion against the party's plan to join Merkel's government. And three obscure local politicians have announced that they will fight against Nahles' installation as party boss.

Manuela Schwesig, the party's deputy chair, has described the situation as "days of chaos." A member of the national executive committed said: "It's a nightmare."

Within the Christian Democrats, the process began later and has been less radical. Nevertheless, with the end of Merkel's calming dominance in the party, the battle over the CDU's future direction is growing ever louder. The sense is palpable all across the party that it is facing questions about its own future. Feb. 7, 2018, the day that the Christian Democrats and the Social Democrats reached an agreement to go into government together again, could prove to be a historical turning point, as the "end of the CDU as a big-tent party," warns Carsten Linnemann, the head of the party's wing representing the powerful lobby of small- to mid-sized businesses.

That goes a long way toward explaining the intensity with which the debate is currently being carried out within the CDU. When a politician like Paul Ziemiak, the head of the party's youth wing, calls for the party's renewal, it generally has to do with the divvying up of political appointments. Really, though, it's the question of whether the CDU can maintain its status as a big-tent party.

Massive Distrust

The SPD, meanwhile, has become a cautionary tale. "There is now considerable distrust by society against the people at the top," says CDU deputy head Ralf Stegner. "Ongoing social transformations are being mirrored within the major national parties," he warns. "That's why we need a new sensitivity and we need to find the right balance between asserting leadership and more seriously taking the party base into consideration."

The distrust and displeasure toward the parties' leadership is massive. The worst, argues Edgar Franke, a member of parliament with the conservative wing of the SPD, are all the canned statements coming out of party headquarters. "The people want politicians with rough edges and flaws. They don't want robots." Meanwhile, former Munich Mayor Christian Ude asks, "Does the SPD executive really want to test its members' threshold for pain?"

The party base is retaliating against the hermetic leadership style at the top of the party and against the backroom deals. Party members want transparency and a voice. The membership in the two parties is also more diverse than it was in the past. Among the tens of thousands of new members the SPD registered in the last 12 months, there are many, many young people who want to see a totally different political culture emerge. They grew up in in a world in which the new media sparks new voices within a matter of hours and in which authorities have been weakened because fewer people are listening to them.

It's no longer an issue of political discontent. On the contrary, voter turnout is increasing again and people are taking an interest in politics in Germany. The problem is that trust in the parties is shrinking.

Under the German constitution, the political parties are there to help form political policies that express the will of the people. That's their job, but it's obvious that fewer and fewer people have the impression that they are fulfilling that mandate.

Identity Loss

Members of both the Social Democrats and the Christian Democrats are deeply unnerved. The long journey to the political center made by both parties has robbed them of their respective leftist and conservative identities. They lack unique traits, differences in political views and reasons to debate each other. Many members now want to finally get back to a point where they actually know what it is their party stands for. They long for clarity and determination.

The leaders of these parties in Berlin are sapped and exhausted. Many members are craving a reboot. The parties are on the cusp of a generational shift, with the departure of older politicians. The problem is that the people who are now slated to take over the parties don't necessarily embody that fresh start. Andrea Nahles, although 16 years younger than Merkel, has been politically active for just as long as the chancellor. At the time Merkel joined the Democratic Awakening party in then-East Germany in 1989, Nahles was founding a local chapter of the SPD in Weiler, the village where she grew up.

Discord is driving a wedge through both parties. For the SPD, regardless how the members vote on the resolution on whether to join a grand coalition, it will be a nearly impossible task to reconcile the opponents and proponents of governing with Merkel. And within the Christian Democrats, the conservatives who have aligned with rising party star Jens Spahn and the party modernizers surrounding Merkel are drifting ever further apart.

Part 2: Merkel Tries to Plug the Dike
February 16, 2018  06:34 PM

On Valentine's Day, Angela Merkel found herself at the indoor tennis courts in the town of Demmin in northern Germany, standing between a brass band and a sign advertising construction material recycling. She wasn't there to celebrate romance, however. It was, after all, Ash Wednesday, the first day of Lent and the day on which Germany's political parties traditionally gather to say the kinds of things that normally get edited out of their more sober political speeches.

Merkel, though, had brought along a poem:

"It isn't the time to bash your head through the wall, rather it's the time to keep cool heads for all."

If it was up to the chancellor, in other words, the CDU would merely continue to stay the course.

But it's not just up to the party's chairperson, particularly after Merkel, according to the widespread interpretation within the CDU, rolled over and played dead in the just-finished coalition negotiations with the SPD. Despite having received the most votes in the election last September, the CDU will not get any of the four most important cabinet portfolios: the Labor Ministry, the Foreign Ministry, the Interior Ministry and the Finance Ministry. And when Merkel said on Wednesday, "Many have complained that we will no longer have control of the Finance Ministry," audible groaning filled the room. "Yes!" said a delegate from the state of Mecklenburg-Western Pomerania. And she was echoed by those seated at her table: "Yes, yes, yes!" Soon other tables joined the chorus and before long, delegates throughout the room were saying "yes, yes, yes!"

Merkel ignored it. But the grumbling continued even after she had changed the subject to talk about the war in Syria.

'Back to What We Actually Are'

"That wasn't what I had expected," says Johannes Golz, the 19-year-old head of the CDU's youth chapter on the Baltic Sea island of Usedom, after the chancellor's speech had ended. "Merkel is stripping away our conservative profile." He says that during door-to-door campaigning ahead of last fall's election, he found himself unable to explain what his party stood for, particularly on issues like refugee policy and gay marriage.

The CDU, Golz believes, can only be saved by undergoing a significant renewal. "Young people must finally be given an opportunity so that we can find our way back to what we really are."

Merkel was aware of the mood among the party base even before her appearance in Demmin. She knew that the distribution of ministries, negotiated on the final night of coalition talks with the SPD and the Christian Social Union (CSU), the CDU's Bavarian sister party, would not be popular. But she was surprised by the intensity of the anger.

Old Merkel antagonists now believe that the time has come to settle scores from several years ago. Roland Koch, the former governor of Hesse whose rise to national influence was slowed and ultimately stopped by Merkel, complained recently that the CDU showed that it would accept anything just to form a government. Friedrich Merz, another erstwhile CDU up-and-comer whose political career was shortened by Merkel, said the party had been humiliated. Volker Rühe, German defense minister for six years under former Chancellor Helmut Kohl, complained that the CDU's negotiating strategy was disastrous.

The fact that those three would rejoin the public debate after having remained silent for so long shows just how precarious they believe Merkel's current position to be. More dangerous for Merkel, however, is the fact that many active politicians on both the federal and state level have added their voices to the chorus.

It's a discussion that began with the refugee crisis and has refused to die down, in part because of the rise of the right-wing populist Alternative for Germany (AfD) party to the right of the CDU. And there are two sides to the debate. Merkel is convinced that the party must continue down the path of modernization that she embarked on so as to make it attractive to as broad a swath of voters as possible. She is opposed to polarization because she is convinced it isn't beneficial to the CDU.

A Wave of Outrage

On the other side, though, is a strong faction within the party that would like to see less consensus and more conflict in the political debate. They believe the AfD managed to secure seats in German parliament in part because the CDU no longer has anything to offer its core voters on the conservative wing.

One of the most prominent adherents to this point of view is Jens Spahn, 37, and Merkel would like to prevent him from gaining traction. Now that it has come time to begin divvying up positions in the next government, the chancellor would like to prevent him from landing in a post from which he can lob criticism at her. It's not likely, in other words, that Merkel will hand him a cabinet portfolio.

But the question has now become whether Merkel can afford to skip over Spahn. After the coalition negotiations with the SPD had concluded, a list of potential CDU cabinet appointees, apparently from the Chancellery, began circulating -- and the omission of Spahn's name on the list triggered a wave of outrage within the party. It has become clear that any Merkel attempt to promote other prominent CDU conservatives to the cabinet, such as Rhineland-Palatinate CDU leader Julia Klöckner, won't be sufficient. Spahn has become symbolic of the conflict within Germany's conservatives.

"Jens Spahn is a name that binds important constituencies to the CDU," says Volker Bouffier, the current governor of Hesse and a supporter of Merkel. He too thinks Merkel would be well advised to include her adversaries in the next government. And Spahn even seemed to have provided the chancellor some guidance on where he might fit in. In his own Ash Wednesday speech, delivered in far-away Fellbach on the outskirts of Stuttgart, Spahn spoke passionately and at length about schools and education.

Still, it seems unlikely that Merkel will be able to quiet the grumbling within the CDU with just a couple of political appointments. Her authority has eroded far beyond that. "We have to realize that some people don't feel represented," says Thomas Strobl, head of the CDU state chapter in Baden-Württemberg. "That is evidenced by the rise of the AfD." The CDU, he says, needs a new platform "to clearly define our positions and the direction in which we want to go." Normally, such debates are irrelevant for day-to-day political operations. But for the CDU, they could be decisive in determining how long it remains a big-tent party.

The SPD has survived numerous crises, but this time, the recipes usually used to get things back under control aren't working. The accusation that SPD leaders determine their party's future in smoky backrooms likewise isn't new. But instead of quiet frustration, which has been the traditional response, open rebellion has broken out this time around. The political behavior displayed by party leaders, says Keven Kühnert, head of the party's youth wing, "is appalling."

'Clumsy Behavior'

SPD leaders have nobody to blame but themselves: The policy reversals of the past few months have come back to haunt them. First, SPD leadership insisted the party would never join another coalition with Merkel, a position reiterated after the chancellor's first attempt to form a government failed -- only to reverse course and agree to form another coalition with Merkel. That has caused trust in senior party officials to evaporate. Worse than that, however, is the fact that their primary concern ultimately seemed to be what post they would get once the government was constituted.

"When I try to explain the results of the coalition negotiations, which are very good, fewer and fewer people listen because the debate over appointments overshadows everything," says Bernd Westphal, the SPD fraction's economic spokesman in the German parliament. "Party leaders have demanded that the personnel debate come to an end, but they keep retriggering it with their own clumsy behavior."

Such as the announcement that Andrea Nahles would be taking over from Martin Schulz as party chair. The news arrived just as SPD negotiators were gathering a week ago Wednesday to grant their final approval of the coalition agreement negotiated with the CDU and CSU: Nahles was to become party leader, the message on their mobile phones read, and Schulz would take over the Foreign Ministry. Most of the SPD negotiators present were "stunned," says one of those present. Very few knew the announcement was coming.

"What the heck?" deputy SPD leader Ralf Stegner said to the other negotiators. "That's going to be a problem."

The announcement made it clear that Nahles and Schulz had been talking about a leadership reshuffle since the party conference in Bonn on Jan. 21. Publicly, Schulz, Scholz and Nahles had been insisting for weeks that political positions would only be divvied up at the very end of the process. In truth, though, a small handful of senior SPD leaders had long since been discussing exactly that. Only at the very end of the coalition negotiations were a few other SPD leaders notified of the secret leadership discussions.

Only very few realized that the personnel change might become a problem. SPD General Secretary Lars Klingbeil warned Schulz to be careful, saying that if he joined Merkel's cabinet, his credibility might take a hit. Schulz, after all, had pledged that he would never become a part of a Merkel-led government.

But by then, the decision had become more or less public. And in the SPD executive committee meeting a short time later, there was no resistance to speak of. Everyone was completely exhausted from the overnight negotiations and suffering from sleep deprivation. Many had also fallen ill. At this point, Nahles and Schulz hadn't yet realized the hornets' nest they had kicked. Nahles also threw her support behind Schulz publicly, saying he would become foreign minister "because that is what he represents in our party with heart and soul."

It didn't take long, though, for the first insurrection to appear. In many state chapters, led by North Rhine-Westphalia, Schulz's plans triggered anger and indignation and the mood was even worse in regional chapters. Irritation was likewise widespread within the party's parliamentary group in Berlin. Thousands of emails began pouring into SPD headquarters.

Adamently Opposed

It soon became clear that the debate threatened to overshadow the upcoming vote among all SPD members as to whether to approve the coalition deal. As a result, just 48 hours after the announcement, Nahles and Schulz agreed in a telephone conversation that Schulz would not take a cabinet position after all.

Despite the anger, nobody really harbors any doubts that Nahles has the ability to lead the SPD. But she soon found herself faced with the next controversy. Would SPD members learn prior to the coalition approval vote who party leadership intended to appoint to cabinet positions?

Nahles and the entire SPD leadership committee are adamantly opposed to making the names of potential cabinet ministers public before the party base votes on the coalition deal. They argue that doing so would distract voters from the details of the deal and once again put personnel questions in the foreground.

In fact, though, Nahles and Scholz are likely interested in avoiding a discussion over the most delicate question of all: What to do with Sigmar Gabriel? Neither want him to remain German foreign minister, a position he has leveraged into his current status as the most popular SPD politician in the country. Many normal SPD members, though, are happy with the job he has done and want him to stay in the position, as do many Social Democratic parliamentarians.

"He has proven that he can do it," says parliamentarian Bernd Westphal. "I would like to see Sigmar Gabriel continue as foreign minister." Furthermore, Westphal says, he has years of experience in the cabinet. "We shouldn't dispense with someone like that."

The End of the SPD as a Big Tent Party

If designated SPD head Nahles continues to remain silent on the issue, it will begin to look like she has learned nothing. As though she still hasn't understood that the party would like a different style of leadership and that members are tired of being informed of decisions after they have already been made.

It seems likely that pressure on the party leadership will continue to increase -- to the point that they might have to buckle yet again. For Nahles, that would represent yet another loss of authority. "It would be the worst thing that could happen to us," says a member of the leadership committee.

The fate of the republic, it would seem, is now dependent on the results of a vote among the 463,000 SPD members. It is possible that the party will manage to get its act together. After all, with public opinion polls indicating that support for the party has fallen to a paltry 16 percent, new elections could end in disaster. It would mark their end as a big-tent party.

But even if the coalition with Merkel's conservatives does come about, Germany's political party system will not return to the certainties that once defined it. And that means that the country is entering a phase of uncertainty.

The stability of the country's big-tent parties was a guarantee of a stable political landscape. Their ability to integrate a wide variety of political opinions prevented the radical fringes from growing too strong. That reality, though, has now come to an end. Cool heads, to borrow Merkel's plea in Demmin, are few and far between.


By Nicola Abé, Christiane Hoffmann, Veit Medick, Ralf Neukirch and Christoph Schult

sábado, 17 de fevereiro de 2018

Há "verdadeiros hotéis" registados como alojamento local / O “verdadeiro alojamento local” é quando o dono da casa lá vive — “e isso deve ser protegido”


Amsterdão impõe novas e radicais restricões à AIRBNB, BOOKING e similares.
O periodo de ocupação máxima ao ano de 60 dias vai passar para 30 dias ao ano, a partir de 1 de Janeiro de 2019.
Com a afirmação, “Quem impõe as regras aqui somos nós, os Vereadores da Autoridade Municipal e não as Empresas” o Vereador Laurens Ivens, anunciou a medida que pretende reduzir a actividade, no periodo máximo de 30 dias ao ano, exclusivamente ao aluguer de quartos por proprietários que resídam nas habitações e contrariar os gigantescos negócios desenvolvidos por investidores que compram prédios inteiros para esse fim, ou residentes não habituais que compram propriedades que não habitam, e que colocam no Alojamento Local.
OVOODOCORVO

Há "verdadeiros hotéis" registados como alojamento local

Vereador do Urbanismo da Câmara de Lisboa propõe tirar alojamento local de prédios com menos de 2/3 deste tipo de actividade.

LUSA e PÚBLICO 16 de Fevereiro de 2018, 18:20

O vereador do Urbanismo da Câmara de Lisboa disse esta sexta-feira que existem estabelecimentos designados de alojamento local, com licenças de habitação, mas que são "verdadeiros hotéis", adiantando que tal acontece "até nas barbas da Câmara, na Praça do Município".

"Esta história do alojamento local é perfeitamente perversa tal como ela está, inclusive espaços de alojamento local que são verdadeiros hotéis", afirmou o vereador Manuel Salgado, no âmbito do Seminário sobre Reabilitação Urbana, Habitação e Turismo, organizado pelo Instituto de Ciências Jurídico-Políticas da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa.

A Câmara de Lisboa "ainda não tem uma posição formal" sobre a questão do alojamento local, indicou o autarca, assumindo, assim, a exclusiva responsabilidade pelas ideias transmitidas no seminário.

"Não me parece admissível que não se exija a clarificação do alojamento turístico. De uma vez por todas, meter no mesmo saco habitação e alojamento local é fortemente pernicioso para a cidade", declarou o vereador do Urbanismo, referindo que é importante distinguir o que é habitação do que é alojamento turístico, em termos de licenciamento.

A mesma ideia foi defendida há poucos dias pela vereadora da Habitação do município, Paula Marques, em entrevista ao PÚBLICO.

No seminário, Manuel Salgado defendeu que a plataforma de registo do alojamento local "deve ser gerida pelos municípios e não, como hoje, pela administração central", propondo ainda que essa plataforma integre todos os estabelecimentos de acomodação turística, nomeadamente hotéis, apartamentos e alojamento local. "Se a plataforma de registo, que é dinâmica, for do conhecimento municipal e for gerida pelo município, em determinadas zonas, à medida que sai um registo ou se permite que seja substituído ou não se permite", avançou Manuel Salgado, argumentando que para se poder gerir este processo é preciso conhecer a sua dinâmica.

Sobre como se poderá resolver os conflitos gerados pela actual concentração do alojamento local em determinadas zonas de Lisboa, sobretudo no centro histórico, o vereador do Urbanismo sugeriu que "num edifício em que, por exemplo, 2/3 já estão ocupados por alojamento local é preferível que seja todo para alojamento local", permitindo que haja uma substituição das fracções ocupadas por habitação.

Já num edifício em que menos de 2/3 estão ocupados por alojamento local, "procurar que efectivamente saia a actividade turística" e que as frações sejam reocupadas como uso de habitação, acrescentou o autarca.

Neste âmbito, Manuel Salgado defendeu também a criação de um mecanismo que não permita a instalação de alojamento local quando o prédio já está todo ocupado como habitação. "Devia estar definido na lei que os municípios podem fixar quotas por zonas", indicou o vereador.

Para o autarca, os municípios deviam "controlar o conjunto da oferta de alojamento turístico em todas as suas vertentes" para "numas zonas tentar reduzir, noutras zonas estabilizar e noutras até, se calhar, dar incentivos".

Manuel Salgado destacou como primeiro objectivo "defender o direito à habitação", considerando que "não é a mesma coisa que instalem um hotel num edifício que era de escritórios ou que despejem moradores de um edifício de habitação para fazer um hotel ou um alojamento local".

Das várias experiências de cidades europeias na regulamentação do alojamento turístico, o vereador do Urbanismo classificou como "mais interessante" a de Barcelona, explicando que "fixa distâncias mínimas entre hotéis, fixa regras de instalação de hotéis em função da largura das ruas para ter em conta o acesso de autocarros turísticos e fixa características especificas para as zonas históricas".

"Há um conjunto de regras que deviam constar de regulamento municipal não no Plano Director Municipal (PDM)", concluiu o autarca de Lisboa, referindo ainda que tem haver "um ajustamento no PDM para permitir recuar na questão da legalização do alojamento turístico".

Em Julho de 2015, quando o tema do turismo em Lisboa não tinha ainda o destaque que veio a adquirir mais tarde, Manuel Salgado reconheceu que havia "concentração excessiva" de alojamentos turísticos em algumas zonas. Desde então, a autarquia emitiu 33 licenças para novos hotéis.


O “verdadeiro alojamento local” é quando o dono da casa lá vive — “e isso deve ser protegido”

Paula Marques, vereadora da Habitação de Lisboa, defende uma acção coordenada em quatro áreas para garantir casas acessíveis a todos. Abre esta semana o concurso de atribuição de 100 fogos no centro histórico.

 João Pedro Pincha
JOÃO PEDRO PINCHA 14 de Fevereiro de 2018, 8:44

Agora que o Governo e o Parlamento se preparam para legislar em matéria de habitação, a vereadora com este pelouro na Câmara Municipal de Lisboa defende que é preciso mexer simultaneamente em quatro campos: lei das rendas, alojamento local, habitação pública e política fiscal. “Se não tivermos a conjugação destes quatro factores, que têm pesos diferentes, não conseguiremos responder cabalmente àquilo que se nos depara”, avisa Paula Marques.

Em entrevista ao PÚBLICO, a autarca diz, por exemplo, que “é preciso perceber claramente que o alojamento local não é habitação” e que, por isso, não pode ser tratado como tal, nem sequer fiscalmente. “O verdadeiro alojamento local (AL), como complemento de subsistência de uma família, é feito na sua casa. Não há alteração de uso: vives na tua casa, fazes AL em um ou dois quartos. Sendo a tua residência permanente, fazes partilha de alojamento e aí não tens a questão de definir se é habitação ou não porque o uso primário da casa é habitação.”

Para Paula Marques, “isso é uma coisa e deve ser protegido”. Outra coisa é “a compra de edifícios inteiros ou de um apartamento cujo destino primário não é habitação, é AL” – e nesses casos “deve-se fazer uma diferenciação”.

A vereadora defende que as câmaras municipais devem ter o poder de estabelecer quotas de alojamento local consoante os bairros, algo que não acontece actualmente e é olhado com desconfiança pelos empresários do sector. “São opções que têm de se tomar”, afirma Paula Marques. “Quando nós temos em conflito uma questão tão premente e tão pungente como o direito à habitação e a alteração profunda do tecido social das nossas cidades em função desse fenómeno”, diz, “não faz sentido que os municípios não possam determinar, em cada momento, a bem do reequilíbrio, ‘aqui nem mais um’ ou, pelo contrário, ‘nesta zona agora há espaço’”.

Mas as mudanças na legislação sobre AL têm, na opinião da autarca, de ser acompanhadas por outras, nomeadamente nos apoios fiscais. “Eu sou proprietário, tenho um imóvel, faço contas: é muito mais vantajoso ter uma actividade no AL do que ter um arrendamento de longa duração”, exemplifica. Paula Marques defende assim “políticas de benefício aos proprietários” que sejam cumulativas. Isso é, “que o benefício fiscal seja atribuído aos proprietários que tenham como arrendatários pessoas que fazem daquela casa a sua habitação permanente”. Depois, um segundo nível: havendo um “arrendamento a preços acessíveis, tenho outro tipo de benefício fiscal”.

Esta é uma medida, acredita a vereadora, vantajosa para senhorios e inquilinos. Paula Marques diz que a actual lei das rendas “não serve para a protecção nem de uns nem de outros” e que uma mudança na legislação tem de prever “mecanismos que não prejudiquem a expectativa do proprietário em relação à sua propriedade”. “Eu não defendo o congelamento das rendas. Entendo que tenha de haver progressividade no aumento da renda, mas também aí temos de perceber como é que isso impacta na vida dos agregados e dos senhorios”, diz.

Há mais duas mudanças que a responsável gostava de ver na lei do arrendamento urbano. Uma é relativa à estabilidade dos contratos, o que pressupõe um alargamento do período máximo de arrendamento, que é actualmente de cinco anos. É uma questão “aplicável a qualquer pessoa que esteja a organizar a sua vida, independentemente da sua situação económica. Deve haver estabilidade para que as pessoas possam organizar a sua vida e não estejam a pensar nisso de ano a ano, de dois em dois anos ou de três em três.”

A outra mudança passa por tornar definitivas as disposições adoptadas pelo Parlamento no ano passado, que fundamentalmente alargaram de cinco para oito e dez anos os prazos de transição dos antigos contratos para o novo regime, para pessoas com mais de 65 anos ou com carência económica. “Se nós revogarmos e não assegurarmos que estas alterações possam continuar a vigorar, estamos a andar para trás”, diz Paula Marques.

"Não temos muito mais património no centro histórico"
As candidaturas ao concurso extraordinário de habitação no centro histórico devem abrir esta semana, precisa Paula Marques ao PÚBLICO. Trata-se de uma iniciativa exclusivamente destinada a pessoas que residam nas freguesias de Santa Maria Maior, Misericórdia, São Vicente e Santo António há mais de dez anos e que estejam “em comprovado risco de perder a habitação no prazo de um ano ou tenha perdido a habitação no ano anterior”.

“As candidaturas vão poder ser feitas preferencialmente nas quatro juntas de freguesia” e na loja municipal do Campo Grande, explica a vereadora. “Este concurso extraordinário é uma resposta específica para a situação que estamos a viver, que nós esperamos que seja transitória, no sentido em que temos de tomar medidas de fundo a montante para que as pessoas não saiam de suas casas”, diz.

A câmara destinou 100 casas a este concurso, uma das quais, na Graça, a vereadora mostrou ao PÚBLICO. Trata-se de uma habitação térrea T1 que sofreu obras de reabilitação recentemente e que está praticamente pronta a ser entregue. Há ainda 46 casas “em fase de finalização” de obras e concurso a decorrer para intervir nas restantes. A maioria das chaves poderá ser entregue “no final do primeiro trimestre de 2018”, acredita Paula Marques.

A autarca reconhece que não faz ideia de quantas pessoas se vão candidatar e diz que a câmara tem de estar preparada para fazer face a uma eventual enxurrada de pedidos. Isto apesar de o número de casas municipais disponíveis no centro histórico, segundo a vereadora, já ser escasso. “Estamos a fazer a análise de mais património que tenhamos no centro histórico. Não temos muito mais. Não consigo ter exponencialmente muito mais património, mas todo aquele que nós estamos a analisar e que possa engrossar este pilar de intervenção ou outro que nós decidamos, a prioridade é reabilitar.”

A alienação de mais prédios, como aconteceu nos mandatos anteriores, está para já afastada. “Eu acho é que em determinado momento é preciso perceber qual é a prioridade. E neste momento é clara a prioridade de reabilitação, em particular da propriedade no centro histórico”, diz Paula Marques.

Há ainda um quarto pilar a merecer atenção, que é o da oferta pública de habitação. Depois de vários anos a vender património imobiliário, a câmara começou agora a abrandar e a direccioná-lo para a reabilitação e arrendamento directo. “Se nós já defendíamos a utilização do património municipal, havendo uma situação que é pública, que nos chega através das juntas de freguesia, dos cidadãos e das cidadãs directamente, nas reuniões de câmara, na assembleia municipal, nas organizações locais, era por de mais evidente que esta mudança se impunha. Em bom tempo a câmara a decidiu fazer”, afirma a vereadora.

A autarquia prepara-se para lançar um concurso de habitação específico para os habitantes do centro histórico e tem em curso o Programa de Renda Acessível, através do qual quer injectar pelo menos seis mil casas, novas e reabilitadas, no mercado de arrendamento. Compete à administração central fazer o mesmo, defende Paula Marques. Esse é, aliás, um dos objectivos da nova secretária de Estado da Habitação.


Texto corrigido às 12h35 de 14 de Fevereiro: Paula Marques é vereadora da Habitação e Desenvolvimento Local e não do Urbanismo, como a legenda da fotografia dizia erradamente numa primeira versão deste artigo.

Quarteirão do polémico “mono do Rato” vai mesmo ser demolido nos próximos dias / Uma questão de promiscuidades 19.07.2009, António Sérgio Rosa de Carvalho / Associação cívica desencadeia acção popular em tribunal contra o “mono do Rato” Ana Henriques 14/04/2011



“[O projecto] regressava à ordem de trabalhos de uma reunião do executivo camarário perto do Natal de 2010. Depois de muita discussão, o “mono do Rato”  – que sempre contou com o público apoio da Ordem dos Arquitectos, para quem a negativa no licenciamento careceria de fundamento legal – acabaria por ser aprovado, a 22 de dezembro, com os votos favoráveis do PS, a abstenção do PSD e do CDS, enquanto Helena Roseta (independente) e Rúben de Carvalho (PCP) preferiram sair da sala, por se recusarem votar sob ameaça de procedimento judicial do promotor. [ que exigia 1,6 milhões de euros a cada um. ]” in OCORVO
-------------------------------------------------------------------
BASTA ! Artigo de Opinião, publicado a 30 de Dezembro de 2010 quando do primeiro projecto para o Largo do Rato.
LOCAL LISBOA
Basta!
ANTÓNIO SÉRGIO ROSA DE CARVALHO 30 de Dezembro de 2010, 0:00

Enquanto a destruição sistemática e organizada do que resta das Avenidas continua em perfeita sintonia com uma classe de arquitectos, indiferente ao seu Património insubstituível, e determinada a assumir o estatuto de arquitectos do regime, Manuel Salgado, mais transformado em "porteiro" dos interesses estabelecidos, em lugar de defensor e garantia de salvaguarda dos interesses da cidade, assina um acordo inaceitável a priori com um promotor, tornando-se assim cúmplice de chantagem vergonhosa sobre os eleitos.

O resultado ultrapassou todas as marcas do eticamente escandaloso e do ilegal, tornando este caso de licenciamento definitivo do Projecto do Largo do Rato num símbolo manipulativo de abuso de poder.

Resta agora à sociedade civil transformá-lo num símbolo definitivo de resistência "musculada" e tenaz, que fique para a História como um sinal de maturidade da democracia participativa contra a tirania das manobras maquiavélicas e manipulativas de uma certa forma de exercer a democracia representativa.

Que se aproveite também para meditar sobre o papel afirmativo (em ruptura irreversível) e destruidor de muitos arquitectos com relação ao património, atitude bem ilustrada nas Avenidas e simbolizada no projecto da sua Ordem, nos antigos Banhos de S. Paulo.

Desta história, no Largo do Rato, ninguém sai incólume. Como é possível ouvir alguns representantes da vontade popular afirmar que esta decisão "foi a forma mais simples de fazer com que a cidade possa funcionar", e que o papel dos eleitos "não é achar [o projecto] bom ou mau, é verificar se está em conformidade com a lei" (vereadora Livia Tirone ), mas afirmando também que o projecto "é completamente dissonante" e lamentando que ele tenha sido aprovado "sem debate público"?

Este paradoxo ilustrativo do absurdo, ou de algo bem pior, não pode ser comparado ao protesto indignado de Ruben de Carvalho ou Helena Roseta sobre as pressões inaceitáveis de um processo jurídico desenvolvido com a cumplicidade do vereador do Urbanismo, no momento em que este assina um compromisso de acordo que antecede e influencia a decisão.

De resto, todos os vereadores do Urbanismo anteriores são responsáveis e tomaram decisões que permitiram ou determinaram este processo de destruição sistemática da Lisboa Romântica. Um dos argumentos continuamente esgrimidos, e agora reutilizado, numa manobra surpreendente de aproveitamento da "terra de ninguém" criada por várias "ausências" forçadas ou voluntárias, foi o da sua anterior aprovação em 2005.

Toda esta situação leva-nos à pergunta fundamental: Qual é a formação técnica e académica deste eleitos? Qual é a garantia oferecida pelas suas pessoas para decidir sobre o futuro da cidade de Lisboa?

Resta agora aos cidadãos uma luta definitiva e decisiva, capaz de contribuir para o seu processo de autoconsciência e afirmação da sua maturidade democrática e de fazer sentir aos políticos o que sentimos perante este caso vergonhoso. Basta!

Historiador de arquitectura

Quarteirão do polémico “mono do Rato” vai mesmo ser demolido nos próximos dias

Samuel Alemão
Texto & Fotografia
13 Fevereiro, 2018

O espanto e a curiosidade, acompanhados de alguma preocupação pela falta de informação visível, foram crescendo entre passantes e vizinhos, ao longo da véspera de carnaval (segunda-feira, 12 de fevereiro), e ao mesmo tempo que se procedia à colocação de tapumes. O quarteirão confinado pelo Largo do Rato e pelas as ruas do Salitre e Alexandre Herculano e que, entre 2004 e 2011, esteve no centro de uma polémica devido ao plano para a construção de um grande edifício de traço contemporâneo, assinado pelo arquitectos Manuel Aires Mateus e Frederico Valsassina, será demolido nos próximos dias. Mais de sete anos após a aprovação, em dezembro de 2010, daquele que ficou conhecido como o “mono do Rato”, prepara-se agora para acontecer uma mudança radical naquele gaveto urbano, que culminará com uma nova edificação. O Corvo tentou saber se é o mesmo projecto ou outro, mas tal não foi possível apurar até ao momento da publicação deste artigo.

 “Isto é tudo para ir abaixo, mal a gente acabe de instalar os tapumes”, confirmou a O Corvo um dos dois operários que, na tarde desta segunda-feira, trabalhavam no local e, com regularidade, eram interpelados pela curiosidade de quem se deparava com tal cenário. “É com grande pena que vejo que este quarteirão vai ser destruído. Depois da imensa polémica que aquele projecto causou e da mobilização das pessoas contra a sua construção, fica-se um pouco triste por ver que, afinal, estes edifícios vão ser demolidos. Perde-se um pouco da identidade desta zona”, desabafava uma mulher, moradora na Rua do Salitre, após ter interrogado a parelha de trabalhadores. Além dos tapumes, não era visível qualquer informação sobre o que irá ali acontecer, nem sequer a obrigatória publicidade ao licenciamento camarário. O dono do restaurante Ratoeira Minhota, uns poucos metros mais à frente na mesma rua, também diz desconhecer o que surgirá ali. “Depois daquela polémica, acho que vão fazer uma outra coisa”, assevera.

“Aquela polémica” esteve particularmente activa durante seis anos, desde 2004, quando foram dadas a conhecer as imagens do projecto de Aires Mateus e Valsassina para aquele recanto do Largo do Rato, e até ao início de 2011, pouco depois de o mesmo ter sido aprovados em reunião camarária, já com alterações introduzidas. De permeio, um enorme debate, pontuado por posições extremadas, contra e a favor, sobre a adequação de uma tão radical proposta para aquela zona. O edifício de habitação e escritórios acabou por se revelar bem mais polémico e repleto de arestas do que a sua fachada de tom minimalista, feita em pedra e vidro, a rasgar o classicismo daquela zona. Depois de, em 2005, durante a presidência de Pedro Santana Lopes (PSD), o projecto de arquitectura do edifício ter sido aprovado pela então vereadora do urbanismo, Eduarda Napoleão, com recurso a uma prerrogativa especial, o licenciamento da obra acabou, porém, por ser chumbado por duas vezes em 2008, já com António Costa (PS) à frente do município.

Mas os votos contra não vieram dos então seis vereadores eleitos pelo PS, partido que tem no Largo do Rato a sua sede nacional. Deles chegaram, aliás, na altura, os únicos votos favoráveis ao projecto, cujo impacto paisagístico e ainda a necessidade de fazer um plano de pormenor para a zona motivaram a união na sua rejeição dos outros onze membros da vereação – algo que aconteceu por duas vezes, em julho e em novembro de 2008. Há uma década, PSD, PCP, Bloco de Esquerda (que elegera José Sá Fernandes), mas também a vereadora Helena Roseta – eleita pelo Movimento Cidadãos por Lisboa numa coligação que garantira a vitória de Costa nas eleições intercalares de 2007 – juntaram-se para vetar uma construção muito criticada não apenas pela sua grande escala, mas também pela sua implantação e relacionamento com a envolvente. A então vereadora do PSD Margarida Saavedra chegou a propor a construção de um jardim naquele local. O chumbo do arrojado empreendimento imobiliário levou a que o seu promotor decidisse, no início do ano seguinte, em 2009, processar judicialmente os onze membros da vereação que votaram contra, pedindo 1,6 milhões de euros a cada um.

No final daquele mesmo ano, o processo teria novos desenvolvimentos, com o mesmo promotor a admitir publicamente que estaria disposto a fazer algumas alterações ao projecto original, desde que a integridade do mesmo não fosse afectada e os interesses económicos da empresa prejudicados. Um responsável do grupo económico, a Arte Pura – Investimentos Imobiliários SA, adiantava ao jornal PÚBLICO que, naquela altura, estariam a ser desenvolvidos “exercícios teóricos” pela dupla de arquitectos no sentido de ver o projecto aprovado – em paralelo, decorreriam contactos “informais” com os serviços de urbanismo da Câmara Municipal de Lisboa. O certo é que, poucos meses depois, em março de 2010, António Costa também se mostraria publicamente disponível para dialogar com a promotora sobre este dossiê. Algo que aconteceria no momento em que a vereação – com os votos favoráveis do PS e a abstenção do PSD, PCP e CDS – aprovaria a revogação do anterior chumbo do licenciamento, após ter admitido “vício de forma” do mesmo acto.

Algo que estaria relacionado com o facto de, aquando do último chumbo, ocorrido em novembro de 2008, ao promotor não lhe ter sido dada oportunidade de se pronunciar sobre os fundamentos do mesmo – direito previsto no Código de Procedimento Administrativo. Assumido e corrigido o erro, estava então aberta, de novo, a porta para a insistência na construção de tão contestada obra. Feitas as necessárias alterações ao projecto – com os arquitectos a mexerem nas fachadas, mas também a eliminarem as caves e o comércio no rés-do-chão -, ele regressava à ordem de trabalhos de uma reunião do executivo camarário perto do Natal de 2010. Depois de muita discussão, o “mono do Rato”  – que sempre contou com o público apoio da Ordem dos Arquitectos, para quem a negativa no licenciamento careceria de fundamento legal – acabaria por ser aprovado, a 22 de dezembro, com os votos favoráveis do PS, a abstenção do PSD e do CDS, enquanto Helena Roseta (independente) e Rúben de Carvalho (PCP) preferiram sair da sala, por se recusarem votar sob ameaça de procedimento judicial do promotor.


O Corvo tentou obter, ao longo da tarde desta segunda-feira (12 de fevereiro), junto da Câmara de Lisboa, esclarecimentos sobre o projecto que ali nascerá. Mas tal não foi possível, no entanto, até ao momento da publicação deste artigo.




Uma questão de promiscuidades

19.07.2009, António Sérgio Rosa de Carvalho in Público.
(...) –“ não quero mais encomendas a arquitectos do star system, a cobrarem fortunas por "maquetas" feitas de caixas de sapatos;”
- “não quero mais destruição do património arquitectónico, através da especulação imobiliária ou da "criatividade" corporativa dos arquitectos, não só nas avenidas românticas, mas em toda a Lisboa. Isto implica Largo do Rato, Terreiro do Paço, etc, etc.”

Uma questão de promiscuidades
19.07.2009, António Sérgio Rosa de Carvalho

"A cidadania não vai a votos. A cidadania exerce-se"! Num texto anterior publicado no PÚBLICO, afirmava isto, motivado pela necessidade de defender "um cordão sanitário" entre a jovem e frágil democracia participativa e a erodida e desprestigiada democracia representativa.
Algo mais, já então, me motivava. A consciência intuitiva de que Helena Roseta pertencia àquele grupo de políticos profissionais que, conscientes do cansaço, erosão e de um progressivo distanciamento dos votantes, encontrava nos "cidadãos" participativos uma fórmula "refrescante" e uma oportunidade de "reformatar" o discurso. A máscara caiu. A razão diz-nos que não é supreendente, mas o sentimento exalta uma indignação, perante um sentimento de manipulação, ou mesmo, e é preciso dizê-lo, de traição.
A enorme bofetada que Helena Roseta dá em todos aqueles que seguiram o seu discurso de independência implica também uma enorme machadada na jovem e frágil democracia participativa, e, consequentemente, directa e indirectamente, na credibilidade da já tão doente democracia representativa.
Ela, de forma brutal, projecta todos aqueles que acreditaram numa plataforma de participação transversal aos ciclos políticos, num espaço ecléctico e pluralista de manifestação de individuos-cidadãos, unidos apenas pela urgência dos temas, novamente, na polarização dos blocos políticos e dos aparelhos ideológicos.
Ela mata, assim, uma dialéctica estimulante e melhoradora da própria democracia ao, de forma facciosa e oportunista, querer monopolizar a cidadania para um campo da "esquerda", como se tal fosse possivel...
Esta atitude é comparável à afirmação de que o humanismo do séc. XXI, a consciência ambiental, a ecologia e a consciência urgente da necessidade imperativa da salvaguarda ecológica do planeta são exclusivos da "esquerda".
É por isto que eu afirmo claramente aqui que já sei em quem não vou votar... E, ao contrário do prof. Carmona,
digo-o: não vou votar no triunvirato Costa-Zé-Roseta.
Em quem vou votar, como muitos, não sei...
Portanto, apelos aos restantes para me convencerem, dizendo desde já que:
- não quero mais trapalhadas urbanísticas com histórias de permutas, trocas, baldrocas;
- não quero, pelo menos no primeiro mandato, mais obras públicas com orçamentos "em derrapagem";
- não quero mais encomendas a arquitectos do star system, a cobrarem fortunas por "maquetas" feitas de caixas de sapatos;
- não quero mais destruição do património arquitectónico, através da especulação imobiliária ou da "criatividade" corporativa dos arquitectos, não só nas avenidas românticas, mas em toda a Lisboa. Isto implica Largo do Rato, Terreiro do Paço, etc, etc.
Quero:
- reabilitação, reabilitação, reabilitação... urbana, com responsabilidade técnica e grande rigor na perspectiva da salvaguarda do património;
- a Baixa classificada como Património Mundial e a respectiva carta de valores e regras que isso implica;
- repovoamento do centro histórico;
- estratégia e planeamento na área do urbanismo comercial;
- gestão equilibrada na estratégia do trânsito e do estacionamento, incluindo uma Autoridade Metropolitana de Lisboa e um Regulamento de Cargas e Descargas;
- gestão dos espaços verdes;
- ao menos, a existência de uma política cultural e museológica para a cidade de Lisboa.
Bem, não tenho mais espaço... Acima de tudo, viva Lisboa! Lisboa merece mais.
Historiador de Arquitectura



Associação cívica desencadeia acção popular em tribunal contra o “mono do Rato”
Ana Henriques
14/04/2011

Iniciativa do movimento Salvem o Largo do Rato pede a anulação do licenciamento de imóvel projectado por Frederico Valsassina e Manuel Aires Mateus
O polémico projecto para construir um edifício de grandes proporções num dos cantos do Largo do Rato sofreu novo revés: uma associação cívica desencadeou uma acção popular destinada a anular o licenciamento camarário da obra, que ainda não arrancou.

A recém-criada associação Salvem o Largo do Rato argumenta que a Câmara de Lisboa violou normas legais ao permitir, no topo da Rua do Salitre, a construção de um imóvel que “motivou a repulsa da população de Lisboa”, ao ponto de o projecto ter ficado conhecido como “mono do Rato”. Foi entregue na Assembleia da República uma petição contra o edifício com mais de 5000 assinaturas. “Actos administrativos ilegais (...) resultaram no licenciamento de uma edificação que na sua inserção urbana se traduz numa violenta afronta a vários normativos do Plano Director Municipal de Lisboa”, refere a acção popular.
São vários os exemplos apresentados ao Tribunal Administrativo do Círculo de Lisboa: no Largo do Rato “predominam edifícios com uma altura média entre os nove e os dez metros”, mas “o projecto de arquitectura aprovado permite que a nova construção venha a ter uma altura superior a 17”; o projecto “viola grosseiramente” a regra que limita a altura máxima de um edifício consoante a largura das ruas confinantes; e até a largura prevista para a empena do imóvel “aproximase dos 39 metros”, quando, segundo a associação, não podia ir além dos 15. Consequências? “O prédio cria uma barreira perpendicular” relativamente aos edifícios vizinhos, “eliminando a possibilidade de insolação e ventilação naturais”. Ou seja, o edifício “não é apto para habitação”, porque “irá condenar a uma situação de insalubridade não só os logradouros confinantes” – os quintais dos outros prédios – como também os próprios edifícios, uma vez que ficarão à sombra após o meio-dia e sem qualquer possibilidade de arejamento natural”.

Por fim, a associação critica a opção de “transformar a parte nobre da cidade num desencanto de betão”, apesar do valor patrimonial de vários imóveis próximos. A cinco metros dali fica o chafariz do Rato, classificado como monumento nacional. Com a sua “fachada monolítica (...) com acabamentos em lioz e vidro”, o projecto de Frederico Valsassina e Manuel Aires Mateus “traduz-se numa total ruptura estética e urbanística com a malha e edifícios envolventes”.

Licenciado pela primeira vez pela Câmara de Lisboa em 2005, o projecto para um bloco de apartamentos no Largo do Rato acabou por ser rejeitado pela mesma autarquia três anos depois. Os seus promotores imobiliários foram então para tribunal para fazer valer os seus direitos. Já em 2010 o município entrou em negociações com os promotores para aprovar outra vez o projecto, o que veio de facto a acontecer. O PÚBLICO tentou, sem sucesso, obter um comentário do vereador do Urbanismo, Manuel Salgado, ao surgimento desta acção popular.

sexta-feira, 16 de fevereiro de 2018

O que falta em Lisboa? Para alguns, falta “onde gastar o dinheiro”


Se para as classes médias e para os jovens é cada vez mais uma miragem viver no centro de Lisboa, quem vive do setor imobiliário - sobretudo nas gamas altas - vive uma “época dourada”. Será uma bolha?


“Alguns” !?
NO COMMENT
OVOODOCORVO

O que falta em Lisboa? Para alguns, falta “onde gastar o dinheiro”
15 Fevereiro 2018104
Edgar Caetano

Se para as classes médias e para os jovens é cada vez mais uma miragem viver no centro de Lisboa, quem vive do setor imobiliário - sobretudo nas gamas altas - vive uma “época dourada”. Será uma bolha?

Em Lisboa “até tem loja da Prada e pode andar de Rolex na rua. Não tem problema, não”
Os transportes são (de facto) um problema
“Queres ir trabalhar para Varsóvia? ‘Não’. E para Lisboa?”
É uma bolha? Ou o “passo da internacionalização está dado e não há voltar atrás?”

“800 mil euros? Por um apartamento no centro de Lisboa? Nossa, isso aí é valor de Looondres“. Escrevemos “nossa” em itálico para tentar indicar ao leitor que quem está a falar é um brasileiro — um dos muitos brasileiros, endinheirados, que estão a “descobrir” Lisboa e a fazer da capital portuguesa a sua nova casa. Ainda que fique surpreendido pelo preço (ou finja ficar), este brasileiro vai mesmo acabar por comprar o apartamento, garante, ao Observador, alguém que dedica os seus dias a navegar nesta “época dourada” do imobiliário na capital portuguesa — nas casas e, também, cada vez mais, nos escritórios.

É, em parte, graças ao brasileiro, ao francês, ao turco, ao sul-africano, ao inglês (cada vez menos ao angolano e ao chinês) que os preços das casas estão em níveis que muitos consideram típicos de uma “bolha” — mas que quem está no terreno garante que não é assim. E não é assim, diz-nos uma das maiores consultoras de investimento imobiliário, porque “Lisboa deu o passo da internacionalização e, normalmente, depois de esse passo ser dado, não se volta atrás”. E não há uma “bolha”, também, porque quem vem, cada vez mais vem para ficar — “apaixona-se” por Lisboa, uma cidade cujo único defeito, para alguns, é “faltar onde gastar o dinheiro”.

O ano de 2017 foi um ano recorde para o imobiliário em Portugal, com um aumento a rondar os 50% face a 2016. E a tendência vai continuar a ser de um crescimento de dois dígitos, prevê a consultora JLL. Para 2018, a “estimativa prudente” da JLL para o crescimento do investimento neste setor — em todos os segmentos — é de 25%, mas “à luz da atividade que está a registar-se neste primeiro mês do ano”, e com alguns negócios que deverão ser anunciados em breve, “ninguém ficará surpreendido se chegarmos ao fim do ano com um valor na ordem dos três mil milhões de euros”, ou seja, mais um crescimento anual de 50%, igualando o ano recorde que foi 2017.

A previsão foi avançada por Fernando Ferreira, responsável pela área de investimento da JLL, num encontro com jornalistas, no final de janeiro, para apresentar o relatório semestral que a consultora elabora sobre as grandes tendências do mercado imobiliário, o Market 360º.

Foi uma outra responsável da mesma consultora, Patrícia Barão, que lidera a equipa vocacionada para o segmento residencial, que nos contou a história do brasileiro. Deste e de outros, de brasileiros e não só: “em 2017 fizemos negócios com 48 nacionalidades — tinham sido 43 no ano anterior. Todos os anos estamos a ser descobertos por nacionalidades novas e por pessoas que se apaixonam pelo nosso país”, afirmou Patrícia Barão.

“Apaixonar” é, curiosamente, a mesma expressão usada por Patrícia Barão, da JLL, e por Cristina Arouca, diretora de research da CBRE, outra consultora que tem vista privilegiada para as grandes mudanças que estão a ocorrer no imobiliário em Lisboa (e, em certa medida, em outras zonas do país como a cidade do Porto). “Há muitos investidores que vêm cá e apaixonam-se pela cidade”, afirma Cristina Arouca, que diz que as estrelas estão a alinhar-se para Portugal quando se fala em investimento em imobiliário (que hoje já é muito mais do que o investimento do Visto Gold).

“Os fundamentos hoje são bons: a economia está a recuperar, no imobiliário a procura é enorme, e tem graça porque se há uns anos alguns estrangeiros olhavam para Portugal e viam grandes riscos políticos, hoje em dia vários países — não só fora da Europa mas também dentro da Europa — também têm problemas” relacionados, por exemplo, com movimentos independentistas ou a saída da União Europeia, no caso dos britânicos.

A diretora da CBRE diz, em entrevista ao Observador, que muitos destes estrangeiros percebem, agora, que os seus países de origem “não são assim tão bestiais”. E Lisboa — e Portugal — surgem, neste contexto, como um lugar cada vez mais apetecível.

Em Lisboa “até tem loja da Prada e pode andar de Rolex na rua. Não tem problema, não”
Tão apetecível que, conta Patrícia Barão, se cria um “problema” para os primeiros que vieram. Conta a responsável da JLL: “em 2016 vendemos um apartamento a um casal brasileiro, com 60 e tal anos, que veio viver para Lisboa. Depois disso, os netos vieram cá e adoraram a cidade, eles que sempre acharam que Portugal era um país meio atrasado”.

Por regra, acrescenta a especialista, “o brasileiro vem à Europa mas vai a Paris, vai a Milão. Mas aqui em Lisboa, constataram que podiam sair à noite, que a noite era super-divertida, segura, ‘até se pode andar de Rolex na rua‘, e ficaram surpreendidos pela qualidade de universidades internacionais que existem cá. Mais: havia um cunhado tem um negócio que não precisa de estar em São Paulo. E, do ponto de vista fiscal, até é preferível estar em Lisboa”. Também veio para Lisboa, o cunhado.

“Até tem loja da Prada”, diziam os netos, com cerca de 20 anos. Passado algum tempo, toda a família veio para Lisboa. “Aí, ó Patrícia, você criou um problema para nós, hein?”, ouviu a responsável pela área residencial da JLL, que agora reproduz, com humor, o que lhe disseram os clientes.

Mais a sério: um dos membros do casal de brasileiros viria a ter, de facto, um problema — um problema de saúde. “Nós tantas vezes nos queixamos do nosso sistema nacional de saúde. Ora, eles foram a um hospital, público, ao São Francisco Xavier, foram atendidos e o problema resolveu-se. Como seria no Brasil? ‘Patrícia, no Brasil eu ficava prá morrer na entrada, viu?'”.

“Todos os anos estamos a ser descobertos por nacionalidades novas e por pessoas que se apaixonam pelo nosso país”, afirmou Patrícia Barão, da JLL.

Mas o que falta, então, a Lisboa? Quando estes clientes tentam regatear o preço a pagar pelas casas, se é que o fazem, que argumentos é que usam? Como diz o ditado, quem quer comprar tem de desdenhar, certo? “Bem, não há assim nada de que eles reclamem”, diz Patrícia Barão. “Um brasileiro que chega a Lisboa não tem tema“, acrescenta. Nem o trânsito? “Em São Paulo o trânsito é caótico, isto não é nada comparado com São Paulo”, remata a agente da JLL.

Existe, porém, um problema de que alguns se queixam. E é o diretor-geral da JLL, Pedro Lancastre, que nos conta o que ouviu da boca de um (também) brasileiro. Eis o que lhe disseram: “Lisboa só tem um problema: é difícil gastar dinheiro. Foi a expressão que usaram. Quando vão a Milão têm mais lojas de luxo, restaurantes de topo, hotelaria. Eles gostam muito das Cartier e das Prada, de ir a bons restaurantes. Em Portugal há muitas tascas, o que é ótimo, mas falta o resto”, defende Pedro Lancastre, em conversa com o Observador.

Os transportes são (de facto) um problema
É verdade que, como diz Cristina Arouca, da CBRE, as grandes marcas de luxo não fazem grandes intenções de abrir uma segunda loja em Portugal — “talvez estejam, algumas, agora a pensar em abrir uma loja no Porto, mas poucas”. Mas Portugal — e Lisboa, em particular — nunca foi conhecido por ser um destino de excelência para quem quer fazer compras em marcas de luxo.

Não são só os estrangeiros a comprar
“2017 foi um ano extraordinário para o segmento residencial”, afirma Patrícia Barão, responsável pelo segmento residencial da JLL. Mas o crescimento de Lisboa e Porto “não provém apenas do investimento estrangeiro. Os portugueses, com cada vez mais capacidade para investir, aumentaram consideravelmente a sua quota em 2017”, afirma a responsável da JLL, uma consultora onde o “ticket” médio de compras se situou em 630 mil euros, no ano passado.

Ao contrário dos responsáveis da JLL, que defendem que os clientes mais endinheirados, quando chegam a Portugal, “não têm tema”, a diretora de research da CBRE deteta alguns fatores em que Lisboa tem um caminho a percorrer. O principal? Os transportes são insuficientes, o que é um problema para quem vem para cá viver mas, sobretudo, quem vem para trabalhar.

“Nós olhamos para a rede de transportes de outros países, de outras capitais, e não se compara”, salienta Cristina Arouca. “Claro que há muitas pessoas que, até pelas funções profissionais que têm, usam carro da empresa, mas aí cria-se o problema do estacionamento”, nota a especialista, defendendo que “a política do município tem sido a correta, pelo menos em teoria — tirar os carros da cidade — mas, então, têm de se criar alternativas“.

De resto, mesmo quando se fala em lazer — por outras palavras, “onde gastar o dinheiro” — “em Portugal evoluiu-se tanto, nesse aspeto, que a meu ver já estamos a um nível bastante satisfatório”, defende a diretora de research da CBRE. “Na gastronomia, temos restaurantes novos a abrir todos os dias e de elevada qualidade. Mesmo em termos culturais, temos tido exposições muito boas. Em termos de compras, podem faltar algumas marcas mas já temos um bom roteiro — é claro que dificilmente podemos comparar com outras capitais”. Possivelmente o “tal” brasileiro quer comparar-nos com Londres, com Milão ou com Paris, até Madrid… bem, mas se compararmos com Varsóvia temos muito mais boas lojas e restaurantes de luxo.

“Queres ir trabalhar para Varsóvia? ‘Não’. E para Lisboa?”
E é com capitais como Varsóvia (onde está um temperatura de três graus negativos no momento da publicação deste texto) que Lisboa outras cidades portuguesas estão, de facto, a competir, sobretudo no setor que é mais próximo de Cristina Arouca, da CBRE: os escritórios.

A subida das rendas dos escritórios, nos últimos anos, já nos colocou ao nível das rendas que são cobradas na Polónia, um mercado concorrente com Portugal neste segmento, diz a diretora da CBRE. Mas “há que ter em conta os aspetos relacionados com o custo de vida e outras componentes qualitativas. Por exemplo? O BNP Paribas, que trouxe para cá uma série de serviços e vai trazer pessoas e contratar, cá, outras. Se perguntarem a um francês: queres ir trabalhar para a Polónia? ‘Não’. Então queres ir trabalhar para Portugal? ‘Quero, claro que sim, tenho muito mais qualidade de vida do que num país do Leste Europeu'”.


Uma fotografia tirada no início deste mês de fevereiro em Varsóvia, onde estão -3ºC. FOTO: JANEK SKARZYNSKI/AFP/Getty Images

Se nos últimos anos o investimento no mercado residencial foi o mais atrativo, cada vez mais os investidores estão a olhar para o segmento dos escritórios em Lisboa, não só por uma questão de diversificação mas porque este está a mostrar ser, de facto, um mercado com enorme escassez. “Nós estamos a ver surgirem edifícios de escritórios que não foram concebidos para serem edifícios de escritórios mas que estão a ser reconvertidos para essa finalidade”.

Neste momento, diz Cristina Arouca, “os locais com maior procura são a zona ribeirinha, não só porque está perto do rio e de zonas de diversão, mas também porque tem muitas opções de transportes — a mobilidade é um fator importantíssimo, todas as empresas se preocupam com isso. Mas há muito pouca oferta e, em certas zonas, o modelo de negócio que está em voga é o pré-arrendamento: “em 2018 vão arrancar várias obras já com inquilinos garantidos”, adianta a diretora da CBRE.

"Lisboa está muito na moda. Portugal é atualmente um destino de eleição para a instalação de multinacionais que prestam serviços tecnológicos partilhados"
Mariana Rosa, "head of Office agency & corporate solutions" da JLL
Precisamente por causa da escassez de edifícios de escritórios adaptados às novas gerações de trabalhadores, a JLL pede que as autoridades pensem em medidas de incentivo para este tipo de promoção imobiliária, como houve para o segmento residencial. Pedro Lancastre, diretor-geral da empresa, defende que “tem de haver mais produção para escritórios, senão não há o tal espaço para atrair os talentos”. “Tem de haver incentivos pela câmara e pelo Estado, menos impostos para quem promove. Alguns dos incentivos que houve para o mercado residencial também fariam sentido nos escritórios”, argumenta o gestor.

É uma bolha? Ou o “passo da internacionalização está dado e não há voltar atrás?”
“As cidades de Lisboa e Porto estão num autêntico frenesim: muitos edifícios a serem reabilitados, zonas públicas em grandes transformações e todos os dias abrem lojas, cafés e restaurantes que nos enchem de orgulho em sermos portugueses”, escreve Pedro Lancastre na introdução do relatório Market 360º da JLL. “Formou-se a tempestade perfeita e o país está a saber tirar partido“, defende o diretor-geral da JLL em Portugal, acrescentando que “o crescimento é sustentado e sustentável, pois as fontes de procura são hoje muito mais diversificadas e a dinâmica já não é apenas conjuntural.

Ao falar sobre o aumento dos preços do imobiliário em Lisboa, as opiniões variam entre “está tudo doido” ou “é uma bolha e, quando rebentar, vai ser bonito”. Mas, a fazer fé no que diz quem trabalha nesta área, “a questão da bolha não se coloca“.

Não obstante muitos dos negócios serem feitos com capitais próprios, Patrícia Barão, da JLL, diz que “este ano 2017 tivemos um aumento de 44% no crédito à habitação face ao ano anterior. Mas, comparando com 2007, o último pico que tivemos, estamos 60% abaixo”. “O mercado está sólido, temos uma oferta e uma procura que está cada vez mais alinhada e os nossos preços, se olharmos para os preços praticados nas principais cidades europeias, vemos que Lisboa está ainda bastante inferior”, acrescenta.

Na opinião de Maria Empis, também da JLL, “é claro que existirão sempre ciclos económicos, mas Portugal deu o passo da internacionalização e, pela experiência doutros países, agora não há volta a dar”. A especialista defende que “no residencial, a motivação já não é o Visto Gold, é quem quer vir trabalhar, quem quer vir viver para cá. Claro que pode haver abrandamentos mas o passo da internacionalização está dado”, afirma Maria Empis.

O que é certo é que, com mais ou menos subidas acentuadas dos preços, em pouco tempo, a cidade está a mudar. E vai continuar a mudar, diz Cristina Arouca, da CBRE — e quem quiser (e puder) viver no centro da cidade vai ter de se adaptar.

“O que acredito que irá acontecer, a prazo, é que as casas vão passar a ser mais pequenas“, diz a especialista, defendendo que “as nossas casas, em Lisboa, são muito maiores do que as de Madrid, estamos um pouco mal habituados nesse aspeto”, diz Cristina Arouca. Daqui para a frente, “a tendência é que iremos cada vez mais ter casas mais pequenas, com menos corredores, com a cozinha aberta para a sala de jantar — não serão tanto as tipologias que irão mudar mas, sim, a dimensão das casas e o aproveitamento das divisões”.


No horizonte estará, portanto, um futuro com casas mais pequenas — para poder ficar mais em conta viver numa cidade onde, apesar de tudo, saindo pelas portas de casa, haverá cada vez mais lugares onde “gastar o dinheiro”.